Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2012

"Uma música, mil lembranças": "Até mais ver!", por Daniela Barbagli

("Até mais ver", Trio Virgulino) Gente, minha gente querida, nosso adorável concursinho ,  "Uma música, mil lembranças",  chegou ao fim! Recebi ainda ontem o último texto participante, mas como dei aulas o dia todo só hoje pude lê-lo e publicá-lo. Queria aproveitar para agradecer sinceramente todas vocês que participaram, se empolgaram e se deixaram levar por suas lembranças mais genuínas! Foram momentos deliciosos esses de viver com vocês as suas memórias! Demais mesmo! Amanhã publico um quadro com os nomes dos participantes e seus respectivos textos e dou início à votação. Também publicarei a tela a qual as moçoilas participantes estarão concorrendo. Fiz especialmente pro concurso e espero que gostem! Bom, mas o melhor é que ainda temos um último texto e última música! Eu já conheço a Dani há um bom tempo (ela é amiga e colega de trabalho da Dri e do Ricardo ) e vocês recentemente. É dela aquelas mãos que seguravam o neném na super foto que coloquei

"Saga"

(Saga XVIII, Foto:  Inka Lindergård and Niclas Holmström, SP Arte 2012, obra à venda)  Este foi o primeiro ano (de muitos que virão!) que fui vivistar a SP Arte . Esta é a maior feira de Arte do Brasil e reúne galerias do país e do exterior. Aos poucos, vou trazer aqui as obras que mais me impactaram e, porque não, começar justamente com uma artista sueca. Esta foto aí acima, intitulada "Saga", está entre minhas obras preferidas do evento. Há uma infinidade de coisas que amo nesta obra: o azul , tão azul, tão cristalino em constraste com esses outros tantos tons diferentes de azul. O mar plano , a linha do horizonte indicando que ali não é o fim, mas só o começo e ali por trás existe tanta coisa ainda para ser descoberta.  A "escultura", não sei se casual ou não, parece um portal esquecido, uma janela aberta, frágil. Ao mesmo tempo não consigo deixar de pensar na perfeição do mar e no lixo das praias, sinal do desdém dos humanos pela natureza.

"Uma música, mil lembranças": "Os verdes anos da minha infância", por Irene Cechetti

("Os verdes campos da minha terra", Agnaldo Timóteo) Nosso concurso (" Uma música, mil lembranças" ) está quase chegando ao fim, mas ainda há tempo para que você envie sua história e sua música. Eu mesma penso todos os dias em uma nova música cheia de mil lembranças sobre a qual eu escreveria para concorrer, mas acho que não tem graça eu concorrer num concurso meu para tentar ganhar uma tela minha. Tem? A sensação é que eu poderia falar sobre minha vida toda a partir de músicas. Sinto minha vida como uma imensa trilha sonora . Vocês não sentem o mesmo? Estão com medo de participar? Não sintam! Inspirem-se no exemplo de mulheres como Irene! A Irene (cujo sobrenome e os diversos posts onde foi tema já devem sugerir alguma coisa) me disse que, apesar de não ser nem um pouco fã de Agnaldo Timóteo, esta música e as lembranças que dela advém, não saíram da cabeça dela, enquanto pensava um texto para o concurso. Só para que conste: eu adoro! É brega! É hor-rív

Grieg no metrô: coisas legais dos tempos modernos

Era para ser uma viagem como muitas outras quaisquer no dia daqueles dinamarqueses. Um metrô, o ir e vir. O chegar e partir. Eis que, entretanto, o inesperado toma todos de surpresa. Música no metrô? Para mim? Para você? E tanta gente ficou tocada. O dia provavelmente fora outro e a vida um pouco mais leve e alegre. A Daniela , nossa velha e querida amiga daqui do Borboleta, partilhou este vídeo em seu Facebook (ainda bem que há quem saiba usar bem as redes sociais!). Trata-se de uma propaganda de uma rádio de música classica, de Copenhaguem, em parceria com o metrô de lá. A música "Peer Gynt" é do compositor norueguês Edvard Grieg e os músicos são locais. Num momento assim imagino a música como um remédio, oferecida pelo médico chamado músico, capaz de curar dores e acalmar os ânimos. Lindo! Lindo! Vale a pena embarcar nesta viagem também!

Lolíssima ao vivo!: amanhã, na Livraria da Vila Madalena!

Oi pra todo mundo que ainda não jogou a toalha de cansaço neste fim de domingão e continua aí firme e forme em frente ao computer! Só para te contar algo que fiquei sabendo só agora pouco: amanhã, a Lolíssima  (a quem eu me dou o direito de chamar de "amiga", ainda que por enquanto tenha sido só virtual), autora de um dos blogs mais movimentados, críticos e cheios de comentários do momento e quem eu já acompanho há um bom tempo, estará ao vivo e a cores aqui pertinho de casa, na Livraria da Vila. O motivo? Ela estará lançando seu livro sobre crônicas de cinema escritas no " Escreva Lola Escreva ". Eu trabalho o dia inteirinho e tenho que ficar com as crianças pro marido ir na festa de aniversário da tia Dri, mas eu vou Lola, eu vou dar um jeito de passar lá bem cedinho, pegar minha amostra do livro, ganhar um autógrafo e te dar a-que-le abraço que tenho segurado há vários anos já desde que leio seu bloguinho. Quem aí vai me fazer companhia? Quem,

"Uma música, mil lembranças": "Já sei namorar!", por Beth Lilás

("Já sei namorar", Tribalistas) As " afinidades eletivas " que nos conectam às pessoas já foram tema deste blog mais de uma vez e hoje voltei a pensar nisso ao reler este post da Super Lilás. Quem me conhece provavelmente já passou pelo pedaço da Beth Lilás e seu Mãe Gaia  e também deve ter lido aqui " A história de Beth Q ." e sobre o amor dela pela sua mãe , no nosso primeiro concurso. Já deve saber que aura boa tem essa mulher que sempre topa tudo de tão bom grado! De quem a gente parece até ouvir os risos engraçados dela só de ler o que ela escreve. Esta história não deixa pra menos! A Lilás me fez rir muito, vivenciar com ela os dois momentos descritos por ela e imaginá-la como aquelas meninas de quem eu adoraria ter sido amiga quando adolescente e jovenzinha! Depois de rolar um xororô com as histórias do Ricardo , da  Ingrid , Maria Helena  e Nina , agora é a vez da nossa mocinha carioca arrancar da gente muita risada! Obrigada Lilasona

"Music... and me": Extra! Extra! Concurso Prorrogado!

("Music and me", Michael Jackson) Personas mui queridas, Eu sou bem xiita com prazos, mas "me fui traída por mim mesma", bella! O fato é que não tenho dado muita conta de publicar rapidamente os textos que me chegam para o concurso (na verdade, não tenho dado conta de minha vida atarefada) e acabei, eu mesma, estrapolando o prazo do nosso " Uma música, mil lembranças ". Fui publicar hoje um recebido da semana retrasada e vi que o prazo já era! Demodosquê: estou estentendo o concurso até o fim de maio, precisamente dia 31. Até lá, espero!, quem tem me dito que quer muito participar, mas ainda não conseguiu escrever possa também fazê-lo! Lembre-se de que o importante é você deixar vir à mente uma música que lhe cause muitas lembranças e passar estas para o papel e nos mandar! Quanto mais genuína for a história, mas ela tem poder de tocar quem lê! Quanto mais a música tomar você e trazer lembranças de sua história, melhor! Só a música... e você!

Porque eu continuo sendo mãe depois do Dia das Mães!

("Colo de mãe", foto de Adriana Cechetti ) Com a super-mega-terrível correria da semana passada e do fim de semana eu não consegui publicar, a tempo do dia oficial das mães, esta foto linda maravilhosa com a qual a Dri (@dricechetti) ganhou o 3o lugar num concurso do Instagram para a mesma ocasião. Entretanto, para que tanta pressa se, hoje, você e eu continuamos a ser mães como no domingo que passou? Sempre é dia de refletir, de agradecer, de viver o grande milagre de sermos filhos e filhas e, para outros, o de ser mães. Vai aqui a foto com uma edição mais curta que fiz de um texto meu... A diferença para este ano é que tenho dividido a semana entre o trabalho e as crianças. O resto, tenho a impressão, continua igualzinho... Parabéns para você que consegue reconhecer o valor de sua mãe e dedicar-lhe o amor desejado! E parabéns por ser mãe e dedicar tanto amor esperado! ... "(...) Quando se é mãe (e também pai) não há descanso. Não há férias dos filho

A ponte de Munch e a garota que se recusa a olhar o curso do rio

(Tentando ser a "Menina na Ponte", eu e Munch no Kunsthalle, Hamburgo, agosto de 2009)  " A Garota na Ponte " , 1902, sempre esteve entre as obras de Edvard Munch das quais eu mais gostei. Ao contrário de tantos outros, de atmosfera  escura, às vezes angustiante, em outras dramática e até incrivelmente triste, este quadro está entre os mais coloridos do artista. O verde do vestido de uma menina contrastando com o vermelho da outra, o azul do rio ao fundo do chapéu e o cabelo amarelo da menina... A obra segue a tendência de outras obras do mesmo período de Munch: além do contraste de cores há o movimento numa pincelada quase contínua. A pintura é fluida, o tema quase escorrega, se decompõe. A pincelada parece líquida. O quadro está vivo, os sentimentos nele contidos movimentam-se para além da tela. Como todas as obras do norueguês esta é extremamente simbólica mas, diferentemente do famoso " Grito ", não é o desespero, o medo, a depressão angust

"Uma música, mil lembranças": "A história de amor entre Pingo e Laura", por Nina Sena

("Com minha mãe estarei") Acordei hoje cantarolando (again!) a música da Helena , aquela danada! Aliás, ontem, quando um aluno fofo me perguntou ao fim da aula como deveria escrever seu texto e eu mostrei rapidamente o primeiro parágrafo da "The Story" da Helena ele encheu os olhos de lágrima e disse: "ai que lindo!"... E então me lembrei da trilha sonora do amor do Ricks e Paulo e do ABBA amado pela Ingrid! Caramba!, pensei, como este concurso me pega! Como estas histórias entram para a minha história! Eu assumo a vida delas como sendo o clipe para estas canções! Foi quando, preparando, o texto de hoje eu de novo fui pega por mais uma porção de lembranças: as da Nina Sena. A Nina é muito artista, embora seja engenheira florestal por formação! Costumava elaborar, lá da Alemanha onde vive com marido e três amadas crianças, lindos  desenhos para histórias enviadas a um de seus blogs. Em outro, " Entre mãe e filha ", ela escreve mui

"Uma música, mil lembranças": "The Story", por Maria Helena Freitas

(Brandie Carlile, "The story") Quinta-feira, friozinho na cidade de São Paulo, e estou aqui emocionadésima, embrulhada em lágrimas. Um contentamento tão grande me toma por poder conhecer histórias como esta que publico hoje e lhe convido a ler (please!) ouvindo a música que a inspira. Depois das lembranças sedutoras do Ricardinho Perez e da ternura da Ingrid , apresento o terceiro texto para nosso concurso " Uma música, mil lembranças ", agora é a vez da Maria Helena Freitas, cuja história e excelente blog (" Uma caipira na Suécia ") meio que dispensa muitas apresentações. De sua história ar-re-pi-an-temente linda (ai que lindo Maria Helena!) com uma trilha sonora para ninguém neste mundo botar defeito esta moça do Paraná, quem de caipira não tem nada, moradora também da minha Suécia querida veio para arrebentar nesta manhã e fazer o meu dia, e tenho certeza de que o seu também, muito mais bonito! Obrigada e que sua história continue recheada de