Pular para o conteúdo principal

"Tous les matins du monde"

("La musique", Henri Matisse, 1939)

O dia está azul. De azul celeste o céu e turquesa o mar. Já posso ver o gramado que há dois meses estava coberto pela neve. A cor do dia engana sobre os -2 no termômetro, mas tudo já está com a vida que anuncia a Primavera.

Dentro de mim continua, gracias à vida!, crescendo alguém e os enjôos começam a ficar mais espassados.

Estou bem feliz hoje! Primeiro porque escrevi o post abaixo, respondendo a uma carinhosa leitora sobre dicas para quem se muda para cá. Segundo, estoy ocupadíssima com meu segundo workshop. Sim! Sim! Salabim! como diz minha amiga Xu...

Por conta daquele primeiro, duas pessoas que lá estavam agora querem que eu organize outro, com dinâmica e objetivos diferentes, para um grupo de cem pessoas. Lá mesmo na Sony Ericsson.

Por conta disso estou inspirada com pintura e música, que será o tema do dia para o time que trocará seus dias objetivos e práticos para um mergulho na arte.

Para mim é sempre bom demais trabalhar naquilo que mais adoro fazer. E talvez por conta do "sucesso" que eu mesma atribua a isso em momentos assim sempre lembro de uma coisa boba, mas inesquecível, que aconteceu, quando entrei para a faculdade de filosofia, durante nosso "trote de calouros".

No meio dos milhares de calouros que entravam naquele ano de 1994 na Unicamp, junto aos veteranos de outros cursos, havia a banca da filosofia com três estudantes. Um deles (não me lembro dos outros) o Giovanni*, cujo olhos azuis a gente não esquece, perguntou-me: "Sônia, qual o motivo de você ter escolhido filosofia? Fama, dinheiro ou poder?"

Era uma pergunta para a qual não havia resposta, já que, segundo eles, a filosofia não prestava para nada dessas coisas. Aliás, essa era a grande arma da filosofia: ela não se prestava a ninguém, nem a coisa nenhuma.

Passei no teste dos calouros e não recebi nem guache, nem ovo nem nada para a decepção de uma caloura interiorana. E, depois de muitos anos, estou eu aqui. A diferença era que minha expectativa quanto à fama, dinheiro e poder nunca foi muito grande e de, certa forma, fico feliz em ter um pouquinho de nada disso tudo!

Desejo um dia cheio de liberdade e energia boa para vocês ao som de "Une jeune fillette", da trilha do inesquecível filme "Todas as manhãs do mundo". E uma porção inspiradora para a Dri que logo embarcará em terras francesas de novo. Bom dia!



("Une jeune fillette", Melodie populaire, arrangement, J. Savall)


...


* O Giovanni se tornou meu amigo depois e vivia recitando poemas pelos corredores. Ele era inteligente e sensivel demais, mas não chegou a terminar o curso conosco. Viajou e não mais voltou. Dedico essa canção a ele hoje...

Comentários

Adriana Cechetti disse…
Bonjour, ma cheri,

E que inspiração! Adorei. E eu, que já estou cheia de expectativa por mais essa viagem, me enchi ainda mais de alegria com o seu texto, por sentir seus sentimentos vivos, alegres e inquietantes, como sempre.

Parabéns por mais um workshop! Vc realmente merece esse sucesso internacional. E que suas manhãs continuem sendo tão inspiradoras quanto as de hoje....

Au revoir!

Bisous
Somnia Carvalho disse…
Driiiii

ouve a musica depois em casa!

beijocas
olhodopombo disse…
passei por aqui,
adorei ver/ler os posts...
minha disciplina preferido no priemiro semestre de Museologia foi justamente os
Fundamentos da Filosofia, com um professor
que esta fazendo Doutorado em Kant.....
Beth/Lilás disse…
Parabéns, Sonildes, mais um convite e pelo jeito agora será um atrás do outro!
Tava inspirada mesmo com a bela música, adorei!
bjs cariocas

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que