Pular para o conteúdo principal

Uma obra de arte ou mil palavras? Kirstine Ropestorff

("Desolação da besta", Kirstine Ropestorff, 2002, Dinamarca. Foto: Sônia M. Carvalho)


“Your comfort is destroying my comfort
Your freedom is opressing my freedom
Your power makes me powerless
My rules eliminate your rules”


A terceira tela da Seção "O que você vê nesta obra?" é da artista dinamarquesa Kirstine Ropestorff. "Desolação da Besta", de 2002, não é uma pintura, mas uma instalação em formato de quadro. São vários tecidos costurados entre si, com imagens estampadas, entre elas animais, símbolos de capitalismo, socialismo, comunismo e frases bordadas, em inglês, em quatro diferentes quadros, cuja tradução é:


"Seu conforto está destruindo meu conforto,
Sua liberdade está oprimindo minha liberdade,
Seu poder me torna impotente,
Minhas regras eliminam as suas". 

Tive contato com esta obra numa exposição especial de artistas contemporâneos dinamarqueses, no Statens Museum for Kunst, em Copenhaguem, no mês passado, e creio que seja uma obra intrigante e interessante para trazer para o blog.

Agora é  com vocês! De novo!

(Detalhe de "Desolação da besta, Kirstine Ropestorff, 2002)


Comentários

Beth/Lilás disse…
Querida borboletinha,
Esta obra é daquelas que instiga e esmiuça os sentidos, faz a gente parar, olhar e força a interpretar, pensando no que todos estes 'signos' querem nos dizer ou lembrar.
Ela é uma obra que fala.
Só não entendi o que a bandeira da pobre Argentina está fazendo neste contexto! Será que a autora tem antepassados basileños? rsss
Muito interessante como obra, pois não pensamos em fazer algo assim, desse jeito quem a fez é artista mesmo.
beijos e obrigada pelas doces palavras no meu dia hoje.
Somnia Carvalho disse…
É verdade Lilás! essa obra faz pensar! e muito!

arrepiei com as frases escritas em inglês e o quanto de significado elas têm.

Mas sabe que eu procurei, mas não consegui enxergar a bandeira da Argentina. Ela tá escondida entre os desenhos?

Tem a de Cuba, do lado de cima, junto com a da inglaterra, colada junto. Ai embaixo tem uma que lembra a bandeira do socialismo.... (espere um pouquinho que vou checar na minha foto maior)

uau! sim! tem mesmo a bandeira da Argentina lá no meio misturada! A artista diz em uma entrevista a um jornal dianamrquês que ela recolheu esses banners pelo mundo. Vai ver ela passou pela argentina! rs... brincadeira! as bandeiras, as imagens e PRINCIPALMENTE o texto junto devem ter um objetivo comum...

eu tenho umas idéias do que seriam, mas qual seria a sua Lilás? voce diz que ele força a interpretação, o que você interpreta?
Art in Shapes disse…
Somnia, quando li parte do texto representado nesta obra, lembrei de uma frase que dizia: "a minha liberdade acaba quando a do outro começa", ou algo deste gênero. Tentei fazer o link com da obra com esta frase, e acabei me perdendo... Então abandonei esta linha de raciocínio e fui para outra.
Vamos lá: o que vemos?
- bandeiras de países
- imagens de motos e automóveis em movimento
- caveiras

De fato, esta montagem feita não me fez sentido. Ao menos não vendo do ângulo que foi exposto - esta é a dificuldade maior de instalações, precisam ser mais "sentidas", analisadas com calma. Uma imagem, assim fria, acaba perdendo muito seu significado.

Somnia, vi que vc publicou um post após esse. Quis vir nesse antes, para dar minha percepção. Agora vou ler o novo e tentar captar algo mais.

Beijos
Somnia Carvalho disse…
Dani querida, e verdade! as instalacoes precisam um pouco do contexto la do museu... por exemplo, essa obra estava junto com a do kvium, ao lado, na mesma sala... entao voce pode tentar juntas le com cré...

se der! rs...

acho que voce estava indo pro caminho certo naquela primeria analise...

pense so:

caveira: simbolo morte
motos e cavalos: simbolo da liberdade? sao?
homem nu
bandeiras cuba: socialismo
bandeiras states e inglaterra: paises dominadores

preciso ir, continuo depois bjssssssss
olhodopombo disse…
gosto desta obra,

algum tempo de 2000 andei bordando e pintando grandes paineis, com retalhos, fazendo historias...
gosto disto,,,,
Unknown disse…
Querida Somnia,

Para mim, a obra faz todo sentido...É só pensar globalmente na nossa sociedade.O poder de alguns simplesmente enfraquece outros,o nosso conforta gera desconforto para quantos ?
Borboletinha, pense tb. no efeito borboleta, enfim estamos todos ligados...
Beijoca cheia de chuva em SP,
Clawdinha

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que