Pular para o conteúdo principal

Imagine se você um dia...


(Py Bäckman, "Magisk Stjärna", Melodifestivalen, Malmö Arena, 2010)

"Imagine se você tivesse nascido e crescido num país como a Suécia, onde o inverno rigoroso de seis meses deixassem as pessoas caladas e onde a discrição fosse a chave para viver bem nesse lugar. Um lugar onde as quatro estações lhe tivessem moldado como alguém que planeja tudo antes, pensa antes de falar e sabe controlar bem suas emoções e pensamentos.

Imagine que você, tendo aprendido a ser sueco ou sueca, e adquirido todo seu jeito de ser assim, um dia viajasse para terras muito distantes, onde o calor úmido, o sol quente e a natureza sempre colorida fizesse com que as pessoas ai vivendo fossem calorosas, receptivas e alegres quase o tempo todo. Um lugar onde a música toca alta, onde todos falam alto à mesa e onde durante quase uma semana milhares e milhares saíssem às ruas pulando e dançando uma festa que chamassem de Carnaval.

E, então, você se esquivaria porque seria algo demais popular, demais desse lugar para que você se envolvesse e sentisse de perto a tal vibração da qual um dia lhe falaram?

Não... Tenho certeza de que se seu espírito fosse parecido com o meu você participaria, se envolveria, aprenderia a gostar da festa, talvez pouco, talvez muito, porque você saberia dentro de si que, um dia voltando lá à sua terra natal essa lembrança lhe permaneceria viva, cheia de cores, sons e gente...

Então é por isso, concluí eu ontem, enquanto falava com Albert, o marido sueco de uma amiga, que me questionou como eu podia querer ir e ainda ter gostado do Melodifestivalen. Albert é muito sueco, mas ama de paixão as músicas do grupo "Terra Samba" e me disse que por anos ouviu seu único cd do grupo no carro, enquanto ia para o trabalho. Segundo ele, aquela música ("o terra samba é assim swing swing pra você e pra mim") o enchia de energia e alegria.
O "Terra Samba" que eu nunca teria para ouvir no meu carro, embora concorde que a música seja mesmo muito dançante e alegre e já tenha sacolejado ao som dela.

A festa de sábado para mim pode ser resumida assim: entre nossas plumas coloridas, os cantores, cantoras e grupos que se alternavam na platéia apenas a lembrança de duas me pessoas me ficaram na memória. Uma delas foi uma compositora antiga e conhecida na Suécia, no seu estilo quase ultrapassado, mas assumidamente Janis Joplin, Py Bäckman. Ela, com certeza, minha escolhida, se o critério fosse apenas a melhor música da noite, mas eu sabia que, apesar de eu ter adorado a música, ela não tinha chance alguma perto das melodias mais batitidinhas e repetitivas da noite e Py não tinha perto dos jovens de rosto e corpo que "combinam" com o Eurovion.

A canção cheia de poesia "Magisk stjärna" me conquistou lá e depois me fez dançar com o Ângelo em casa. É daquelas que me fazem viajar, dançar sozinha ou acompanhada, gostar de viver, sem saber bem o porquê...


(Anna Bergendahl, "This is my life", Melodifestivalen, Malmö Arena, 2010)

A segunda, está entre uma das duas pessoas escolhidas para disputar a final em Estocolmo, e foi a outra para quem eu queria ter dado o voto, mas não tive tempo. A suequinha, que ficou conhecida pelo Ídolos daqui, fez a platéia toda se iluminar ao som de uma voz poderosa em "This is my life".

O restante não me diz nada... Tinha gente brega, gente que cantava mal, gente que cantava bem, mas era repetitiva, tido de tudo! No meu "carnaval sueco" só algumas escolas valem a pena ser lembradas, porque o resto é só parte da festa, parte das fotos que verei daqui muitos anos e parte da alegria que contagiou a platéia que estava comigo naquela noite.

Agora eu convido você a ouvir essas duas aqui, embora não precise concordar comigo em gosto nem nada... mas se calhar, você gosta também e entende um pouco melhor o meu tipo de espírito...

Comentários

Camila Hareide disse…
Sonildes, a segunda musiquinha desce bem. A primeira realmente tem mais personalidade... As duas são infinitamente mais agradáveis que a Malena ano passado - eu acho, não fique braba!

Dei risada com o cd do Terra Samba no carro do sueco. Coisa tão improvável e tão real ao mesmo tempo!

Põe as fotas logo!!!!!!
Beth/Lilás disse…
Brabuleta,
A dona Py tem presença, mas o som do sueco é meio gutural em música, não gostei. A "loiraça lúcifer" é bemengraçadinha e canta bem, cresceu bastante do meio pro final, mas o que adorei mesmo foi o modelito branco de alcinhas com meias pretas e aquele All Starr vermelhinho. Fashion nos úrtimo.
Agora mes explica: podem cantar em sueco ou em inglês, é isso?
E você, tava onde no meio daquele povaréu todo?
bjs cariocas
Somnia Carvalho disse…
Camilinha,

sabe que a apresentadora, que e uma comediante famosa aqui tambem, fez um montao de gracao imitando a Malena no sabado... era gravado e fez todo mundo morrer de rir...

na verdade todo mundo percebe que ela e uma figura meio caricatural... aquele cabelo branco comprido, pele morena demais, voz de opera em musica pop... haha... ela tem tudo para virar piada! ah! e ela e vesga! tadinha dela... mas eu nao sei explicar porque me simpatizo a beca com ela!

aqui na suecia a malena ja era mui famosa antes do melodi... e tiram sarro porque ela diz que e super normal, embora ela seja super diferente!

se eu achar o video das piadas eu te mando!

voce tambem nao gostou da Py??? rs...

o post ta pronto, so falta postar amanha!
Somnia Carvalho disse…
Querida Lilla,

eu acho lindo o som da voz dela e o som do sueco cantado, acredita?

mas acho que estranha mesmo no comeco!

se eu te mandar um video de dinamarques voce vai morrer entao! eu acho terrivel o som do dinamarques, suuuuper gutural... eu nao acho o sueco gutural, como dinamarques e alemao... eu acho que e mais nasal. Quando tento imitar os sons deles percebo que eles nao trazem para a garganta como o alemao, que era muito mais dificil pra mim...

muitas vezes e no ceu da boca que a lingua tem que parar...

entao!!! mas que legal que vc gostou do visu da menina porque eu adorei!!!
Camila Hareide disse…
Sonildes, eu escrevi que a Py tem personalidade! Não vou te dizer que amei, mas é decente...

Põe as fotas logo!

beijo

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que