Pular para o conteúdo principal

Uma obra de arte ou mil palavras? a Igreja de Van Gogh

("A Igreja em Auvers-sur-Oise", Vincent Vang Gogh, 1890)


Continuando a seção "O que você vê nessa obra?", essa semana a gente tem uma tela de Van Gogh.

Esse quadro pertence ao Museu D´Orsay, em Paris, e foi pintado pelo artista no ano de 1890. 
Em óleo sobre tela, mede 74cm x 94cm. 

Está aqui para que a gente se delicie com as discussões!

Lembrando que a intenção não é que a gente faça grandes pesquisas para escrever o que acha aqui, mas que se deixe levar apenas - e tão somente - pela pintura. Deixar levar-se por esta pintura que está aqui, pois se você conseguir, inclusive, abstrair o que sabe de Van Gogh num primeiro momento, isso é ideal. 

Você pode falar o que vê, o que sente, enquanto olha para a pintura. E claro! também pode acrescentar o que essa leitura pode ter a ver com outras pinturas que por acaso conheça do pintor e o que sabe da vida dele. 

Agora é com você!


Comentários

Beth/Lilás disse…
Ah, Van Gogh é meio difícil não gostar!
Mesmo as mais confusas de suas obras, são lindas!
O que me atrai nesta é o azul cobalto do céu e as sombras na grama em frente à igreja.
Alguma coisa nesta pintura me lembra Petrópolis que eu tanto amo. Talvez a lateral da Catedral de S.Pedro de Alcântara que tem lá.
Prá dizer a verdade, acho lindo pinturas de igrejas, capelas, catedrais. Tenho um amigo em Petrópolis que coleciona quadrinhos desse tema e ficam maravilhosos na parede, agrupados.
Este, com certeza, adoraria ter numa parede de minha casa.
bjs cariocas
Amelia Pond disse…
EU VEJO UM MONSTRO NA JANELA! VOCÊ NÃO? O DOUTOR AINDA NÃO ESTEVE AI.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que