Pular para o conteúdo principal

Vang Gogh e as pinceladas que hoje falam por si mesmas

(Vaso com quinze girassóis, Vincent Vang Gogh, 1889, Museu Van Gogh, Amsterdã)


“Meus estudos não têm para mim nenhuma razão de ser além de uma
espécie de ginástica para subir e descer nos tons [...]”
(Cartas a Théo, Vincent Van Gogh)


O silêncio de vocês nos comentários sobre o segundo post da série "O que você vê nesta obra" foi bastante significativo.

Ao escolher o Michael Kvium para a primeira pintura da série e saber que se tratava de uma obra pouco conhecida e também polêmica, fiquei em dúvida se deveria alternar com outras menos "chocantes" e, de certa maneira, mais "suaves".

Eu sei que dizer que o holandês Vang Gogh pode ser "suave" é quase um palavrão. E é! o que quero dizer é que se Van Gogh foi extremamente contestador em sua época e ajudou a inaugurar uma forma totalmente nova de pintar,  com experimentações de cores, com pinceladas carregadas de tinta, sem preocupação com retrato fiel da realidade, se ele pensou que uma pintura poderia ser sentida através da expressão de cores da paleta e isso fez com que ele vendesse apenas um quadro em vida, hoje isso é totalmente diferente.

Nossa geração cresceu vendo as telas fauvistas, impressionistas e expressionsitas. Por essa razão a super Lilás, a solitária e brava leitora que comentou o post, disse que "com certeza" ela teria um quadro do Vang Gogh em casa. O gênio das cores tornou-se agradável ao nosso olhar, porque aprendemos a vê-los com outros olhos e com outro tipo de experiências sensoriais. Vemos o pintor com olhos de quem olha e vê um gênio, não alguém que não sabia pintar, ao contrário do que se via na sua época, porque estamos "mais preparados" para ver algo fora das convenções na pintura e na arte em geral.


(A Igreja de Auvers-sur-Oise em duas perspectivas: a de Vang Gogh e a real, captada pela fotografia)

Na pintura da Igreja em Auvers-sur-Oise, de 1890, que pertence ao Museu D´Orsay, em Paris, a gente pode notar um contraste muito forte entre o azul do céu com os amarelos e os verdes do chão. A Igreja, com uma gama enorme de tons pastéis ou amarelados, tem um dos seus tetos em vermelho. Oras bolas por que esse vermelho chocante em apenas um dos telhados? Porque não é a Igreja e sua cor original o que importava a Vang Gogh passar para a tela, mas como o aquele vermelho em contraste com as outras cores do quadro poderia causar a quem contemplasse a pintura de sua Igreja. 

Quando você vê esta tela pessoalmente pode notar uma "tonelada" de tinta no tecido. A espessura do quadro é alta, tal qual o "Vaso com quinze girassóis", do Museum Van Gogh de Amsterdã. 

Eu visitei esses museus em anos diferentes. A Igreja, em Paris, acho que em 2002, depois os Girassóis, em Amsterdã, em 2006, mas a sensação que tive diante das duas telas foi muito parecida. As cores usadas pelo sensível Vincent tem tanta vida que saltam da tela. Dos girassóis o próprio Vang Gogh fez inúmeras versões, uma das quais eu também vi no National Gallery, em Londres, mas que não me causou o mesmo impacto que a de Amsterdã. Dizem que a mais famosa é a de Munique, então eu não imagino o que me espera se ainda houver um vaso de girassóis melhor do que aquele da Holanda.

A tela da Igreja não é grande, mas a gente tem essa impressão diante dela. As pinceladas ondulais dão uma sensação de que ela está se movimentando no ar. Fiquei parada durante uma eternidade só olhando, olhando, sentada num banquinho do museu, enquanto milhares de turistas passavam por ela fotografando e filmando.

Em Amsterdã, esse "choque" de emoções foi por conta dos muitos tons amarelos usados no "Vaso com girassóis". Há um contraste fortíssimo entre cada pétala e outra dos girassóis e as cores são tão intensas quanto o pintor que as pintou. 

Em um livro de bolso lindíssimo, "Cartas a Théo", que você pode comprar em qualquer banca de jornal (e que alguém que já nao me lembro emprestou de mim e nunca me devolveu), a gente pode ler as cartas que Van Gogh escreveu, durante décadas, a seu irmão. Nelas ele esmiúça o uso que faz das cores, e relata suas experiências ora bem sucedidas, ora frustradas. Van Gogh tinha uma ansiedade excessiva e, ao mesmo tempo, encantadora com a escolha ideal das tonalidades e essa era uma característica também de outros pintores de seu tempo. 


"Continuo sempre à procura do azul. As figuras de camponeses, aqui, em regra geral,
são azuis. No trigo maduro, ou destacando-se sobre as folhas secas de uma ala de
faias, de forma que os matizes escalonados de azul escuro e de azul-claro recobram
vida e passam a expressar-se opondo-se aos tons dourados ou aos castanhosvermelhos"
(Cartas a Théo, Vincent Vang gogh, L&M Editores, 1997,  p. 73)


Portanto, o silêncio de vocês comprovou duas coisas: primeira, de que Don McLean, com sua arrepiante canção "Starry Starry Night" ("Noite estrelada", que você não pode deixar de ouvir, caso não conheça) está muito certo quanto afirma qual seria o espanto daqueles que não entenderam Vang Gogh em sua época, se agora vivessem e comprovassem quão gênio ele era. Segundo, o silêncio comprova também uma frase dita por Tadeu Chiarelli, professor e crítico de arte, em minha defesa de tese: ele disse que já na época de Anita Malfatti, 1915 e 1916, quando ela pintou algumas telas inspiradas também em Vang Gogh, o impressionismo e o fauvismo estavam consagrados pelo mundo da arte. Isso me fez pensar que talvez trazer os mestres do "passado", ainda que próximo, não vai ajudar muito na seção "O que você vê nesta tela?" porque nosso olho, acostumado que está, não terá desejo de pensar muito a respeito.

Talvez a gente tenha quando diante da tela num museu, ou para alguém que trabalhe com arte, como eu, mas acho que aqui para o blog, fica mais interessante trazer telas contemporâneas, ou então, bem polêmicas que dêem o que pensar, ver e falar. 

Sendo assim, vai no próximo post um novo quadro para apreciação de vocês na seção "O que você vê nessa tela? Assim como os outros dos quais falei, esse também vi pessoalmente em Copenhaguem. Creio que falar de uma tela que eu tenha visto ao vivo seja mais interessante porque posso fugir das peças que o google e a internet prepara. 

Enjoy it!


Comentários

Beth/Lilás disse…
É, mas 'euzinha' fiz lá um comentário, claro nada técnico como suas explicações maravilhosas!

Van Gogh hoje seria muito festejado e ia ter um montão de gente copiando seu estilo estranhófilo.

Acho melhor mesmo vc colocar pintores contemporâneos e que a gente desconheça a historia dele.

bjs cariocas outonais

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que