Pular para o conteúdo principal

"Marina, Marina, Marina..."


(Eu, feliz e literalmente de pernas pro ar (não vai pensar mal de mim!) Ales Stenar, Kåseberga, verão, 2009)



Há várias semanas, movidas pela energia da Glorinha, a gente decidiu falar, pensar e escrever sobre as cores. E viajando nelas a gente descobriu uma energia diferente vindo de cada uma e, nessa última postagem, a "Pintora Imaginária" nos pergunta sobre nossa cor preferida.

Eu não posso falar de cor preferida, mas sei falar do quanto a cor está em minha vida: nas paredes de minha casa, nos meus quadros, nas roupas, na comida, em todo canto...

E é exatamente pela força que a cor exerce em mim, o modo como ela pode me tirar de um estado de ânimo e pôr em outro que preciso falar do azul...

Estou há três anos nessa Suécia eu já tinha dito aqui que o amarelo sempre vai me lembrar este lugar, para sempre!, mas não mais que o azul... Há três anos vivendo aqui minha sensação é que nem as nossas praias brasileiras são mais azuladas, contrariando o poema...

Não sei se a perda da cor por 6 meses ou mais me faz delirar com o azul que vejo por aqui, mas é assim que tenho me sentido... Fora isso, ter vindo viver em frente ao mar, há um ano, tem me feito ficar praticamente hipnotizada pelas várias tonalidades que o mar assume aqui, por conta da posição do sol e da retidão do terreno... O céu e o mar, totalmente azuis, nunca são do mesmo tom... nunca se confundem e fazem um casamento perfeito...

Foi olhando para o mar, foi desejando não esquecer nunca esta vista do mar imensamente azul e esta sensação de plenitude que ele me passa que decidi ser mãe de novo, junto com o Renato. Foi olhando para o mar que senti os enjôos, passei horas imaginando a criatura que estaria em meu ventre... E foi olhando para este mesmo mar que o nome Marina me veio à mente...

E foram estes os mesmos motivos para que a decisão fosse tomada a dois...

Estou totalmente enamorada de Marina... do azul... dessa paz que invade a gente quando se tem em frente tanta água...

Marina significa a que pertence ao mar, a que veio do mar ou a que nasceu do mar... No caso da nossa Marina, a que foi gerada, a que nasceu entre os mares da Suécia e do Brasil...

Marina azul, o mesmo azul (e não rosa) da primeira roupinha que comprei assim que soube que esperava uma menina...

E é com essa cor que quero ficar, encerrar a prazerosa participação, ainda que não tão frequente, na blogagem da amiga pintora virtual e dizer: "Valeu Glorinha!"



(Brincando nos campos de futebol em frente de casa e admirando o Torso e as manifestações da Primavera, Malmö, primavera de 2010)


(O azul contrastando com o branco da neve, Malmö, fevereiro de 2010)

(O porto, as marinas e o mar azul de outra cidade sueca inspiradora, Göteborg, 2008)


(Ângelo em passeio com a mãe pela praia num fim de dia qualquer da primavera de 2009, Malmö,)


(A imensa ponte que liga Malmö e Copenhaguem e a vista que a gente nunca mais vai esquecer... Malmö, primavera de 2009)



(Cruzando uma das inúmeras pontes da Dinamarca, em direção à Legolândia, primavera de 2008)


(Os "moinhos" modernos, produtores de energia eólica que têm me deixado se ar há três anos, caminho para Berlin, primavera de 2008)

Comentários

Beth/Lilás disse…
Óia, que texto bonito, inspirado por este azul maravilhoso!
Faço idéia como vocês não sonharam coisas aí diante desta plenitude.
Os sonhos foram tão amplos e azuis que deles originou-se a Marina que ganha formas e um dia cor junto a vocês aqui neste Brasil pra lá de colorido.
beijão carioca
Oi Minha Fofa e Linda amiga e pintora verdadeira! Eu, daqui de longe com meus pincéis imaginários, já antevejo a sua Marina cujo amor de seus pais a gerou influenciados pelo azul e pelo mar...Marina em cujo nome se lê mar, amar, rima...Marina menina, o presente que o mar da Suécia trouxe numa concha para uma borboletinha que além de pintora, é também poeta...
Beijos minha linda, obrigada pela sua participação maravilhosa!
Myrna disse…
Ai...nem sei oque dizer...você sempre me deixando com lágrimas nos olhos mal posso ver meu teclado...não vejo a hora de ver você depois de tantos anos...conhecer Angelo...em outubro vamos para Campinas, ficaremos dias...quero muito ver vocês e dar um abraço enorme em você que me inspira e emociona a cada dia!
Saudades e um grande beijo em todos vocês!
My
Ivana disse…
Borboleta, como faço pra seguir seu blog? Gosto tanto daqui, mas ainda não achei esta ferramenta.
Beijinhos.
Mari disse…
Lindo nome, Somnia. Sempre adorei Marina: acho um nome delicado e ao mesmo tempo forte. Sempre brinquei com minha mãe porque ela tinha colocado uma sílaba a mais no meu nome (um le, rs).

bjs
Marilena

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel