Pular para o conteúdo principal

Do lixo ao luxo, parte 3: a história de uma cadeira esquecida


Há algum tempo tenho tido um siricutico danado por pegar peças do lixo ou objetos usados e antigos e tentar transformá-los. E isso começou mais propriamente com a história de uma cadeira, mais de um ano atrás, o que também me inspirou a escrever a sessão "Do lixo ao luxo" e também outros posts acerca do cuidado com o meio ambiente.

Eu queria muito dar nova vida e novo lar a algo já usado e esquecido por alguém, por essa razão havia sugerido à amiga Xu (que tem uma mala linda do seu avô em sua sala moderna) o empreendimento. Tendo ela topado, compramos primeiro um tecido que ela gostasse de ter em casa, numa cadeira, em uma das lojas de departamento daqui, a Ahléns.

Estacionamos num sábado qualquer num dos Second-hand (loja de segunda mão) de uma cidadezinha ao lado de Malmö, a fim de achar uma cadeira velha, surrada, mas com condição de ser transformada.

Logo de cara bati o olho nessa cadeirinha aí. De madeira excelente, tinha uns formatos interessantes, embora o tecido estivesse maltrapilho e nojento. A cor dele e da madeira desbotada, mas vi tanto potencial naquele móvel que contaminei Xu logo de cara.

Pagamos o equivalente a uns 17 reais nela.


A primeira etapa da transfomação, propriamente dita, foi lixar toda a madeira, e limpá-la para a pintura.


A segunda foi aplicar a tinta especial para madeira, encontrada aqui na loja Panduro. Escolhi cores que faziam um bom casamento com o tecido comprado.



Tentei dar realce às formas da cadeira, descobrindo suas formas originais, valorizando o desenho que um dia alguém pensou para ela... Descobri que sua forma lembrava a copa de uma flor. Tentei várias e várias cores diferentes.


Testamos qual deles iam melhor com as flores do tecido...

Acabei voltando a este projeto apenas nos últimos meses quando finalmente retirei o tecido antigo do assento, os pregos enferrujados, as espumas cheias de poeira. Limpei tudo, colei e costurei o tecido novo.

Mudei mais umas vezes algumas cores e cheguei à combinação desejada.

O resultado ficou assim...

(Mademoseille Flaviá, por Somnia Carvalho, 2010)

Da poeira da loja de segunda mão, amontoada entre dezenas de outras companheiras, a cadeira esquecida agora vive no apartamento colorido, jovem, cheio de energia do par romântico Xu e do Gus.

E a missão foi cumprida, a história da cadeira mudada e nosso olhar também...

Comentários

Beth/Lilás disse…
Soninha!
Meldels, que coisa linda!
Só mesmo uma grande artista como você para visualizar tudo isto desde o início. Parabéns!
E o mais legal de tudo é o reaproveitamento das coisas.
As cores ficaram perfeitas e harmoniosas e a perspicácia de observar as formas da cadeira, seus recortes, fizeram com que você reunisse a madeira e o tecido numa conjugação perfeita.
Seus amigos terão uma peça que para sempre terá você aí por perto.
E quem diria, faz tudo isso com a panela no fogo apitando!!! hehe
beijãozão carioca
Mariel Stüpp disse…
Linda!!
Eu gostei das outras transformacões, mas essa deu vontade de trazer pra casa na hora! rsrs Verdade!
Ah, que vontade de ter já um apartamento pra poder garimpar e decorar!
Beijos!
Lúcia Soares disse…
Linda, Sônia. Adorei a combinação de cores. O tecido é maravilhoso.
Deve dar um prazer enorme ver uma obra pronta, não é?
O preço da cadeira foi excelente. Aqui ela custaria no mínimo uns 80,00, pode crer! As pessoas são sem noção nos "topa tudo" que temos aqui. Imagina que até o nome é feio! E se algum antiquário a pegasse, apenas trocaria o forro e ela seria vendida por bem mais de 100,00. Acredite ou não !
Bj
Xu disse…
Well well, eu sou a pessoa mais suspeita pra falar da tal cadeira... afinal de contas, ela está lá, linda e poderosa, enfeitando minha sala! :-)
Como vc mesma dissa, muié, abracei a causa no ato... como tantas outras propostas sugeridas por vc.
A transformacão ficou simplesmente espetacular! Valeu esperar cada dia (ou mês...rs) pra vê-la prontinha.
Mais uma vez, OBRIGADÃO!!!!

bjos

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem