Pular para o conteúdo principal

Dia Nacional dos Samernas, povo da Lapônia



Hoje, dia 06 de fevereiro, é o Dia Nacional dos Samernas, o povo da Lapônia

E eu que tinha até um recado em minha secretária telefônica certa vez, com uma música do Mawaca, brincando que meus amigos da Lapônia estavam lá e anotariam o recado, nunca imaginei que esse povo poderia ser tão pitoresco.

Em minhas duas últimas aulas de sueco essa semana, lemos bastante sobre os samernas, os quais a gente chama de lapões, e sobre sua cultura.

A Lapônia, que a gente conhece como sendo apenas a terra do Papai Noel, na verdade é uma região que engloba parte da Suécia, Noruega, Finlândia e Rússia. Ao todo são 80.000 pessoas vivendo nessa regiaõ.  E para você que, como eu, sempre imaginou o Papai Noel e sua thurma apenas no meio da neve e do gelo fique sabendo que na Lapônia o verão é muito parecido com o nosso aqui do sul da Suécia. Sim! as renas, os duendes e o Papai Noel ficam de sungão tomando banho de praia no verão!



Embora eles também tenham as quatro estações bem bonitinhas, as semelhanças vão parando por aí. Os samernas têm língua, cultura e costumes próprios. Eles diferem da dos países onde estão situados geograficamente e os samernas da Suécia, por exemplo, nem mesmo têm o sueco como língua principal. A Suécia, e não a Finlândia, como sempre pensei é onde está a maior parte dos samernas, 25 mil. 

Folhenado e lendo alguns livros na aula ontem, fiquei contagiada com as imagens e as peculiaridades. A maior parte dos samernas, hoje em dia, têm vida bastante moderna e parecida com a do povo do restante de seu país, mas ainda mantém tradições, vestimentas e celebrações que marquem sua história. Apenas dez por cento dos samernas que vivem na Suécia trabalham exclusivamente com as renas, as quais podem ser vistas aos milhares pela região.


Fisicamente, grande parte tem cabelos escuros e não têm os olhos azuis da maioria dos suecos, por exemplo. Seus olhos são levemente puxados, dando ao povo uma característica ainda mais diferente.




Com uma bandeira própria, a Lapônia hoje celebra seu Dia Nacional e faz muita festa. Em barracas, como no passado, vestindo roupas ultra coloridas e chamativas, pescando, alimentando as renas, cantando e comendo, os samernas hoje celebram o que são e o orgulho de onde vêm. 




Depois da aula de ontem eu coloquei algumas cidades no roteiro obrigatório para nossas próximas viagens. Sem conhecer o norte da Suécia eu não posso dizer realmente que vivi por aqui e entendi o que é esse país. A Suécia me pareceu ainda mais encantadora e cheia de coisas a explorar do que eu já imaginava. Sem contar que a Lapônia e o sua cultura é curiosa até mesmo para um sueco, quem dirá para mim!



E viva os samernas e a Lapônia!

Comentários

olhodopombo disse…
Fiquei curiosissima, vou
procurar ler sobre eles.
Me parecem ser descendentes do Gengis Kahn, pois nao?
olhodopombo disse…
Voce poderia pintar esta foto ai de cima...
ficaria bem interessante,,,,,,
Beth/Lilás disse…
Muito interessante!
Gostei da fantasia do velhinho. haha
Quem sabe neste carnaval, na avenida...!

PS: Dá uma olhada no gato lá no blog.
bjs cariocas
Lúcia Soares disse…
Adorei saber um pouco da Lapônia, que a gente só ouve falar como sendo a "terra do Papai Noel",né?
Como é rico, culturalmente, o nosso planeta. Quem tem disponibilidade pra viajar deve, sim, "enfiar o pé na estrada" e aproveitar tanta beleza!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que