Pular para o conteúdo principal

Delícia é encontrar raparigas aralanjadas como nós

("Fertilidade", Somnia Carvalho, 2006, pertencente à amiga Vanessa Pinto)

Antes de me decidir engravidar pela primeira vez eu vivia entre a dúvida cruel de terminar o doutorado, dar minhas aulas e "parar tudo" para ter um filho, porque na minha cabeça as duas coisas pareciam mesmo não muito conciliadoras. Me dedicando a um eu não faria direito o outro e vice-versa.

Aquele meu pensamento tinha obviamente um fundo de verdade. Não é possível mesmo fazer tudo que se fazia antes de ter filhos ao mesmo tempo que se tenta cuidar bem deles. É preciso priorizar uma coisa ou outra. Ao contrário, porém, do que eu esperava da gravidez e daquela fase que eu imaginava meio que levar literalmente empurrando com a barriga consegui me sentir ativa, cheia de energia e criatividade.

E com o segundo barrigão não tem sido diferente.

Hoje comecei o dia lavando as muitas janelas de vidro de casa, limpei, arrumei, organizei a casa, cozinhei etc. Algumas atividades que normalmente eu tentaria empurrar com a barriga se não estivesse grávida eu não passo adiante. Faço tudo! E ainda ando de bike pela cidade (aqui é comum grávida andar de bike até estar gigante), vou daqui pra lá, de lá pra cá e a cabeça não pára de ter idéias.

Pintei mais quadros nas últimas semanas do que em três anos de Suécia. Me sinto simplesmente assim cheia de energia, quase o tempo todo!


("A Imperatriz", imagem da personagem mitológica que me inspirou a pintar a tela acima e a engravidar do Ângelo)

Na gravidez do Ângelo escrevi mais capítulos de minha tese do que havia escrito em meses e meses, mudei 3 vezes para casas diferentes, pintei o quarto dele inteiro sozinha aos 7 meses e meio. Eu mesma me surpreendia com a qualidade dos raciocínios, a beleza de algumas construções de frases escritas por mim na tese e a teia de significados que eu era capaz de criar.

Este estar, literalmente, tão cheia de vida para mim é um negócio meio mágico, embora normalmente eu não seja alguém sem vida. É uma energia que ao mesmo tempo parece vir "do nada", te conecta ao mundo todo e faz você entender que é parte do Universo como aquele bichinho ali, aquele outro lá.

Gerar a vida e sentir uma crescer em você é simples e intenso demais. A gente sente que pode mover o mundo e algumas montanhas, cruzar o deserto num burrinho ou atravessar nove porteiras...

("Duet", a bailarina Lexie em dueto com..., in: Vimeo, música: Beirut)

A mesma energia que move a bailarina deste vídeo, o qual vi tive conhecimento através do "Raparigas como nós", de algumas criativas e cheias de vida artistas brasileiras, cujo projeto Loja de Estar, conheci através de outra mulher, blogueira toda intensa, a americana Holly Becker.

Vendo o vídeo reconheço a leveza e a técnica da bailarinha, mas vocês podem rir do que vou dizer: eu mesma poderia ser a personagem de "Duet". Se não com a mesma beleza e técnica com certeza com a mesma alegria quase sem explicação que acomete tantas das mulheres grávidas, como eu.

Ou como algumas de vocês...

Isso é coisa só de grávida artista ou o bicho carpinteiro pega mesmo todas nós quando estamos "embarazadas?

...

Ah! Energia e cor laranja da postagem gloríssima da semana tem tudo a ver, mas embora eu tenha tentado ardentemente ontem, pintando uma tela e deixando outro no meio, eu não gostei nada do resultado... De modosque ainda estou trabalhando nisso...

Ahhh2! Curiosidade que só entrei no site "Loja de estar" porque a propaganda delas eram um campo de papoulas lindíssimas na cor muuuito laranja...

Comentários

Lu Souza Brito disse…
Oi Somnia,

Mais uma vez, surpreendente sua tela. Muito linda mesmo.

E quanto as sensações e dúvidas do período de gravidez, deve mesmo ser unanime né (as dúvidas pelo menos), mas este seu post me encorajou mais. Não quer dizer que preciso "parar de viver" porque estou esperando um filho, pelo contrário.

Vou agora assistir o video.
beijoos
Somníssima! Adorei seu post sobre a nergia das gravidas...eu tive duas gestações e em cada uma me senti diferente...na da minha filha que é cheia de energia como eu....com um barrigão de 9 meses, senti a primeira contração dentro do Shopping Rio Sul comprando lembrancinhas parar a maternidade...e continuei lá...só vim pra casa pq meu maridon e irmã ficaram apavorados....já do meu filho, fiquei lerda, não queria fazer nada...e ele é assim, calmo, zen e lerdinho..hehe...enasceu um bezerro de mais de 4 kg! Vai ver era isso...eu estava uma verdadeira ruminante de tão gorda....hehe.beijão adorei seu post!
Ana Flavia disse…
Que graca e vivacidade da bailarina! LIndo. Eu acho que essa super energia acomete todas as grávidas. MInhas duas irmas assim o ficavam com as barrigonas. MInha irma mais nova faxinou pesadamente a casa inteira num fim de tarde e duas horas depois entrou em trabalho de parto, que correu super tranquilo. Durante a gravidez, ela foi a mais festas do que em qualquer outra epoca ( e a bebe nasceu espuleta e cheia de paixao por musica e danca)!

Bjos
Celia disse…
Seus quadros sao maravilhosos. Estou encantada. Eu nao tenha a experiencia da energia de grávida, pq nunca engravidei, embora nos tenhamos uma filha de 18 anos.
Acredito no entento, que, se sentindo bem, a barriga nao deve atrapalhar em nada. Um abraco.
Beth/Lilás disse…
Dona brabuleat!
Pensei que a bailarina fosse você!
E não é que parece!!!
Acho que você é super ativa, elétrica e este bebê nascerá facinho, de parto natural, com certeza.
beijos cariocas alaranjados
Anônimo disse…
Olá Somnia,

Seus quadros estao realmente lindos...sempre tive vontade de pintar mas nunca tive coragem de enfiar a cara e fazer um curso.Mas quem sabe futuramente,né!? Eu acho que pintar relaxa tanto,além de ser uma forma de vc expressar os sentimentos tb.
O pouco que eu conheço de vc pelo blog,eu tenho absoluta certeza q vc teria a mesma energia dessa bailarina...me bateu até vontade de ter um baby...rsrs(antes eu tenho q encontrar um bom pai pra ele...kkk).

Beijim!!
Josy disse…
Visito o seu blog já faz algum tempo e gosto muito!
Aproveite bastante o período de gravidez,acho que deve ser uma fase linda!!!
Posso fazer uma sugestão de um post?Será que você poderia escrever um pouco sobre como os suecos vêem a religião,estou bastante curiosa sobre o assunto.
Abraços

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem