Pular para o conteúdo principal

Uma obra de arte ou mil palavras? "Cena de Rodeio", de Michael Kvium

("Cena de Rodeio", Michael Kvium, 1995)


Essa é a primeira tela da seção "O que você vê nessa obra?".  
Fique a vontade para dar seu ponto de vista.
No domingo, apreciação geral e ponto de vista da Borboleta.

...

quinta-feira, 22:03

Li os comentários e fiquei animada com a participação. 
Aqui vai algumas dicas para vocês liberarem geral no comentário. Se estiver difícil dizer algo, porque não sabe por onde começar, tente pensar em respostas para algumas das seguintes perguntas:

- você gosta ou não desse quadro? por que?
- o que lhe chama mais a atenção?
- o que você vê na tela? descreva dizendo quem são os personagens na sua opinião.
- a cena lhe remete a algo que já conhece? o que é?
- o que o artista pode ter querido dizer com sua pintura?
- o que o título "Cena de Rodeio" pode dizer a respeito da cena pintada?
- pensando a data da obra é possível fazer outras relações?

Até mais!


Comentários

Anônimo disse…
Somnia

que quadro provocador! vou pensar um pouco nele mando o que consegui concluir, embora eu ja avise nao sou muito perspicaz nisso.

juliana
maria disse…
sua ideia sobre -o que vc ve nessa obra -eh maravilhosa!parabens pela iniciativa!
olhodopombo disse…
eu vejo a visão masculina sobre o mundo feminino.
Somnia Carvalho disse…
Juliana,

não pense muito! manda ver o que tem na cabeça enquanto olha para ele!
Somnia Carvalho disse…
Hey Maria! ce gostou?

mas cade a contribuição dessa mulher das Irlandas?
voce com certeza deve ter um ponto de vista, qual é ó Maria!?
Somnia Carvalho disse…
Fátima Pombo,

você vê isso é? que interessante!!!

a visão masculina, no caso, seria a do pintor?
voce acha a visão dele machista? uma visao longe da realidade?
Beth/Lilás disse…
É super interessante a obra e como disse a Fatima, parece mesmo uma visão dominadora sobre a mulher.
Mas, sinceramente, não a compraria, nem gostaria de ganhá-la.
Gosto não! tsc tsc
bjs cariocas
Beth/Lilás disse…
Borboletinha!
Você disse que não viu eu com o filhote nestas férias, mas é que vc não passa 'lá em casa' todo dia, aí não viu estes dois posts em que estamos juntos:

http://supremamaegaia.blogspot.com/2009/01/i-loved-vik.html

e

http://supremamaegaia.blogspot.com/2009/01/pelas-ruas-do-rio-com-meu-filho.html

Espero que assim possa conhecer meu filhote.
beijocas quentésimas cariocas
olhodopombo disse…
Sim Somnia,
ele mostra uma figura grotesca, feminina, em duas visões diferentes mas ambas de um homem que não gosta da mulher.
olhodopombo disse…
Somnia, lhe respondi la no
meu blog
o que eh um Papaangu!
Art in Shapes disse…
Olá Somnia! Primeiro queria te dizer que seu blog está lindo com este layout. Parabéns!

Vamos lá, deixa eu te dizer o que achei desta imagem:

Este quadro me incomoda, para ser sincera. Me passa uma sensação de extremo sofrimento, emanando dos dois, não apenas de quem está sendo dominado
Me chama a atenção a diferença de tamanho dos dois personagens e o papel que eles representam
Poderia dizer que este quadro simboliza a dominação do homem em relação a mulher. MAs acredito que ele deve significar muito mais que isso. Precisaria saber o contexto e a linha que o pintor segue.

Somnia, muito bacana esta tua proposta. Estou esperando ansiosa a sua visão desta obra. Beijos

Dani
1daystand.blogspot.com
Anônimo disse…
Vamos lá viajar na mayonnese então. Eu achei a tela super-interessante, primeiro porque a sombra não corresponde 100% à imagem, achei super legal os detalhes do homem na sombra, como por ex o cabo do revolver se tornar um rabo e na sombra toda ele se tornar num índio. À primeira vista sim, acredito que simbolize o domínio do homem sobre a mulher, a questão do gênero que é muito discutida nessas bandas do planeta, mas se considerarmos a sombra, mostra também a dominação do homem sobre os animais - já que vejo a mulher na sombra como um animal - ou mesmo o uso que o homem faz dos animais e sua postura de 'soberania' sobre a natureza em geral coisa que não é nova, portanto, se olharmos a sombra veremos que os índios já se utilizavam dos animais/natureza/mulheres assim como o homen comtemporâneo - o peão na imagem principal - continua fazendo até hoje. Podemos pensar também que o jogo das imagens pode querer apenas apresentar uma ilusão de ótica, assim como podemos com as mãos desenharmos imagens na sombra, vemos por ex. um coelho, mas é uma mão. E aí a segunda associação que fiz fica meio desbancada. Sei lá, entende? 1000 coisas.... hahaha.....
Beijos
Suyaen
Somnia Carvalho disse…
Gente, adorei! mesmo!

adorei a participação e os comentários todos! as visões super diferentes e ricas!

Acho que a seção vai dar pano para a manga!! ou para os pincéis!

olha só! eu não vou responder esses comentários agora, porque minhas respostas farão parte do post que colocarei hoje até o fim do dia, ok?

de novo! tack! as leituras são otimas!

SO UMA COISINHA: ninguem vê uma mãe e um filho ai?
Unknown disse…
Acho que esta "Cena de Rodeio" A figura monstruosa da mulher representa a força , a coragem,a garra.O olhar é de desafio,vontade de vencer,enfrentar barreiras.É uma batalhadora.Acho que quem esta montado tem conhecimento e admiração pela figura dessa mulher o que o faz sentir forte e poderoso Mas não dominador.
Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que