Pular para o conteúdo principal

Você também não sentiria um comichão de torcer para a França na Copa?


(Jessy Matador, "Allez, olla, olé", Final Eurovision, Oslo, 2010)

Vi a final do Eurovision, no último sábado, no apê dos adoráveis amigos suecos, Thomas e Magnus, com quem também vimos o show no ano passado, lá na torre do Turning Torso. Não mais na Torre, mas numa vista de não esquecer nunca, de frente para o Mar Báltico, a ilha de Ven, Copenhaguem e uns barcos passeando, acompanhei já em clima de saudade, a final do festival de música europeu.

Devo admitir que lá do apê foi bem difícil não levantar do sofá e começar a chacoalhar o esqueleto todo quando Jessy Matador (foi a primeira vez que eu soube do cantor) e sua trupe francesa entrou cantando a música que também será o jingle da França na Copa...

Apesar de não terem levado o prêmio e não estarem entre os mais votados, a música é africanamente contagiante, por mais francesa em que seja cantada e por mais história da França que o "Allez olla olé" retome. É a aquele tipo de música que não só gruda na cabeça, mas faz a gente entrar fácil numa onda de gente, e ir requebrando todo feliz, sabe? Típico do sentimento que invade a gente em momentos como os da jogos de copa, por exemplo.



(Lena Meyer-Landrut, "Satellite", Vencedora do Eurovision, Oslo, 2010)

Sorte ter lá a jovenzíssima alemã Lena, com um ritmo que marcou uma certa mudança no esquema do Eurovision, já que se trata de um estilo meio diferente dos conhecidos schlager. Lena ganhou com bastante folga dos colegas e foi sorte para os países competidores da Copa que o nível do evento estivesse mais alto este ano, assim a canção animada francesa não teve chances de fazer a Europa toda cantar seu jingle antes mesmo da Copa começar... Ela era boa pra caramba, mas seria colher de chá demais para eles!

A Suécia ficou desclassificada nas semi-finais, pela primeira vez na história de décadas do Eurovision. E como os suecos levam a disputa bem a sério, como falei antes aqui, teve discussão em tevê e rádio sobre o porquê do mal desempenho, ou a não seleção, da minha candidata preferida (snif...) no Melodifestivalen, a sueca Anna Bergendah...

Portugal fez bonito de novo, embora em estilo bem diferente do folk do ano passado. A letra foi traduzida por nós (Xu e eu) para a suecada presente que delira com a beleza da língua e da melodia... Sempre poesia nas canções portuguesas!

Fora o incidente com a Espanha, quando um super cara de pau invadiu a cena e ficou lá dançando no meio do grupo como se fosse um dos bonecos, a noite correu na paz. O grupo teve o direito de se apresentar novamente e foi o último a cantar. Sem o invasor dessa vez. Creio que, no fundo, o maluco ajudou a marcar a doce participação da Espanha com "Algo pequeñito" que a amiga sueca Helena não consegue pronunciar (dá-lhe português na suecada! ta aí meu troco!)


(George Alkaios, "OPA", Final Eurovision, Oslo, 2010)

Além desses, um povo que passa e é esquecido minutos depois. Outros que ficam na memória por motivos diferentes: bonitinhos, exageradamente ou ridicularmente vestidos, outras com vozes maravilhosas, apesar do visu nada a ver de madrinha de casamento, como Niamh Kavanagh, da Irlanda, e Hera Björk, da Islândia. Parece que as européias adoram exagerar em festa formal, mesmo quando era para ser chique!

Sem contar a participação da Sérvia, cujo cantor parecia uma mistura do Roberto Leal com o Cauby Peixoto e as Borboletas (pluft!) da Belarrúsia que aparecem de repente, me assustaram e me fizeram ter vergonha do nome deste humilde blog (tô escondendo a cara com a mão direita agora), eu achei tudo super divertido.

É preciso confessar (em voz baixa) porém que foi mucho, af maria!, difícil não dar uma vibrada com aquele monte de grego dizendo "ôôôpa!" e pisando forte.... gritando como tribo grega. Não é redículo do que a gente acaba gostando quando tá em bando e em festa? Eu adorei!!! Aliás adoramos aquela pisada forte (meio exagerada no vídeo oficial) dos moços e a música cantada não em inglês, mas em grego. Oysan!

Bom, sou arroz de festa e deslumbrette por natureza. Sou o tipo que não sabe nem quem foi classificado para as Copas, mas nos jogos vibro (verdadeiramente) e faço festa como se fosse a maior apaixonada por futebol do planeta.

E, apesar de eu ter saído com Xu e Helena cantarolando e dançando no elevador "Love, oh, love, I gotta tell you how I feel about you", da jovem Lena Meyer, devo admitir que se a música dela é melhor de ouvir e dançar numa disco, em festa de apê e copa eu fico mesmo é com os os gregos e os franceses. Acho que vou encerrar minha estadia na Suécia torcendo para Brasil ao som de "Allez olla olé", ao menos se não aparecer um jingle mais colante que represente o Brasil (tem algum já?)... E sem culpa: OPA!

Comentários

Anônimo disse…
Hahaha, sonhei com os Romenos (pianos siameses) hoje. Consequências.
E amodorei Tom Dice, da Bélgica. Miam!
Celia disse…
Concordo inteiramente, da mesmo um comichao. Bj
Camila Hareide disse…
Sonildes, sábado eu lembrei de você por causa do programa... Mas Lars tava topando até ver Desperate Housewives só pra não ter que ver o enfadonho show! Acabando assistindo Forrest Gump...

Mas vou tentar escutar a música só pela empolgação do seu post. E agora que eu fico vendo na minha mente as passagens que vc descreve - fiquei imaginando vcs lá no apê e o vistão que não deve ter lá...

Teremos que voltar a Malmo um dia.

beijo e allez olla olé procê.
Xu disse…
Mas neeeem pensar em torcer pela Franca na Copa do Mundo!!!! Tá doida, muié?!?! Só podem ser os hormônios...rsrsrsrsrs

Eu até me permito eleger a música da Franca como o hino oficial da Copa 2010... pois é muuuito legal mesmo! Ainda + porque o cantor FRANCES está vestindo uma camisa (mto parecida com a) da selecão BRASILEIRA no video clip da mesma música...:-P kkkkkk

Bom, Copa do Mundo a parte... foi muito legal + uma vez assistir (e torcer) ao Eurovision em tão boa companhia! Momentos q ficarão pra sempre na memória :-)

Beijos
Dri disse…
Oi Sô,

Você já sabe da minha queda pela França. Com esta música, então, ficou difícil não torcer também por eles...

Allez, allez, le bleu!

Bisous
Somnia Carvalho disse…
Hej Jo,

e muito bom cair nos acasmos do youtube ou spotify de vez em quando nao???

eu preciso ver os romenos, nao me lembro deles!
Somnia Carvalho disse…
Celia e Dri,

vamo fazer como a Xu falou: a gente canta e danca o hino deles, empresta mas torce pro brasil!

chupinha sem virar a casaca
Somnia Carvalho disse…
Muié!

eu vou adotar sua versao pollyana de que ele ta com a camisa do brasil! rs...

imagina os franceses deixarem o cara cantar o allez com nossa camisa! haha...

entao ta!!! eu NONNN vou torcer pra franca! MAS VOU DANCAR A MUSICA DELES NOS NOSSOS ENCONTROS DA COPA POR AQUI!!! vc tambem ne?

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem