Pular para o conteúdo principal

Entre os cetins, as plumas e os paetês do Melodifestivalen, em Malmö

(As bexigas dadas de presente para cada um fazer a sua parte e animar a platéia, Melodifestivalen, Malmö, fevereiro de 2009)


Imagine que você é uma pessoa total dada às festas e encontros animados com o pessoal do seu trabalho. Imagine que você adora uma farra e é o tipo topa tudo e não está prosa. Agora imagine que você com esse jeitão todo está morando num outro país (com fama de sério e com pouco gosto pra festa) e tem a oportunidade de participar do maior evento musical desse lugar.

Maior não significa, nesse caso, de excelente qualidade, mas significa algo realmente muito popular nessa sua nova morada e o local perfeito para conhecer melhor ainda os hábitos do povo local e, claro, farrear muito. Então eu deduzo que você toparia facinho facinho essa balada do sábado a noite, não é?

Eu não topei. Não topei porque infelizmente não sou eu a personagem da minha historinha animada. A personagem central da noite não foram nem mesmo Agnes e Malena, as ganhadoras da etapa em Malmö, mas minha boa amiga Xu-Muié, Mulé, Baby, ou o que mais seja que eu a chame. A mulé foi com a suecada toda no Melodifestivalen, no sábado passado, aqui em Malmö e tive "strimiliqui" de inveja!


(As suecas Helena e Karen e o sueco Johan, animadissimos, em frente ao palco durante o “pré-show", Melodifestivalen, Malmö, fevereiro de 2009)

Eu não vejo TV quase nunca. Não tinha hábito no Brasil e continuo não tendo aqui, mas vi o programa todinho. Achei o máximo, no sentido da farra que eu gostaria de ter feito. E é ótimo para rir também. Não que o pessoal não seja afinado (é bastante) e é diferente das versões trashs que temos no Brasil do tipo programa de calouros, mas também não tem nada a ver com os nossos consagrados festivais, nos quais música muito boa e de fazer história saía de lá. As músicas são bem o tipo "tocar no rádio nos próximos três meses e c´est fini"... Ah! e quase todas cantadas em inglês, não em sueco, o que é moda nas rádios daqui. Eu que torci para a única tiazinha que cantou em sueco não levei medalha nenhuma. Ela não passou nem da primeira chamada lá na noite. Mas, contudo, todavia...

...entretanto, nada disso vem ao caso. A gente tá aqui nesse país pacato, cujo povo super educado, organizado, silencioso e comedido roda a baiana em dias assim. Será? Conferir todas as plumas e paetês das suecas e suecos, com certeza era algo que eu poderia ter feito muito bem no sábado, mas ainda não foi esse ano.

Então, paguei uma certa quantia razoável para arrancar, quase à força, detalhes do Festival de minha dedicada amiga Flávia Ducatti, a citada Xu-Muié. Podemos considerá-la como uma "enviada especial" do Borboleta e que traz, com super exclusividade, a cobertura incompleta, claro!, do show.


(Banda de abertura do evento, não participante do concurso, Melodifestivalen, Malmö, fevereiro de 2009)

Nesse evento, é bom ressaltar, vem à tona o lado exageradérrimo e pouco cool de muitos suecos. Não à toa uma das duas vencedoras, Agnes, a mais jovem, usava um tipo de colã, sei lá como chamar, com calça longa ouro, todo brilhante. Sua concorrente na próximo semana vinha um vestido boneca cheio de plumas pretas. 

Bom, quem estava mesmo entre o brilho e as estrelas todas da noite era a Muié e vou deixar ela contar melhor o que foi tudo na visão dela...


... 

Entrevista com a convidada e enviada especial do "Borboleta" para o Melodifestivalen de Malmö. 


Somnia invejosa: Baby você foi no Melodifestivalen a convite de quem?

Mulé, a convidada: Fui “apresentada” (não pega bem falar “introduzida”, né? rsrsrs) ao Melodifestivalen em 2008. Assisti pela TV algumas das eliminatórias com minha amiga sueca Helena. Depois de algumas semanas, assistimos juntas à fase final e depois o EUROVISION, a versão européia do festival. (ah, este eu faço questão de assistir com vc em 2009!)

Somnia invejosa: E porque você acha que em 2009 eu ainda estarei por aqui, baby?

Mulé animada continua: Bom, já por dentro da tal tradição sueca, em novembro/2008 a mesma Helena agitou um grupo de amigos para assistir ao vivo a eliminatória que seria em Malmö dali a 4 meses. Tudo programado com antecedência, como bons suecos. Desde então, todos na contagem regressiva! (ahahaha)

Somnia invejosa: Como foi estar lá entre a suecada naquele evento? Onde você ficou?

Mulé, animadora de platéia: A etapa Malmö foi dia 28/02/2009 no Malmö Arena e eu estava na 2ª fileira da platéia. O lugar estava lo-ta-do! (aprox. 14.000 pessoas). Tinha de tudo: casais, família com crianças, grupos de amigos e gays, muuuuitos gays! Só lá é que fiquei sabendo que este evento é o MUST para os meninos inclusive da Dinamarca. Conheci 7 dinamarqueses que vieram especialmente para o evento e disseram que aqui na Suécia o festival é levado a sério e que na Dinamarca o evento é bem ½ boca. De acordo com alguns suecos, esta é uma noite de Gala. O importante era bilhar! Altas produções na platéia... inclusive quem vos fala que não podia sair da linha!

(vista parcial da platéia + palco, antes do evento começar, Melodifestivalen, Malmö, fevereiro de 2009)


Somnia mais conformada: Por que você acha que os suecos, tão famosos pela seriedade, gostam tanto de eventos musicais como esse e outros milhares que há na televisão?


(As gostosonas que não levaram mais do que assobios e tchauuzinhos da platéia, Anna Sahlene e Maria Haukaas Storeng)


Mulé, a esclarecida: No geral, os suecos são muito ligados em música. Eles cantam em coral desde criança, e normalmente são bem afinados. Isso faz com que eles analisem as músicas do festival a fuuuundo! (mas não é pra tanto). A noite foi super divertida! Eu não levei tão a sério como os suecos ao meu lado, pois estava prestando mais atenção na produção, roupas, cabelos, etc. A produção da STV1 é muito bacana. Extremamente profissional! Mas as músicas em si não são lá aquelas coisas... o que vale mesmo é a diversão de ver como a suecada leva isso a sério.




Somnia total por fora: Como é que funciona esse evento? Por que haverá ainda outra etapa semana que vem em Estocolmo e como encerra tudo?

Mulé, profissaBom, explicando 1 pouco o esquema do festival: são 4 sábados, onde 8 músicas são apresentadas por vez. A cada eliminatória, saem 2 vencedores que já vão automaticamente pra final. Além dos 2 finalistas, este ano implementaram o tal do “juri internacional” que escolhe outro artista para a “repescagem” (“the second chance” como dizem os suecos). Ou seja, na final das finais (daqui a 2 finais de semana, em Estocolmo) serão 8 finalistas + 2 da repescagem. O grande vencendor vai representar a Suécia na versão européia: o Eurovision.

Agora é aguardar sábado que vem pra ver quem ganha na repescagem pra depois..... a grande final em Estocolmo! 


(Xu-Muié e seus amigos sueco, na 2ª fileira. Da esq. pra dir: Johan, Karen, Xu, Thomas e Magnus, Melodifestivalen, Malmö, fevereiro de 2009)

Somnia agradecida: Sim, baby, é só esperar a etapa de Estocolmo pra gente achar uma boa desculpa pra fazer festa lá na minha casa, dessa vez! Por favor!


Comentários

Érica disse…
Ame saber mais sobre esse festival. Já tinha ouvido falar, mas nuna me aprofundei muito. ABBA só cantava em inglês, né? Tem umas dez músicas deles que são em sueco. Por incrível que pareça sei Honey. Honey quase toda em sueco, em inglês nenhuma frase inteira. É porque só tenho a versão em "Svenska".
O post incrível mesmo. O Borboleta teve até enviada para fazer cobertura. lol
Anônimo disse…
Aiii que lindo!! Ano passado meu namorado me mostrou todos os programas!! Esse ano to perdendo tudo!! E olha que eu adorei, ate hoje tenho no meu computador musicas de alguns canditados. Que sorte ela teve heim... mulé eu envy tbm!! :D

Mil bjs Sonia!
jujuba de jiló disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
jujuba de jiló disse…
como não sei se meu post chegou aí... aí vai outro. :)
lindas são as suas palavras. quase todos os dias estou aqui debruçada sobre elas hehhehe.
e seja em vinda...
ah eu vi que voce ´[e chegada numa pintura. por que voce pasrou de postar no outro blog? teus desenhos são lindos! :) qu7alquer dia eu coloco algumas das minhas pituras aqui ... :)
até mais.
Anônimo disse…
Muié

To atrasada na leitura do "brabuléts"... por isso minha demora no comentário.
O texto ficou ótimo! Vc conseguiu descrever super bem os momentos que estive lá, ao vivo, curtindo as "plumas & paetês" do festival.
Só não me passou pela cabeca o fato de vc não estar aqui em 2010...rs... é, vai ver é o desejo do inconsciente. :-)
De qq forma, podemos assistir juntas (pela tv) a final 2009 no próximo sábado. Sua casa? Minha casa? Tanto faz....

Beijos da enviada especial
Xu
Somnia Carvalho disse…
Oi Érica!

sim! o ABBA cantava em ingles e o ABBA foi descoberto no melodiefestivalen! foi depois disso que arrembetou!

eu gosto dessa musica tambem! mas minha preferida e "kowing me kowing your! ahã!!! lalalalala ..
Somnia Carvalho disse…
Jana,

foi super legal! e adorei esse fim de semana na final!
saiu um post logo sobre isso!
Somnia Carvalho disse…
Oi Jujuba!

que legal! saber que gente como voce! ai nesse lugar tao cheio de sol e energia se debruca sobre algo que eu penso e escrevo!!!

seus textos tambem sao bonitos e sensiveis!!!

eu ainda estou organizando meu blog sobre pintura... eu fico ensaiando e nao termino!
Somnia Carvalho disse…
Muie,

que bom que gostou! e obrigada por me introduzir as suecas tambem!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que