Pular para o conteúdo principal

Dicas para leitura da "Desolação" de Kirstine

(Para ler uma obra é preciso olhar de pertinho, de forma bem interessada, como essa mocinha dinamarquesa fez no museu quando visitou a obra de Kirstine, in: the Dannetes)


Eu tentei adivinhar o silêncio no post do Vang Gogh, mas agora já tô começando a achar que me precipitei achando que o coitadinho do meu "quase clássico" Vang Gogh fosse o problema. 

A terceira tela que coloquei essa semana na seção "O que você vê nessa obra", da dinamarquesa Kirstine Roepstorff recebeu comentário da atenta e participativa visitante de museu Lilás e ? De mais ninguém!

Ou vocês não gostaram nadica de nada da tela e me "guinoraram" completamente ou ela é tão cheia de sentidos que vocês têm medo de bancar os "bobolóides" e falarem asneiras. Se é a primeira opção eu posso dizer que, embora não se trate de uma pintura, no sentido convencional do termo, é uma obra que tem muuuito a dizer. E tenho certeza vale a pena a gente tagarelar sobre ela!

Se for a segunda, aí que não tem boi mesmo. Vocês precisam dizer e precisam dizer tudo que passa pela cabeça de vocês! Vamos ao nosso debate! Tentem pensar em algumas questões para jogar aí nos comentários. Tentem não se deixar levar por aquele meu post super longo do Michael Kvium. Não precisa dar uma de expert e nem chatonildo igual eu dei. 

A não ser que o motivo da falta de participação na mesa redonda de bar virtual seja a correria do dia a dia e também o fato de que a gente tem "coisa muito mais importante e prática" para tratar. Eu concordo que não dá muito tempo de ficar comentando em blog, mas ao menos eu "agarantio" que essa questão é também bem prática e que sai muito do âmbito de "discussão sobre arte".

(Detalhe de "Desolação da besta, Kirstine Roepstorff, 2002)


Você pode começar pensando algumas coisas como:

- Qual seria o motivo de Kirstine não ter pintado a tela com as bandeiras e as imagens? qual a diferença de fazer uma costura, colagem de banners, recolhidos por vários lugares e juntá-los sob forma de uma tapeçaria (ou seria uma bandeira?) numa parede?

- O que os banners e essa obra em tecido lembra? Lembra pintura ou lembra cortina de retalhos ou...?

- As imagens da obra dizem o que para você? Não precisa tomar todas, pegue algumas e pense porque elas estariam ali juntas? 

- Kirstine está fazendo altuma crítica? A quem? Ou ao que? Ela está desolada tanto quanto a "besta", ela está "pstorff" (sorry, mas eu tinha que fazer o trocadilho besta) com alguma coisas também? com o que seria?  O que na tela dá sinais disso?

- A Lilás chamou atenção para as bandeiras várias que há na obra. O que elas podem significar nesse contexto da obra? 

- As quatro frases espalhadas pela obra são provocantes e questionadoras (“Your comfort is destroying my comfort, your freedom is opressing my freedom, your power makes me powerless, my rules eliminate your rules”). Que tipo de pensamento elas lhe trazem à mente? O que exatamente você acha que elas denunciam?

- Qual relação você vê entre a obra e seu título? 

- O ano em que foi feita a obra pode dar alguma dica a mais para que a gente a leia?

Começando com perguntinhas simples assim (não todas, selecione algumas para pensar) você pode escrever o que lhe passar pela mente. Não se deixe abater! E lembre-se que eu pensei em vocês quando vi essa obra de arte no Statens Museum. Quando li esses dizeres da tela eu tive até um arrepio. Fortíssimos!


Comentários

Lúcia Soares disse…
Ichiiii!!! Vai sair bobagem! Mas vou tentar.Não sei o que a artista quis dizer! "Emendando" um banner no outro, de diferentes países e/ou objetos/figuras, poderia ser uma chamada para a união dos povos. As frases são lindíssimas e verdadeiras. Mas não sei o que ela quis dizer. Que cada um é um e em vez de nos unirmos estamos sempre em conflito? Não sei, mesmo. Só "chutei". Como artista, certamente você tem como interpretar a obra. Eu não consigo.
Somnia Carvalho disse…
Lucinha, os países representados nas bandeiras são da Inglaterra e dos Estados Unidos, e então a gente pode pensar o que esses paises tem em comum?

foram paises dominadores, conquistadores e em tantas formas exploradores dos paises dominados.

Cuba e sinal do socialismo. Voce pode pensar no Che que tambem esta num outro banner, pode pensar no Fidel. O socialismo tenta ser uma ideia contraria ao capitalismo, um sistema onde haja liberdade. E a questao e pensar: ha diferenca entre os dominados e dominadores?

Nao sabemos o que a artista pensa ela mesma, mas a gente pode pensar por nos.

As frases talvez se a gente pensar assim:

Lucia voce pode ser livre... o problema e que quando voce usa de sua liberdade, voce fere a minha. Em que casos isso acontece? Pensando na sociedade de forma geral?

Eu realmente nao sei sobre a bandeira da argentina... sobre os outros banners to respondendo nos comentarios do post anterior para a daniela... beijocas e valeu muito a participacao! manda ver brasa! nao tem resposta pronta!,
Nadja Kari disse…
São retalhos de uma vida, ao que me parece.
A primeira coisa que notei foi a bandeira da argentina ao canto.Ã costura para mim indica um certo desapego a uma só patria, talvez uma falta de pátria màe ou uma globalização iminente da vida.
ë algo que está presente em todos os locais. Os diversos tipos de comunismo jogados ao lado de outros icones, que em nada com eles se parecem.

Nào tinah ainda visto antes seu post, me desculpeeee!!!
Desculpe também pelas besteiras que estou falando, acho que a gente sempre puxa sardinha para o lado estudado na nossa vida hehehe
beijooos
Beth/Lilás disse…
Barbuletinha, surtei!
kkkkkkkkkk
Pensei tanto sobre este íntrinsico painel que acho que fundi a cuca!
Conclusões malucas, veja só:
Desolação = angústia, tormento, aflição, destruição.
Besta = anti-Cristo, demônio
Hitler e seu nazismo pode ser esta tal Besta e ficou desolado quando viu que perdera a guerra.

Serão estes símbolos uma mostragem dos problemas do fim dos tempos?

A Globalização tem mostrado também a muita verdade destas frases citadas, como por exemplo "my rules eliminate your rules', que é o caso do consumo geral de produtos chineses, feitos sem regras ou cuidados com as pessoas escravizadas para um trabalho mal remunerado e desgastante fisicamente.

E a frase 'your comfort is destroying my comfort', faz-me lembrar o conforto usado nos países ricos, como aquecimento ou refrigeração que tem super aquecido o planeta e trazendo catástrofes à áreas nunca antes atingidas.

Puff! Pirei na batatinha!

E o que a bandeira da Argentina está fazendo aí, pelamordeDeus!

Explica logo, tô ficando doida!

bjs cariocas
Somnia Carvalho disse…
Hey Nadja, acho que a idéia de pensar na globalização e nos bens todos que a gente sempre achou que ela traria pode mesmo ser uma chave de interepretação boa!

o que nos prometeu a tal da globalização? divisão das riquezas, um mundo mais equilibrado, lutando por direitos parecidos. Pensamos em unificar trabalhos, moedas, economia, tornar o mundo mais igual... mas????

Legal sua ideia!!!
Somnia Carvalho disse…
Lilassss,

adorei sua piração! nao foi na maionese não! não mesmo! muito boa sua análise do grande paradoxo que se tornou o mundo moderno, cheio de promesas de igualdade...

as potencias continuam a explorar, o mundo continua a sofrer e as contradições estão por toda parte. Tudo bem que vc suou a camisa benhê, mas valeu muito a pena! rs...

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que