Pular para o conteúdo principal

Good Morning Star Shine, parte 3: são os opostos que se atraem?


(A leitora Marilena, o maridão Sérgio e a linda e sorridente prole: Elena, Luísa e Eduardo)

O dia aqui amanheceu mais quentinho, 4 graus, mas o dia está feio lá fora. Exatamente o contrário do que parece ser o dia da minha conterrânea, também emigrada, Marilena.

Lá em Toronto, no Canadá, o dia amanheceu ensolarado e tem deixado os dias dela radiantes, cheios de uma energia que a gente só conhece quando vive sem sol e luz por meses e meses. Coisas que eu e a Marilena entendemos muito bem e que explica nossa alegria brotando de dentro, quase sem explicação com os números positivos no termômetro.

A Marilena, mais uma daquele tipo do "gente que faz" é leitora do meu blog. E eu do dela. Um blog gostoso e tranquilo de ler(que ela partilha com o marido Sérgio, embora eu perceba mesmo é a fala dela lá), onde partilho de sentimentos parecidos sobre a experiência de viver fora do país com a família e da experiência de SER intensamente, todos os dias.

Foi seu email sobre o post "Leitor, mostre sua cara" que me fez pensar como os meus leitores, embora possam ter personalidades até opostas à minha são, na verdade, gente muito igual a mim. E eu fiquei maior orgulhosa disso! Fiquei porque é gente que eu acho bonita. Gente que admiro, entende?

A Marilena é farmacêutica, defendeu seu mestrado com 9 meses de gravidez do primeiro filho, na área de oncologia (só para ressaltar o quanto a moça não brinca em selviço, oncologia é a ciência que estudo os tipos e manifestações do câncer), porque ela "gosta mesmo é de pesquisa científica", afirma. Um pouco ao contrário de mim que, apesar de ter amado escrever minhas teses e tal, adoro mesmo é uma farra em sala de aula e gente, gente, gente!

A Marilena é casada e adora estar casada com seu Sérgio. Tal como eu que adoro estar com meu Renato. Ela também é mãe. Curte tanto a tarefa que deu uma pausa das pesquisas e do trabalho para cuidar das três lindas e saudáveis crianças que vocês vêem aí acima: da Helena, da Luísa e do Edu. Eles devem ter respectivamente quatro, dois e meio e seis aninhos, já que a idade mudou desde que ela me mandou a foto. Exatamente o mesmo que eu fiz, quando às vezes me pego tão envolvida com o Ângelo que me esqueço dos quase 8 anos de mestrado e doutorado. A Maternidade tem disso!

A Mari sente mais ou menos o mesmo que eu, a gente vai criando uma intimidade e amizade com quem lê e sente como se fosse amigo mesmo:

"Adoro ler os seus posts e aprender com vc. Acho o Angelo uma graça de criança e é engraçado como vamos nos tornando quase intimos dos autores de outros blogs. Não é raro eu citar alguem ou alguma situação que li."

As semelhanças são tantas que esses dias a Mari falou lá das coisas que lhe incomodam no Canadá e eu podia até copiar a lista para um post aqui no Borboleta, caso quisesse.

Embora nunca tenha ouvido a voz da Marilena, como nunca ouvi da maior parte de vocês que passam por aqui, eu sinto como se a gente fosse tão próximas. E eu entendo que essa relação nessa rede virtual se dá porque são os iguais que se atraem mais, mesmo que deles saibamos mais sobre o que sentem e pensam do que seus sobrenomes, como eu não sei o da Marilena.

Os opostos até podem se juntar por um tempo, mas, ao contrário das leis da física, o que ajuda mesmo a permanecer junto são os pontos semelhantes, os que nos unem.

O que me une à Marilena e a tantos de vocês são coisas assim que a gente acredita e vive. O mesmo que une a mim, uma pisciana-artista-filósofa a um virginiano-engenheiro como o Renato.

Os opostos se atraem sim, mas os iguais são os que mais se entendem e conseguem ficar mais tempo coladinhos. Disso eu não tenho dúvidas físicas nenhuma!


Comentários

Mari disse…
Obrigada pela post Somnia. Adorei!!! Fiquei muito emocionada! Esta semana está sendo uma semana muito feliz por aqui porque estamos com dias maravilhosos e amanhã, dia 18, completamos 1 ano de Canadá, com muitas emoçoes contraditórias a cada dia, mas muito felizes por esta grande oportunidade.
Quero te agradecer pelo post, mas principalmente pelo blog que sempre me ajuda a viver com mais leveza e alegria, e me ajuda a pensar na minha vida e neste mundo maravilhoso que nos rodeia.
Um grande beijo,
Marilena
Beth/Lilás disse…
Gente, que família linda!
Pena que as pessoas, na grande maioria, não gostam de deixar comments ou se mostrarem!
beijinhos cariocas
Eliane disse…
Olá Somnia,
compartilho desse carinho que você tem pela Marilena. Eu á conheci a cerca de 3 anos ou um pouco mais, e depois disso senti essa mesma afinidade que você sente, apesar das diferenças, isso é muito bom!
Grande beijo, Eliane
Anônimo disse…
Também sou super fã do blog da Marilena. Adoro o jeito que ela escreve e suas experiências como imigrante aqui em Toronto. Uma das coisas que me fez gostar do blog dela, foi o jeito que ela aborda o multiculturalismo sem preconceitos e com interesse em conhecer a cultura canadense e dos outros imigrantes. O engraçado é que ela escreveu no blog dela que vocês duas têm isso em comum rsrs.

Estou chegando no seu blog agora... Acho que vou gostar... Ultimamente nem sinto mais falta das novelas do Globo. Blog são mais legais que novelas rsrs.

Um abraço e aproveite a primavera!

Mariana

marianaoz@yahoo.ca
Jux disse…
Oi Somnia!
sou leitora quietinha há muito tempo e é tão interessante como q gente vai criando um laço de carinho com pessoas que a gente só conhece "virtualmente". Leio pelo menos uns 15 blogs todos os dias, escritos por pessoas especiais, cada qual num canto do mundo, acompanho alegrias, fico emocionada junto...
E assim fiquei feliz com sua família que "aumentou", como é luminoso teu menininho e como aprendo com cada post tão bom de ler...
Uma vez eu li/ouvi uma frase muito singela que diz assim dos opostos: as pessoas tem que ser iguais i bastante para se compreenderem, e diferentes o suficiente para se completarem e se amarem...

Beijukka!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que