Pular para o conteúdo principal

Quando o olho não só vê, sente: sobre Maria Larsson e seus eternos momentos

(Cena do filme sueco "Maria Larssons eviga ögonblick")


"Foi num desses dias de neve aqui em Malmö que eu tive o prazer de ver o belíssimo, comovente e artístico filme de Jan Troell, Maria Larssons eviga ögonblick (Eternos momentos de Maria Larsson) no Biocentrum, em Limhamn.

O filme, lançado ano passado, conta a história real de Maria, uma dona de casa sueca que vivia em Gotemburgo no início de 1900. Pobre e noiva de Sigfrid, Maria tem a idéia de comprar um bilhete de loteria, cujo prêmio era uma câmera fotográfica. Os dois ganham a câmera no sorteio, mas é Maria quem fica com ela e a guarda com carinho em casa...
" (Trecho que inicia meu texto do mês, no Brassar)


Há umas duas semanas, minha amigona Xu (mais conhecida neste blog como Muié) me convidou para conhecermos um cinema super especial aqui em Malmö. O BioCentrum, em Limhamn, é famoso por ter toda semana uma sessão de filmes de Bollywood, isto é, da grande indústria cinematográfica da Índia.

A Xu tinha ido até lá com seu maridão Gus para tomar um café da manhã e tinham se encatando com o lugar. O dono, um jovem rapaz sueco, apaixonadíssimo por cinema e tudo relacionado ao assunto, é o responsável por reabrir o primeiro cinema de Malmö, que aliás estava fechado há mais de quarenta anos. O jovem dono é simpático, super informado a respeito do que mostra em seu cinema e muito animado.

Nas sessões de sexta, quando os filmes são indianos, ele se caracteriza para receber, um a um, dando boa noite, conversando pessoalmente com cada pessoa que em seu cinema se arrisca entrar.

Num desses sábado, então, fomos nós duas de manhãzinha, depois de várias noites de neve na cidade, ver um filme juntas. Gus viajando, Renato e Ângelo juntos em casa, nos demos ao direito desse "luxo" entre amigas. A paisagem estava lindíssima. O frio intenso. Eu e a Xu animadas e curiosas para ver um filme indiano pela primeira vez no cinema. Foi quando o rapaz simpático nos disse que naquela manhã o filme a ser exibido seria "Maria Larssons eviga ögonblick", do sueco Jan Troell.

-"Ui!", pensamos, preocupadas em não entender bolhufas nenhuma de um filme sueco, sem legendas.

Vencemos a surpresa inicial e lá entramos. A sala, que foi reformada preservando-se toda a arquitetura local, estava cheia de quadros com fotos em preto e branco. Sentindo como se fôssemos parte de uma história a gente se sentou, com mais umas oito pessoas que também haviam se arriscado naquela manhã fria.

O dono, de quem não consigo me lembrar o nome agora, nos apresentou o filme e apresentou-nos ("as amigas brasileiras") a quem estava lá. Após isso, o tempo que se passou foi uma experiência maravilhosa. Se não entendemos muito das falas ditas, nós compreendemos perfeitamente a linguagem do diretor e da personagem Maria.

Para completar, o mocinho sueco ainda contou-nos a história das fotos que ali estavam. Além das várias reproduções ampliadas de Maria Larsson ele também nos mostrou originais numa caixa de vidro.

Ver "Maria Larssons eviga ögonblick" abriu meu horizonte para muitas coisas, duas delas, com certeza são que eu devo assistir mais filmes suecos e acreditar na competência deles para as artes e que eu devo, com certeza, voltar ao Biocentrum de Limhamn com o Renato, com mais amigos e com a Xu. Experiências com gente assim e em lugares assim são pequenos momentos que eu quero guardar para sempre, como Maria fez com os seus.

Se você quer saber mais sobre o filme e sobre a vida de Maria Larsson você pode tentar ver o filme ou pode ver o segundo texto que meu que foi publicado no Brassar hoje. Espero que gostem da experiência tanto quanto eu!

Ótimo domingo!
...

ps: o post sobre Michael Kvium está levando mais tempo do que eu esperava. Além de eu ter tido uma semana muito cheia, me apaixonei tanto pelo artista e por seu trabalho quando fui pesquisar para escrever que ainda não consegui acabar. Assim que eu terminá-lo, ele vai pro ar! Desculpem!

Comentários

Janaina disse…
Oiieeee... Nosssa, fiquei super curiosa pra ver esse filme!!
Farei de tudo pra ver de alguma forma!

Bom domingo Soninha!!

Ps- atualiza o end do meu blog, q esta hospedado em outro site, mas é o mesmo blogrinhu hihihi!!

Mil Bjs
Anônimo disse…
Amiga,

Foi simplesmente espetacutar ir pela 1a vez ao Biocentrum com vc, e assistir ao filme da Maria Larsson. Só posso concordar com tudo q vc disse. Eu tb fiz a maior propraganda de ambos (cinema + filme) para todo mundo.

Precisamos combinar uma 6a a noite e pegar um cineminha indiano!

Beijos e boa noite
Xu
olhodopombo disse…
Muito bom este seu interesse por pessoas criativas,,,parabens!
Beth/Lilás disse…
Borboletinha querida, voltei!
Cheguei hoje e muito feliz, mas muito cheia de coisas prá arrumar, roupas prá lavar e organizar e já viu, né!
Mas tinha que vir aqui agradecer os votos de boa viagem e dizer que teu blog tá a coisa mais linda e fofa!
Então o Angelinho teve doente?! Espero que já tenha melhorado tadinho!
Que bom que o sol já está reaparecendo por aí e a natureza se movimentando e colorindo esta linda terra!
Assim que puder colocarei fotos da minha viagem, ok.
grande beijo e ... saudades!
Smacks!
Anônimo disse…
sonia olha só

http://www.youtube.com/watch?v=iZCKeBEomas

coitado,, mas ele se saiu muito bem!!
Beth/Lilás disse…
É bom fazer esses 'programinhas' com uma amiga!
Adoro isso!

Bem, você disse noutro dia que eu faço aquelas imagens com firulas para me esconder atrás delas, o que não é verdade, mas você poderá me ver colorida, gorda e feliz nas fotos que botei nos meus 3 últimos posts.
Tá me devendo uma visita, heim!
bjs cariocas
Somnia Carvalho disse…
Oi Jana!

vou atualizar sim!!!

ah! e voce deve conseguir o filme no Brasil porque eu vi uma critica na uol, entao deve chegar ou ja chegou por ai! e lindo!
Somnia Carvalho disse…
Mulhé,

esqueci de por as fotos do cinema! eita cabeca de bagre (e assim que esceve?)
Somnia Carvalho disse…
Fátima,

por isso me interesso por sua arte postal!!! gente criativa!!!
Somnia Carvalho disse…
Betíssima,

o sol aparece uma vez na semana... eita raios! nao vemos a hora da primavera chegar! ja falei isso em outro comentario, acho!

entao! ja passei la e vi as super fotos e tudo! lindo!
Phylippe Moura disse…
Vi o filme ontem!
É encantador.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que