Pular para o conteúdo principal

Maluca beleza, com certeza!

(Suco de maça, cerveja sem álcool, chop, tudo que se tem direito para celebrar o encontro e talvez a despedida de 11 amigos em Praga, Kenth, Ângela, eu e Ângelo e o pessoal invisível do outro lado, Fabinho, Liana, Tiago e Gigi, República Tcheca, maio de 2010)

Estava escrevendo esta resposta lá nos comentários e estava tão gigante que achei melhor virar um postezinho, já que perto do tanto que escrevo ele é quase pequeno... Aqui vai...

"Molerada querida que me escreveu no último post e quem leu e ficou tristonho com ele,

Quer dizer então faço todo mundo chorar as pitangas junto comigo? rs...

Obrigada, de coração, por toda essa torcida para que tudo dê muito certo na nossa nova velha vida no Brasilzão desse nosso Deus!

Obrigada pelos elogios tão sinceros de quem lê o blog e gosta... "das veiz" eu não acredito muito que os textos possam agradar a alguém, daí vocês me lembram que sim, que muitos gostam, se sentem bem e tal e me dá aquela vontade de novo! E muitas vezes eu me inspiro lendo vocês mesmas... Inúmeras vezes! É realmente uma troca!

Só uma coisa que queria acrescentar a este último post depois dos comentários de vocês: vocês já sabem que eu sou maluca não é! De carteirinha! Vocês se lembram não é mesmo?

Eu sou pisciana, tenho até PHD em filosofia, o que não é para qualquer maluco, só para os apaixonadamente malucos! E eu sou metida a arrrtista! Dá para entender que eu sou o tipo intenso, mesmo quando eu não quero. Eu sou piegas. Eu falo de emoções com uma breguice só minha e eu falo de meus amores e ódios do mesmo jeito!

De fato todas vocês perceberam que eu "sofri" escrevendo este post, eu choooreeeeei horrores enquanto escrevia, mesmo porque eu estava segurando de falar isso pra voces desde janeiro, entendem?

O post que iria ser sobre o visitante 100 mil virou também o post do anúncio da mudança, desse meio começo de despedida e tudo o mais. Apesar disso, ir embora não é algo que me faça sofrer no sentido literal do termo. Eu tenho momentos de tristeza quando penso nas perdas. E eu tenho momentos de extrema alegria e excitação quando penso no que poderei voltar a fazer tendo minha velha vida, trabalho, casa, minha família e meus velhos amigos comigo de novo!

É fato que eu soltei o buááá escrevendo o post a vocês... É muito especial viver isso tudo, falar disso com vocês e ser ouvida... mas a verdade é que eu subo e desço muito rápido. Me empolgo de um minuto pra outro com algo e aí morro de rir, me sinto cheíssima de felicidade...

Fico imensamente grata pela internet e um simples blog me proporcionar tanta troca boa! juro! Eu agradeço mesmo! É tão bom saber que quando eu queria tannnto falar aquilo tudo tinha gente com consideracao como vocês... Por outro lado, quero dizer que os tipos como eu, sofrem alguns minutos e riem o restante...

Tenho comprado coisas lindas que sempre olhei e queria para minha casa no Brasil ou para a nova membra da família. Tenho planejado encontrar minha sobrinha Luana e curtir, curtir sua presença como se o tempo não tivesse passado. Quero tagarelar com meus irmãos sobre nós e nossa infância e lembrar de nosso pai. Quero ver o Ângelo brincando com os sobrinhos moleques, Jú e Gus, comer a comida da minha mãe e as sobremesas da minha sogra. Passar fim de semanas na praia, comer comida mexicana com a cunhada, dar um pit stop nas amigas e ficar até tantas em casa em jantares especiais com amigos queridos e seus filhos.

Tudo isso pra dizer então que hoje, por exemplo, eu tô subindo as paredes de alegria de pensar na ida, toda cheia de planos etc... Daí se penso nas perdas (que não são poucas se a gente fica comparando o que se pode ter na tranquila, organizada Suécia e não se tem no nosso Brazil veronil) eu volto a pensar: "putz! que melda não ter o melhor dos dois mundos ao mesmo tempo!" E desisto de querer o impossível... e me conformo de que não há mudança sem sofrimento e adaptação, ou readaptção no meu caso...

E assim vou, tenho ido desde que cheguei nessa Suécia, desde que me conheço por gente...

E por tudo isso, por eu ser eu mesma aqui e ter essas conversas malucas com vocês: obrigada!
Eu vou tentar de alguma forma não deixar morrer o "Borboleta pequenina" mesmo que não seja mais somniando na Suécia...

Beijão grande de quem tem uma centena de posts sobre essa vida aqui na cabeça para publicar antes de ir embora e espera que vocês estejam aí para ler!
Sônia."

Comentários

Luciana disse…
Vim te desejar muita sorte nessa sua nova vida de volta ao nosso Brasil brasileiro, que novos caminhos se abram pra vocë e pra sua família, e que lá você tenha tão boas experiências quanto teve ai na Suécia.
Muitas felicidades pra vocës.
Lindo o nome que você escolheu pra sua filha.

Beijo
Françoise disse…
Um post pra chorar e um p/ rir com seu jeito de escrever, você é óoooooootima mulher, se não vais somniar na Suécia, quero acompanhá-la somniando no Brasil, em algum lugar, qualquer que seja....
É muito legal vê-la cheinha de planos, você não para nuncaaaa, ehhhh!!!!
Bjos mulher, e espero que eu possa te entregar a camiseta que era p/ torcer pelo Brasil na copa de 2010 ou quem sabe na de 2014, rsrsrs...

Inté!
Beth/Lilás disse…
Soníssima,
Te conhecendo estes anos pelo que escreve aqui, mesmo não a tendo visto pessoalmente, mas sei que és exatamente como descreveu - fica triste, mas no instante seguinte alegra-se. Tá sempre procurando enxergar o melhor naquilo que está por vir e é assim que temos que ser, pois a vida não é estática, está sempre mudando, transformando-se e nós estamos nela para isso, como uma borboleta você bem o diz no título de seu blog.
Então, venha! Vai ser muito bom também, principalmente depois de tanta bagagem, crescimento espiritual e social que vocês adquiriram por aí.

E vai rolar a festa, vai rolar, tamos aqui a te esperar!

beijinhos cariocas
Tati disse…
Estou na torcida. Que bom que ainda teremos Borboleta pequenina, até por que tem nova borboleta chegando e com ela, muitas histórias!
Um beijo.

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel