Pular para o conteúdo principal

Alma sueca x alma brasileira e alma portuguesa...

(Eu, a brasileira, Kerstin e Helena, as suecas e Xu, a brasileira-portuguesa, orgulhosas das nossas guirlandas de Natal, no curso de decoração de Natal que fizemos juntas, Malmö, dezembro de 2009)


Na noite de sábado passado, assisti a primeira parte do Melodiefestivalen de 2010, na casa de uma amiga sueca, a Helena. Com nós estava lá também a Kerstin.

Rimos, cantamos, torcemos, falamos da voz, do cabelo e da roupa dos cantores. Erramos nos preferidos que irão concorrer com os melhores da Suécia em Estocolmo e depois irá representar a Suécia no Eurovision. Estava tudo muito engraçado, patati patatá e o papo acabou no que a Kerstin, a simpática, sorridente e solteira sueca, havia feito naquela manhã de sábado com zero grau no termômetro.

Será que algum de vocês seria capaz de adivinhar? Hummmm... Tentem...

Kerstin narrou animada que havia ido à sauna, uma que fica aqui na praia onde moramos e que é bem popular no verão também. Até aí, normal, não?

Daí que então o ritual da amiga na sauna (que eu até sabia como era no verão) incluiu sair do meio da fumaça muuito quente e pular direto na água do mar. Sim! Na água do mar... E, detalhe: peladona!

Eu ri e disse: "Há há há.. até parece! pelada!"... E elas: "Sim, Sônia, é verdade..."

Foi quando eu então expliquei que isso teria que ser assunto num post meu, entendem? Elas me questionaram o porquê e eu dei detalhes de como isso soaria só como coisa de "sueco maluco" para vocês. Hábitos estranhos de gente esquisita! Elas riram e a Kerstin disse que achava super legal se eu contasse então...

Conversa de pelada vai, conversa de pelada vem e comecei com minha teoria de como as pessoas dos países quentes parecem ser mais suscetíveis a dores do que as de países frios. Em minha teoria eu tive mais dor de parto do que minhas amigas suecas, porque elas são acostumadas a sofrer (vide o episódio da sauna) as condições do clima no corpo, por exemplo, do que nós brasileiras e latinas. Eu deduzi isso depois de viver 3 anos aqui e eu ser a única (entre as suecas, of course!) a reclamar mooooito das dores do parto.

A Helena respondeu que não concordava. Na teoria dela a diferença é que nós, latinas no que tange ao que sentimos, somos mais autorizadas a revelar nossas emoções. As suecas, ao contrário, não. Delas é cobrado que sejam fortes, que dêem conta de tudo sozinhas, que carreguem os mesmos fardos que os homens. Elas precisam mostrar-se forte, independentes e capazes de sofrer o que for, sem reclamar. Isso, creio eu, por conta de que há mesmo isso de "a diferença do sexo não nos diferencia em nossas capacidades...

Ela disse que mesmo quando expressa o que sente as pessoas não dão bola, incluindo quando fala de uma dor de cabeça, por exemplo. E aí eu emendei... De fato, a gente fala da dor, do que sente de um jeito único. Enquanto ela diria: "Hoje estou com muita dor de cabeça, ponto final."... Eu diria: "Hoje eu estou com uma te-rrí-vel dor de cabeça que vai da nuca até a testa e que está quase me ENLOUQUECENDO, com ponto de exclamação".

Rimos juntas e meio que concordamos que talvez tenha mesmo a ver com a forma de expressão, mais do que a forma como sentimos.





Fato é que hoje de manhã, fuçando num blog que eu gosto muito e do qual estava com saudade, do Luiz Coutinho, um português meio poeta, discreto e que normalmente não responde comentários, quando ouvi uma música maravilhosa de outro português, Rodrigo Leão. "Vida estranha", na voz apaixonante da portuguesa Évora me deixou sem fôlego de tão profunda.

Apesar de, nesse momento, eu não ter me identificado com a tristeza da letra eu a compreendi profundamente. É assim que me sinto em alguns dias. E então me lembrei dessa discussão com as amigas suecas e de como nós, brasileiros, portugueses, latinos, no geral, conseguimos pôr pra fora o que sentimos e pensamos de uma maneira tão cheia de emoção. A música é poética, mas ela fala de dor, de uma dor do vazio... E como dizer isso se não for com poesia e muuuita emoção?

Acho que é esse jeito de expressar que me faz ter até hoje, sempre em algum canto diferente da casa, um livrinho de poemas do Fernando Pessoa, presente de uma amiga adorada portuguesa*, com quem perdi contato já há alguns anos e que vivo a folhear... Ontem mesmo eu folheava um dos poemas novamente...

Do que é, então, feita a alma brasileira e alma portuguesa?
Creio que de muitos sentimentos e de força de expressão...
E a alma sueca? De sentimentos e discrição...

...


* Se você quiser me ajudar nessa procura desesperada: minha amiga, Irene Carvalho, ex-freira carmelita, viveu no Brasil alguns anos, onde nos conhecemos, estudamos juntas e trabalhamos juntas na comunidade. Depois que abandonou o hábito nos encontramos em Paris e perdemos contato. É enfermeira e sua família vive numa aldeia em Braga... Ela me ligou algumas vezes no Brasil, mas nunca mais consegui o telefone dela... Como tenho tantos leitores da terra querida, vai que algum de vocês sabe um email da Irene ou algo assim... obrigada! :=)

Comentários

Ju Moreira disse…
Engraçado que postamos sobre o Melodifestivalen no mesmo dia! :) Isso sempre nos acontece, já percebeu? hehehe

O mais engraçado é que conversando com algumas pessoas este final de semana, me falaram desta atividade da sauna para a água e me disseram ser bem refrescante, que não doi e por demais relaxante. E euzinha claaaaaaro q vou fazer, o q tu acha?! ehhehe

Sim, acho q vou te conhecer, ou melhor, desvirtualizar, em breve! Aguarde noticias... ehehhe

xeroca
Ju
Beth/Lilás disse…
Ah, nós somos tais quais nossos descobridores, meio trágicos só que cômicos. Os portugas são mais tristes e com tendências à depressão até, mas iguais aos suecos acho que não tem, são bem genuínos.

E, olha, se eu morasse aí, com certeza, iria experimentar esta sauna e o tal banho gelado, deve ser demaisssssssss!

bjs cariocas
Maariah disse…
Infelizmente não posso ajudar em relação à tua amiga, mas gostava.

Não sei a resposta mas cada local, país, com sua cultura, cria em nós modos diferentes de reagir e sim nós somos mais expressivos.
Felipe disse…
Hej,
Realmente o que você disse "Todos se sentem no direito de achar que são melhores que eles, inclusive os brasileiros" é verdade. E eu, honestamente, em determinados momentos me sinto assim, acho que isso foi construído pela imagem extremamente negativa que fazemos dos muçulmanos. Seria muito interessante ler um post sobre isso, fico esperando! :D
Anônimo disse…
Solar eneragy is the future for the world.
[url=http://www.solarcourses.org/]solar courses[/url]
Lívia Chaves disse…
Ai essa dá sauna é demais. Ui!!! Doeu só de imaginar... kkk. Brincadeiras à parte, pra mim o mais estranho dessa história foi o peladona! As vezes não entendo esse jeito sueco de ser, tão tímidos e ao mesmo tempo tão desinibidos... :S
Ola somnia. achei piada ao teu post e à comparação entre culturas. Sim realmente é um facto o quão diferentes são as culturas que mencionas. No que respeita a brasileira e à portuguesa é notória a diferença, diga-se que o português é mais cinzento, não tão colorido como o brasileiro. Creio que tal se deve ao facto de o português pensar demais nas coisas, sofrer por antecipação e possuir uma capacidade ridicula de lamentação que até aborrece! Mas o português está a mudar aos poucos ;)
No que toca à minha não resposta aos comentários, não me interpretes mal por não o fazer, apenas não tenho por hábito fazê-lo. No ínicio do blog até o fazia depois perdi o hábito mas não penses que considero menos os comentários que me fazem por isso , muito pelo contrário ;)
Uma última coisa, essa ideia de dar um banho de mar depois de uma sauna quente agrada-me! Melhor ainda se for com suecas bonitas e simpáticas ;)

beijos do amigo de Portugal

Luís
Vivien Morgato : disse…
Somnia, dei aulas para uma turma de Enfermagem que contou algo que vai ao encontro da teoria da sua amiga: segundo minhas alunas, parturientes orientais NUNCA dão escândalo na hora do parto.
Eu estava comentando que meu parto foi complicado, que dei maior show e elas me contaram isso. Parece que as meninas orientais aguentam horrores sem dar um pio!
avemaria.
Anônimo disse…
Gente, entao nao sou sò eu que penso isso! Brasileiras (nao conheço muitas latinas pra incluir elas também) sao manhosas. Acho que isso tem a ver com a nossa sociedade machista. Mulher = boneca no Brasil. Poucas praticam esportes (academia no màximo), poucas experimentam coisas novas, muitas tem medo disso, daquilo, daquilo outro, etc.
Nascemos com um script, pra vivermos no conforto e aplaudirmos nossos homens enquanto eles fazem algo "ousado".
Por mais que tentemos fugir do script, eu imagino que nos siga ainda por muitos quilometros dessa vida...
Beijo beijo
Xu disse…
Eita post engracado... comecei a rir ao ver meu nominho assim: "Xu, a brasileira-portuguesa". Acho q eu mesma nunca me definiria assim...rsrsrs!
Outra comédia foi o lance da sauna. Como eu costumo dizer "nunca diga nunca"... mas acho q nunca vou encarar esta sauna sueca (ou finlandesa... vai saber quem comecou a tradicao). Pra mim é uma combinacao de várias coisas não agradáveis: a falta de ar dentro da sauna + água gelada + mulherada pelada. Ah, e no quesito "coragem" dos brasileiros x suecos, não esqueca que meu amado marido Gus já encarou esta aventura no norte da Suécia. A diferenca é q ele entrou num lago a zero grau e nao no mar.
É, tem doido pra tudo.. kkkk

Bjos
Xu

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que