22 fevereiro 2010

1+1=4: divagações de uma grávida na terra do gelo

(Eu, fazendo graça na noite do Reveillon fazendo e um sinal que eu mesma ainda não sabia o que poderia vir a ser..., Brasil, janeiro de 2010)


Tá vendo esta foto aqui?Ela foi tirada na noite do reveillon desse ano e eu a usei no meu perfil no blog assim que soube que estava grávida de 5 semanas.

Eu sabia que ainda era cedo demais para contar, mas foi um jeito de eu deixar algum sinal que eu já queria partilhar com vocês, mas ainda não me sentia pronta para.

Bom, cá estou na semana 10 agora olhando para a janela que some ao longe do branco da neve. Faz um mês que cheguei e a paisagem continua absolutamente a mesma. Neva quase todo dia.

Aqui estou para mais um post e para responder alguns comentários super master de vocês, Ju e Lucinha, essa segunda gravidez foi sim planejadíssima. Tal como a primeira. Pensamos sobre isso o ano passado inteiro, conversamos, ponderamos etc. Aí, em novembro, visitei um médico aqui (ótimo por sinal, da Kura Kliniken) para vermos as chances de eu ter ou não os mesmos problemas da primeira.

Naquela, eu precisei tomar injeção para segurar o Ângelo ainda no sexto mês, porque as contrações haviam começado e o parto aconteceria prematuramente (o que descobri depois é bem comum na primeira gravidez) e também tive uma pequenina alteração no sangue, na pressão e na urina. Não havia sinal, mas o fato de isso sinalizar risco de pré-eclampsia fez com que me mantivessem no hospital vários dias antes do nascimento do Ângelo e aí, na data, o parto foi induzido. Se um dia eu tiver coragem eu faço uma narrativa do parto, por enquanto só digo que eles foram extremamente e até exageradamente cautelosos.

O médico, Dr. Bo, um senhor de uns 70 e poucos anos, sorriu tranquilo, nos acalmou e disse: sempre há riscos. Há coisas que se pode prever, outras não. O que eu garanto é que se houver problema nós faremos de tudo para remediá-lo, mas não dá para dizer o que acontecerá. E também nos disse que os problemas que tive foram típicos de uma primeira gravidez e que, normalmente, na segunda isso não aparece. Mas que... vocês sabem...

Bom, decidimos que sim! Queríamos muito de novo outro filho ou filha. O único ocorrido foi que foi assim vapt vupt! Assim como na primeira gravidez tudo aconteceu muuuito mais rápido do que a gente imaginava mesmo. Daí minha surpresa quando vi o resultado. Sabe eu estava só começando a treinar...

A Daniela, minha cara leitora, disse que me admira por eu ser tão bem resolvida e tal. Obrigada querida Dani. Se tem uma coisa que eu acho que eu sou é bem resolvida. Não tenho muita dificuldade para assumir meus erros, pontos fracos. Acho... Sei do que sou capaz, entendo muito bem o que acontece dentro e fora de mim, mesmo que isso leve algum tempo para eu perceber. Mas eu não sou essa florzinha sabe? Infelizmente eu também posso desempenhar bem o papel de casca grossa quando quero... Entende?

Quer dizer, eu estou curtindo muito estar grávida, mas eu não estou inclusa na estatística de 25% de grávidas que não sentem nada. Estou nas que incluem as que sentem tudo: são enjôos, enxaquecas, náuseas, tontura etc que pertubam meu dia e me deixam muitas horas de mal humor, querendo que os primeiros 4 meses terminem logo. E então bem resolvida eu continuo, mas meu! é um sobe e desce que nem eu aguento!

Só o marido e as pessoas chegadas sabem. Viro literalmente uma chata de galochas amarelas. Eu recraaaamo que é uma coisa! "Ai que enjôo.. ai que vontade de vomitar... que dor de cabeça" A boa notícia é que passada essa época eu viro a grávida mais "Magnificat" que conheço... A música que mais cantei na gravidez do Ângelo foi esse "Canto de Maria ao Povo" que eu cantava no violão com minhas amigas Rose e Solange (falecidas em 2002 num acidente de carro) na época que participava da Igreja com elas. Não sei que tanto, mas eu me sentia tão feliz que no chuveiro era só "Minh´alma dá Glórias ao Senhor, meu coração bate alegre e feliz... Olhou para mim com tanto amor..."

Vejam que a gravidez talvez aflore mesmo sentimentos mil na gente, mas eu acho que acaba aflorando é nossa essência. Mesmo aquela que a gente tenta negar, se medrosa, se emocionada, se agressiva, aquilo que somos mas fica meio esquecido. Eu senti como que não conseguindo negar, nem apagar meu passado. Até as crenças em que eu não achava acreditar mais reapareceram de alguma forma. De uma forma reelaborada por mim mesma, mas apareceram. E muita coisa se manteve depois de ser mãe. Foi uma transformação que eu não esperava, nem mesmo queria, mas foi o que houve.

Talvez vocês achem meio ridículo ou ultrajante esse sentimento, mas eu me sentia bem Maria mesmo. Não Sônia Maria, mas Sônia, a Maria. E agora, apesar do mal estar, celebro a cada momento (não que eu não esteja celebrando agora) o fato de ter um ser crescendo dentro de mim. Ainda não como eu quero...

(Depois dos 4 meses de enjôo veio a bonança e a boa disposição pra tudo, Eu num auto retrato com 6 meses na primeira gravidez, buscando inspiração para uma nova tela, abril de 2007)

Eu sei que para algumas pessoas esses sintomas são coisas que eu deveria conseguir controlar. Algumas amigas (que não se sentiram mal na gravidez) e pessoas queridas já sugeriram isso e eu ouço com respeito. Claro que não se entregar e ter disposição de ânimo conta, mas não acho que dependa de mim apenas. Tem dias que empurro literalmente com a barriga e em outros eu canto, faço planos, trabalho. E vou indo. Do meu jeito, obrigada.

Já sinto o "bichinho" mexendo desde agora. Não sinto por fora, sinto lá dentro sobretudo de manhãzinha e a noite. E sinto muito! A verdade é que eu sinto tudo sempre muito e isso é uma vantagem ou desvantagem, depende do caso.

Tenho amigas que me disseram que não sentiam tanto assim o bebê se mexer. E outras que confessaram não terem conversado tanto com seus brotinhos lá dentro do ventre. Eu conversava muito com o Ângelo. Cantava todos os hinos que havia um dia aprendido quando era carola. Cantava MPB ou simplesmente falava enquanto limpava, cozinhava, escrevia tese...

Era uma comunicação maravilhosa.

Eu estava pensando como teria sido quando minha mãe ficou grávida de mim (com 16 anos, em 1970) ou a mãe do Renato e acho que deve ter sido mágico para elas também. Só tô aqui matutando se talvez o fato de hoje em dia a gente ter tantos recursos visuais, livros e vídeos resultados de tanta pesquisa, ajuda a gente a ter uma relação diferente com a gravidez.

Eu sei que a pecinha aqui agora tem o tamanho de uma uva, que já tem bracinhos, perninhas, tem alguns órgãos internos etc. Tenho uns livros (Lamare e Coslovksy, "A Grávida e o bebê") e acompanho uns sites nos quais posso saber tim tim por tim tim o que acontecerá na próxima semana e na próxima e também na outra (Baby Center, na minha opinião, é o mais completo).
Tenho respostas para meus sintomas e meus sentimentos "up-down". Entendo o que ocorre com os hormônios e o porquê da gente se sentir a mulher mais feliz e abençoada num dia e no outro morrer de tédio e pensar se foi mesmo a decisão certa. Isso tudo, tenho certeza, mudou nossa relação com a gravidez. No meu singelo (e talvez errado) ponto de vista mudou para melhor.


Tá certo que podemos usar isso tudo contra a gente mesmo e encanar com tudo. E viajar na maionese pensando em todos os problemas que se possa ter blá blá blá, mas se a gente souber aproveitar uau! dá material para conseguir ir "convivendo" com o bebê desde sua vivência no útero.

(... e depois de 42 semanas completas a dor e a alegria de se ser o que é..., Ângelo e eu, junho de 2007)

Me lembro de que quando o Ângelo nasceu (depois de 10 horas de contrações terríveis e de eu achar que não conseguiria) eu recebê-lo nos braços e já o conhecer. A gente ficou ali quietinho e era como se só faltasse conhecer seu rosto. O resto eu já sabia. E ele também. Não sei se tem a ver com esse conhecimento que a tecnologia permite (me ajudem a refletir nisso também), provavelmente toda mãe antes disso também pôde vivenciar esse momento mesmo sem ter idéia do que ocorria dentro dela. Sei lá! eu tenho a ilusão que eu sou toda ligada assim na gravidez por conta do que sei... mas não sei direito.

Bom, hora de ir... o papo xarope de grávida já deve ter dado sono em vocês...

Antes, porém, Jo Ann, Ana, Luciana, Lúcia, Rita, Maaariah, Myrna, Cintia, Camila, Irene, Cristiane, Mariel, Cris, Xu, Ju, Mari, Márcia, Daniela e Lívia O-BRI-GA-DA!!!

Obrigada a vocês por tudo que me escreveram nos 24 comentários do post abaixo! Foi de muita sensibilidade e foi como receber vários abraços apertados sabe?

E a você, Super Lilás, um abraço especial pelo post de ontem!!! Fiquei emocionadíssima!

Eu só não vou prometer voltar à ativa com o blog e nas visitas já. Depende do dia vai bem, como hoje. Tem dia que tenho vontade tem dia que só quero descansar mesmo. E vocês tão carecas de saber que aqui na "cultura self service" não me resta exatamente tempo para descansar... Sei que a mãe natureza clama por calmaria nessa época. Sinto uma malemolência que me diz: deita! deita! deita já e descansa! Aí páro tudo e tento fazer com que essa gravidez seja mais calma, sem tanto estresse como na primeira. Relaxo e espero... na esperança...

...

update: mudei o título do post de 1+1=2 para 1+2=4 hoje (24 fev), por ter adorado a piadinha do meu amigo Álvaro que me corrigiu na matemática.

10 comentários:

Beth/Lilás disse...

Soninha, meu bem!
Você sabe de tudo, sabe das coisas, conhece seu corpo e suas manifestações, portanto, tenho certeza, correrá tudo bem, acho que até melhor do que a sua primeira vez.
Engraçado é que você está num tempo da sua vida materna e eu em outro, mas sempre estaremos interligadas por um único sentimento ... o amor.
beijos cariocas

Luciana Håland disse...

Que fofo, Ângelo já nasceu com essa carinha linda que ele tem hoje. Ah, claro, näo mudam de cara, mas os bebês assim que nascem ainda tem uma aparência meio indefinida, porque tadinhos, nascem meio inchadinhos, mas Ângelo já tinha a carinha que tem hoje, um fofo. Adorei a foto.

Beijo

Barbie Girl disse...

Minha linda, tudo correrá muito bem, você terá uma linda gravidez e um lindo bebê, muito amado por todas nós blogueiras, que já amamos vc e o pequeno Angelo.
Desejo uma gravidez tranquila, repleta de momentos maravilhosos... que Papai do Céu abençoe esse feijãozinho aí dentro, para que ele cresça bem forte e saudável, e venha ao mundo trazer muitas alegrias e completar essa família que já é linda e amada!!
Quero te indicar um site bem legal, onde você pode acompanhar dicas interessantes e novidades atuais...
http://guiadobebe.uol.com.br/

Beijos

Daniela disse...

Eu quero muito te mandar um email sobre essas coisas todas que vc escreveu ai em cima. Mas acho que não é uma boa hora, vc tem mais é que curtir seu início de gravidez e descansar dos enjôos. Beijão!

Eveline disse...

Oi amiga, tudo?
Parabens, que linda notícia, vi apenas agora, hehehehe.
Confesso que minha vida está uma bagunça, nem consigo ler teu blog, mas fiquei muiittttooo feliz com a novidade.
Que Deus te abençoa e tenha uma gravidez tranquila e saudável.
Vou tentar me organizar melhor e poder novamente te acompanhar pelo blog.
Beijos

Somnia Carvalho disse...

Lilas ja to sentindo isso... a diferenca...

depois explico, mas ja to melhorzinha e percebi que tanta coisa eu ja sei como darei andamento...

se Deus quiser ate o parto vai ser mais facil!!! rs

Somnia Carvalho disse...

Lu,

o angelo nasceu com a cabeca super comprida, de tanto espremer para passar coitado...

mas acho que filho dos outros e sempre joelho o nosso e lindo desde o comeco... rs

Somnia Carvalho disse...

Dani, ja te falei la que nao da para me cutucar e nao falar filha!!!!

sou a mulher mais curiosa do mundo!

manda o email ja! rs

Somnia Carvalho disse...

Eveline lindona,

ce arranjou um amante? e presidenta de companhia ou o que agora amore que some assim????

to com saudade!

Danissima disse...

Somnia,
engraçado vc colocar uma foto enigmatica... vc sempre me surpreende.
beijos