Pular para o conteúdo principal

Somnia ao vivo no Melodifestivalen de Malmö, amanhã!

(Schlager Kvall, Noite do Schlager, Foto de James O´Brien)

(Nota importante: Não passe adiante nesse post se você tem amigos ou amigas suecas ou pretende fazer alguns um dia. São informações de extrema relevância para entender parte da paixão desse povo loiro por música e por outras cositas más...)

Há algumas semanas teve início o programa de tevê, que segundo minha amiga Ju, é o mais visto na Suécia, o Melodiefestivalen, uma prévia sueca para selecionar os melhores cantores e cantoras para o Eurovision 2010.

As músicas, ou os ritmos schlager, como eu já falei ano passado e a Ju também, são canções pouco elaboradas musicalmente, já que normalmente estarão entre as que as rádios mais tocarão no ano todo e que o pessoal brasileirinho mais dançará em festinhas particulares. Música de rádio a gente sabe precisa ser pop e não elaborada, embora obviamente a da minha candidata do ano passado o fosse. Hohoho...

No inverno de 2009 fui contaminada pela síndrome sueca quando assisti com a amiga Xu e um tanto de suecos (que trabalham com ela) na casa de outra deles, a Helena, as preliminares que elegeram minha amiga Malena Ermnan com sua La Voix e, depois, a final (na torre do Turning Torso, no apê dos simpáticos Thomas e Magnus). Naquele dia, foi a vizinha Noruega a levar o prêmio com o mocinho russo, cujo som me innnrrritava que só, mas que agradou a milhares. Lá no Turning Torso a gente quase chorou a perda de Malena e odiei o "norueguês" como se fosse sueca.

Minha participação ano passado e ter entrado para o grupo de amigos suecos da Xu me rendeu convite (ainda não pago, vou pagar amanhã hem Xu!) para ir com eles esse ano e ver a versão do Melodi que acontece aqui em Malmö e onde vou conferir o apresentador de Festival mais improvável para nós brasileiros, Ivan Drago. Ele mesmo, o lutador de Rock IV, sueco de nascença, na verdade é "quite famous" aqui e se chama Dolph Lundgren.

Eu me lembrava dele apenas em Soldado Universal, de 1994, quando eu era bem certinha e bobinha e ele era "mútu mallll", como diz o Ângelo, e brigava com o Van Damme. Os suecos, entretanto, parace que só se lembram dele com o Stallone em Rock IV, de 1985, quando ele ainda estava no auge dos seus músculos.


(Dolph Lundgren em Soldado Universal massacrando o Vam Damme)


(... e pronto para brigar em Rock IV com Stallone)

A seleção do Melodifestivalen ocorre em cinco cidades suecas nessa sequência: Örnsköldsvik, Sandviken, Gotebörg, Malmö (amanhã), Örebro e assim vai elegendo com ajuda de uma banca secreta e do público, através de votação pelo celular, aqueles que estarão na final em Stockholm e representarão o país no Eurovision.

Em dois sábados consecutivos pude constatar, com enjôos e náuseas (provocados pela gravidez não pelas músicas é bom frisar) novamente esse ano o amor dos suecos pela competição. No grupo super engajado na casa da Helena há de tudo. Eles preparam quase como um ritual que fazem há anos: comida gostosa regada a vinho, velas, decoração caprichada na casa e plumas coloridas no pescoço. Isso tudo antes de começar o programa. Depois, mais atentos do que brasileiros em dia de Copa do Mundo e em ritmo de cantorias de velhos shlager o pessoal vai acompanhando emocionado: reclama, põe defeito, elogia, vibra, vota e torce!


(Andreas Johnson, competidor de outros Melodi e uma versão sueca do Bonno Vox, que minha amiga Xu odiou e nossos amigos adoraram)

E eles sabem DE TUDO sobre quem aparece por lá! Tudo, inclusive porque, além do site oficial do evento que traz detalhes, a festa acontece no inverno e o que mais acontece no inverno na Suécia? Niente!

E no fim ainda sobra energia para jogar uma partida de um jogo onde é preciso adivinhar nomes de músicas, cantores e curiosidades sobre o festival, desde os anos 60. A disputa foi acirrada entre dois grupos, mas nós saímos antes do final, dada minha situação gravídica.

A animação para amanhã pode se ver na minha caixa de emails. Eles falam diariamente sobre o assunto e brincam como se fossem crianças!

Então, hoje sairei para comprar as plumas coloridas, imperdíveis num evento assim, para amanhã deixar por algumas horas os meus dois brincando (com total rapoio do maridão que me disse "é tão difícil ser convidado assim de honra em evento sueco que não se pode perder) e irei eu e Xu no evento mais sueco que se conhece, desde que o grupo sueco ABBA ganhou o Eurovision Song Contest, em 1974, com Waterloo.



(Um dos maiores responsáveis pela febre suca por Eurovision, o grupo ABBA, vencedor em 1974)

E só seremos nós duas de brasileirinhas no grupo (ou vai saber no Malmö Arena todo) para conferir! E se você vive por aqui pode talvez, quem sabe, conferir nossa presença e os shlager da noite no canal SVT.

E o melhor: estou há dois dias sem náusea e enjôos! Até a bebezinha (minha intuição também diz que é menina embora eu possa estar quase redondamente enganada e esperando um lindo menino) aqui dentro tá colaborando para nossa ida! Acho que já vai nascer festeira ou festeiro!

Depois eu volto com as fotos todas! E os detalhes... e faço minhas apostas!

Comentários

Camila Hareide disse…
Sonildes, vou te confessar uma coisa, prometa que não fica brava... Eu tenho HORROR, verdadeiro PAVOR do Eurovision. Ano passado assisti à final lá no chalé, porque a sogra PRECISAVA ver. Eu e Lars criamos um ódio profundo pelo Aleksander Rybak e aquela coisa dele que chamavam de música e tocava SEM PARAR nas rádios norueguesas.

Fora o ABBA, acho que nada de bom jamais foi produzido pra isso. E me impressiona muito como a Europa toda é viciada nesse troço, vigemaria!

Hei de concordar, entretanto, que ir assistir ao vivo deve ser divertidíssimo! Aguardarei ansiosamente as fotas e os detalhes.

Agora, vem cá, você tava torcendo pro travesti sueco ano passado? Sério???? Cara, eu e Lars gargalhavamos durante a apresentação da sua amiga Malena Ermnan. Affffff....

Enfim, viva a vida cultural nos países de primeiro mundo!!!!

beijos
Somnia Carvalho disse…
Hej Camilinha moradora das norugas, ainda esto aqui,

olha... eu vi ano passado aqui um dois melodis com o renato... e meu! ele tirava tannnto sarro, ele falava... olha aquela la! que horror! que voz, que musica redicula bla bla.. que era impossivel eu querer ver algo desse naipe...

mas nao tem jeito, se voce vai com os suecos e se vc assiste tentando ver como eles acham legal e tal, e ha festa, aquela cantoria toda, como se fosse um deles, entede? a coisa muda totalmente.

Eu nunca vou discutir nivel musical nesse show... meu! imagina eu escrevi minha tese de mestrado simplesmente sobre critica a musica popular, essa que e feita pra tocar em radio... e ainda com o Adorno, o maior critico de musica de radio que ja houve...

mas estar aqui e viver isso com os suecos e muito engracado, e divertidissimo...

a maior parte das musicas eu nem sei o que sao, mas ano passado eu adorava ficar imitando a malena (haha... e nao acho que ela pareca travesti.. engraçado vc dizer isso) que o renato morria de rir de tao ruim que ele achava..

a musica e boa? nao... a combinacao e bonita? nao.. mas e animada e animou minhas festas com as brasileiras aqui demais.

Acho que to precisando trazer voce pra ca para se contagiar e ai vai ser a norinha mais amada da noruega! hhahaha
Somnia Carvalho disse…
ah... so lembrei tambem que acho que o meu problema e que eu me empolgo com tudo: eu o-de-i-o carnaval, veja so...

e pulei nao sei quantos carnavais na epoca da facul, tudo em minas, porque a turma era legal... eu entro na onda.. mas e a companhia e a festa...

nao quer dizer que eu entre em qualquer rodada so por grupo... epa.. sou uma menina de cabeca no lugar.. rs...

mas sou o tipo que se vai numa festa eu rodo a baiana
Beth/Lilás disse…
Então vou procurar na TV a cabo se tem este festival passando só pra te encontrar na platéia. hehe
Você é mesmo animadinha garota, tá certa, tem que dançar conforme a dança. E num invernão desses isso deve ser bom pra dar umas esquentadas.
Ah, o ABBA, adoro! Vi noutro dia, pela 4a. vez, o bendito Mamma Mia!
bjs cariocas
Camila Hareide disse…
É isso aí, Sonildes, tá na chuva é prase queimar, kkkkkkkkk! Então, eu entendi muito bem o que queres dizer. A final do Eurovision esse ano será em Oslo. Se eu morasse lá, eu ia! Só pra me divertir... Porque eu tomem sô festera!

Então, a gente achou a Malena meio traveco pelo visu que botaram nela (ou que ela se botou) na final... Uma roupa branca horrenda, o vozeirão grave... Demos muita risada.

E no final, em se tratando de entretenimento, a competição cumpre a função: entretém um continente inteiro!!!

E ó, andei vendo que tem até hotel onde temos descontáo aí em Malmo... Quando é mesmo o festival da lagostinha????? Quão grávida você estará até lá? Porque Lars já topou, viu?

beijo
Maariah disse…
Aqui em Portugal o festival não tem nem metade, nem um terço dessa importância. Pelo contrário. Quando eu era pequena lembro-me de ver os concursos, não só o Português como também o Europeu e sim, nessa altura toda a gente via. Agora não. Se antes alguns nomes importantes da música portuguesa participaram agora ninguém o quer fazer e são geralmente artistas em inicio de carreira que aceitam dar a cara. Acho que já nem existe concurso para decidir quem vai, nem sei como funciona agora.

Portugal nunca ganhou, mas além dos Abba outro nome famoso ganhou o festival: Celine Dion, julgo que pela França.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que