Pular para o conteúdo principal

"Para dizer que eu não falei das.."

(Ângelo deslizando no parquinho de onde moramos na manhã de domingo, foto do pai Renato, Malmö, fevereiro de 2010)

... carinhas felizes que também se faz na neve...

Outro dia, quando postei uma foto do Angelito de sunga, debaixo do guarda sol no Brasil junto de outra aqui na neve, no dia que chegamos, todos vocês foram unânimes em dizer o quanto ele parecia mais feliz aí no calorzão.

De fato era verdade. E mesmo que eu explique que ele estava gripado naquela foto na neve a gente já sabe que a explicação não basta.

Mesmo os suecos, nascidos e crescidos aqui, reclamam demais do inverno. O longo inverno, diga-se de passagem, já que eles adoram as mudanças que as estações trazem, assim como eu aprendi a amar.

Por outro lado, é notável como todo mundo por aqui tem um brilho no olhar, tem um sorriso quase pronto no rosto nos dias de primavera e do verão. É assim... somos feitos de sol, somos feitos de energia e dela precisamos. É natural. É humano...

E esse é um dos argumentos que mais me deixam "down" quando penso no Brasil... A gente tem isso todo (quase todo) Santo Dia! Mesmo agora com as chuvas das quais quase todos reclamam, se não contarmos os problemas de enchentes, provocados mais por problemas de planejamento e miséria, a chuva vem uns minutos e vai. Cai aquela torrente toda e o sol brilha logo depois. O céu é azul de novo.

Quando estive na praia em janeiro e em dezembro, no litoral paulista, era isso. E poder desfrutar do sol e do céu azul é um presente que a gente tem. O difícil é que vivendo num lugar que haja isso sempre a gente não perceba mais. E aí é fácil reclamar de um sol meio escondido ou de 25 graus meio nublados.

Uma amiga me disse que andava deprimida no Brasil porque estava a chover demais. Escuro demais! "Escuro demais?, cê ta brincando?", perguntei. "Não... eu não suporto esse escuro..." E eu então disse: "Você com certeza então não sobreviviria à Suécia!"...

Bom, o fato é que não tem escuridão no Brasil. Nossa escuridão vem de outros terríveis problemas, mas a mãe natureza foi bondosa demais com a gente aí. Não tô dizendo que não há do que reclamar, claro que há! E também a gente tem problemas como qualquer outro e tem que superá-los. A vida tem outras dificuldades aí! O que tô dizendo que é exatamente o que vocês constaram: o calor e o sol são capazes de proporcionar sorrisos como os que vocês viram outro dia no Angelinho.

Talvez seja por isso que eu continue apreciando muito a posição das pessoas aqui quando um solzinho no início de abril começa a aparecer e os dias com aquele azul anil. Virados em direção do sol, como animais que agradecem a mãe natureza, eles ficam quietos só "bebendo" da energia. Eles fazem isso nos pontos de ônibus, à beira da praia de roupas, numa cadeira na praça. E eu penso que falta mais isso a gente...

Bom, aqui vamos curtindo a neve que não desgrudou do chão desde que cheguei. Os dias estão bonitos. Ainda não são todos de sol não, mas ao menos são azuis. E eu amo azul. Com quem falo estão todos a rezar pelo começo da primavera. A Prima Vera que faz a gente desabrochar de novo para os sorrisos sem conta. E eu também estou nessa espera ansiosa.


(... e se jogando na neve fofa, foto do pai Renato, Malmö, fevereiro de 2010)
...

Mudando de pato para girafa: estou devendo várias respostas de comentários. Várias! Recebi comentários e emails lindos de leitores e realmente peço desculpa pela ausência. Estou ausente também do blog de vocês e rapidinho eu explico o motivo... Talvez semana que vem eu consiga. Não tem absolutamente nada a ver com descaso ou com estar "brigada" com alguém (viu Lucinha?), mas tem a ver com o meu tempo... Eu conto logo mais e adianto que não se trata em absoluto de motivos tristes.

Beijolinos para todos vocês!

Comentários

Beth/Lilás disse…
Você tem toda razão querida Brabuleta, nós aqui temos em abundância este sol que nos aquece, torra e ilumina, não fazemos tão bom uso dele, afinal quase nada se pensarmos que tudo que usamos é através da energia elétrica e poderíamos usar muito a energia solar, mas é de se esperar de um povo que tem muito poucos esclarecimentos sobre tudo e se embebeda todos os dias com novelas e BBB, jornais televisivos tendenciosos e que só falam desgraças.
Eu entendi plenamente o que vc quis dizer nas entrelinhas deste post e sei que é por isso que admira tanto este país geladinho.
beijos cariocas
Lívia Chaves disse…
Ô meu Deus... q fofo!!! Tá lindo! E o sorriso é o mesmo, lindo, na neve ou na praia! :D
Anônimo disse…
Borboleta, nem me lembra da escuridao! Lulea està cada dia mais clara! O sol que antes aparecia perto das 11, agora aparece perto das 8. Maravilha, hein? Mal posso esperar pelo sol da meia-noite!
Jà a neve deve continuar, ela fica por aqui por uns 6 meses... mas entao aproveitamos pra esquiar, como ontem.
Rir pra nao chorar, certo? rsrs
Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que