Pular para o conteúdo principal

Amizades nada virtuais: Sonildes e Camilitas: a Noruega, a Suécia, o Brasil no mesmo jardim


(Os opostos se atraem, Lars norueguês, quietinho e discreto com sua Camila falante e toda brasileria, Malmö, 2010)

Este fim de semana rolou churrasco com direito a um solzão lindo em frente de casa e 20 graus no termômetro.

Não fosse eu explicar para meus amigos daqui como conheci senhorita Camilíssima, nossa amizade passaria por uma outra qualquer.

Conheci Camilitas através de nossos blogs. Não me lembro quem descobriu quem primeiro. Foram trocas de comentários e muitas idéias em partilhadas. Adorei logo seu jeitão direto de falar, suas falas super críticas e o conteúdo de vida que trazia através de tanta jornada pelo mundão afora dentro de um navio gigante.

Fui ficando íntima, desse jeito que a gente é íntimo pela internet... Celebrei com ela seu casamento e sua alegria ao encontrar A-ha e chorei as lágrimas da perda de seu pai aqui de longe... Trocamos alguns emails e desejamos um encontro...


(As amigas de centenas de posts papeando e comendo juntas, repare no detalhe do Torso ao fundo e nas minhas havaianas nos pés da convidada íntima, Lars, Babak, eu e Camilitas, Malmö, 2010)

E, aqui entre meus amigos muito reais, Camilíssima e seu Lars aniversariante estavam com a gente no último sábado.. Quando a amiga Xu perguntou-me: "E então foi estranha a sensação de conhecer alguém que você só conhecia assim virtualmente?" E eu: "hãnn? Ah! Verdade! A gente não se conhecia pessoalmente! Não! pra mim é como se a gente se conhecesse há séculos!"

E essa é a mais pura verdade!

A Camila com quem aprendi a pensar muito mais sobre o meio ambiente neste ano que passou é apaixonada pelo seu norueguês e pelas coisas... Ela é o que ela disse sobre mim: "ela é ela mesma!"...

Uma de suas frases (em inglês porque tinha gente de outras nacionalidades aqui em casa) foi: "Você sai de Copenhaguem que é aquela agitação toda, tanta coisa bonita para ver, cruza a ponte, chega em Malmo e aí esta cidade é simplesmente adorável de se estar!"...

Tá vendo!? Tudo o que eu venho dizendo há três anos uma pessoa esperta e sensível resumiu em uma frase... Eu e Camilitas temos tudo a ver! E vou me despedir dela daqui há pouco no centrinho de Malmoeee para um café especial!

Até agora não falamos de blog, nem de internet, nem nada! E eu nem mesmo me lembrei de tirar uma foto só eu e ela juntas aqui em casa, creditam? Isso porque eu devo ter mesmo sentido que ela é amiga véia e daí que não tenho foto com ela pra postar pra vocês!

Beijão! E no café com Camilitas agora eu vou pensar em todos vocês que eu adoraria desvirtualizar! Ótima segunda-feira!

Comentários

Anônimo disse…
Pensa em mim, pensa em mim! rsrs
Aproveitem bem a companhia uma da outra. Eu também sigo o blog dela, mas há bem menos tempo do que tu.
Acho que amizade é amizade independente de onde comece. A gente sente a ligacão e se identifica com cada frase escrita. Talvez demore mais pra se compreender inteiramente, mas depois disso a gente sabe onde stá pisando, né? ;)
Boa semana pra vocês, nesse calorzinho e sacada deliciosa que vocês tem!
Beth/Lilás disse…
Uau, que calorão! kkkk
E a Camilitas não deu o beijo que eu mandei nas suas bochechas!?
Mundo incrível esse que nos uniu pelas palavras! Fizemos tantos contatos nestes últimos anos que parece mesmo que nos conhecemos pessoalmente, por isso a 'materialização' não parece assim tão importante, pois já nos conhecemos mais, muito mais ainda.
Linda a Camilinha e seu maridex.
E você, toda prosa de anfitriã.
Aproveitem bem estes dias ensolarados por aí.
beijos grandes
Maariah disse…
Já fui lá no blog da Camila, onde nunca comento (shame on me ...) dizer que tinha ficado muito feliz. Somnia, a sério, vi no blog que a Camila iria a Copenhaga e de imediato pensei em ti. Quando vi agora o post fiquei tão feliz que parecia que era comigo.

Abraço.
Camila Hareide disse…
Oiê! Cheguei em casa agorinha e só então vi seu post... Ainda não tive nem tempo de subir as fotos, mas ponho logo uma fota nossa lá pro povo ver...

Foi realmente ótemo, Lars adorou tudinho, ficou feliz aprendendo de churras com o maridón, tomando caipirinha e fingindo que entende portuga!

Ontem fizemos um bar-hopping em Copenhagen, não teve jeito. Mas foi bom. Melhor ainda é chegar em casa, ainda mais sabendo que ganhamos amigos pra vida!

Nem tenho como te agradecer pelas palavras, pelo gesto do churrasco e até a torta linda do Renato... Me sinto igual... Mas ainda vou escrever minha parte, entre abrir mala, lavar roupa, aula de auto-escola e selviço.

Muitos beijos e já saudade!

Camilita e Lars

PS - se cê achou o Lars tímido dessa vez, affff. Ele tava descontraidão! No melhor estilo interior da Noruega!

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel