Pular para o conteúdo principal

"Always on my mind": sobre meu workshop e o que a arte pode fazer em nós

(Alguns objetos pessoais para criar uma atmosfera agradável e a programação da tarde escrito do jeito antigo, Workshop de pintura da Somnia, Lund, novembro de 2009)

Era cinco e trinta e quatro da tarde e a cidade já caía numa escuridão imensa. Da estrada eu via muitos pontos acesos nas casas e nas empresas ao redor e o farol do meu carro iluminava a estrada negra.

Ao som dos Pet Shop Boys cantando "Always on my mind" na rádio local, o dia todo e alguns momentos especiais iam passando pela minha cabeça tão rápido quanto a paisagem ao meu lado.

Em casa me aguardavam Ângelo e Renato e eu dirigia em direção a eles e atrás de mim ficara o grupo de 17 pessoas, todos suecos e suecas, que estavam no meu primeiro workshop de pintura na Suécia.


(Puxa sofá de outra sala, espalha livros, empresta tapetes e muda a cara séria da sala de reuniões, Workshop de pintura da Somnia, Lund, novembro de 2009)

Enquanto meu carro avançava sobre a paisagem negra da Escandinávia pensei em minhas primeiras turmas de redação em 1998, no Brasil, e no frio na barriga que senti nas primeiras vezes.

Pensei também nas primeiras aulas de pintura que tive, há sete anos, com minha agora amiga Eloísa. Nos cursos do MAM, em que a gente criava de tudo com as tintas e os papéis. Lembrei dos museus por onde andei pelo mundo e das telas maravilhosas que pude ver ao vivo. E também do quanto eu um dia iamginei ser a pintura apenas para alguns bem dotados.

Me vieram à mente ainda s aulas na universidade e de como eu me escondia entre as prateleiras da biblioteca de letras lendo Fernando Pessoa sentada no chão. Pensei nos dias solitários que passei com minha escrivaninha e Anita Malfatti, preenchendo páginas e páginas de um longo doutorado.

E, por último, me veio a expressão no rosto daquelas 17 pessoas, até então desconhecidas, com as quais tive contato ontem. Seus olhares e sua ansiedade para ouvir o que eu tinha a dizer. A forma como as suecas sairam literalmente correndo para pegar as telas maiores e iniciar sua pintura. O jeito dos moços sorridentes e brincalhões constatando que haviam se sentido muito bem durante todo o tempo e que os colegas todos deveriam ter uma tarde daquela.

E assim como num filme eu lembrei de todos me elogiando e me agradecendo no final e pensei como é normalmente fácil para a gente reconhecer que os outos são bons, mas por que será que é tão difícil aceitar que a gente mesmo possa ser essa pessoa admirável, digna de elogios?

Foi o que tentei falar ontem um pouco. Todo mundo é capaz de criar. O mais difícil não é o desenhar e o pintar em si, mas estar aberto para olhar para as coisas de um jeito novo.

O workshop foi um sucesso. Assim foi o que a amorosa gerente do grupo me disse inúmeras vezes. Falando em inglês, apesar de todos eles terem o sueco como primeiro língua, eu falei rapidamente sobre algumas teorias de desenho e pintura e como liberar a parte do cérebro que cuida da criativade de um jeito mais rápido e fácil.

Exercícios de desenho com fundo musical, conversa e partilha, pintura com ajuda individual. O grupo pôde criar o que queria e fui ajudando individualmente cada um.


(Os integrantes da equipe de Gunilla na primeira atividade de desenho, Workshop de pintura da Somnia, Lund, novembro de 2009)

Meu inglês tropeçou em alguns momentos, mas deu para o gasto, embora eu tenha sentido que preciso ler mais, praticar mais para ter um vocabulário mais rico. Apesar de que isso não parece ter sido um problema. Animados, alguns disseram querer começar a pintar mais em casa. Outro simpático rapaz saiu decidido a fazer um curso de pintura no período da noite, depois do trabalho e voltar ao seu antigo hobby que era pintura. Outros propuseram que eu desse o workshop para mais grupos e que façamos exposições nos prédios da Sony Ericsson em Lund com todas as pinturas feitas durante os encontros. Uma das moças, linda e tímida, chorou e me abraçou, como normalmente os suecos não o fazem quando não conhecem alguém. Confessou que teve duas perdas há alguns meses e está passando um período difícil. A pintura tinha a ajudado a liberar seus sentimentos e projetar um mundo mais branco no futuro. Entre tumultos negros e sangue uma figura ia em direção a luz...



(A empolgação masculina não perdeu em nada para a feminina, Workshop de pintura da Somnia, Lund, novembro de 2009)

Outros faziam piadas com sua tentativa de pintar e não se sair tão bem. Eu ia aqui e ali. "Sônia, please, can you help me here..." E tudo foi tão bom.

No volante e na escuridão eu me senti extremamente aliviada, feliz, orgulhosa de mim mesma e até um pouco poderosa. No bom sentido. Poderosa no sentido de que a gente as vezes percorre um caminho e percorre e percorre e de repente vê resultados. Senti uma coisa gostosa como a que sentia quando estava na frente de 120 alunos nos pré-vestibulares do Brasil. É algo realmente bom saber que sei algo que o outro quer aprender. Saber que posso partilhar o que aprendi nos livros, na vida durante esses anos.

Aprender é fantástico, mas ensinar, para mim, é fantástico e meio. Ter a sensação de que posso acrescentar alguma coisa na vida do outro e talvez mudá-la um pouquinho é bom demais. E tenho até um problema obsessivo de quando estou aprendendo algo novo eu já penso em como posso ensinar aquilo.

A sala de reuniões da grande empresa sueca ontem parecia um ateliê de pintura no Brasil. Mudei tudo, tirei móveis, coloquei outros, levei livros, flores, música, pinturas e telas. E minha amiga Xu que, por acaso trabalha numa outra área, estava lá para me dar uma super ajuda. Na Suécia não tem a moça que faz o café, nem o moço que carrega os móveis, nem a que faz a limpeza depois. Fiz, fizemos tudo sozinhos. Desde a tranformação, que uma outra loirinha disse que nunca mais se esquecerá, quando estiver em uma reunião na mesma sala, até a limpeza total. No fim, ficaram alguns para me ajudar e inclusive levar todo meu material até o carro.
Isso é bem legal nos suecos. Ninguém acha que a parte dele, mesmo que ele seja um super gerente, não inclua pôr a mão na massa.


(Charlotte em seu momento criativo, Workshop de pintura da Somnia, Lund, novembro de 2009)

E é assim. Como tudo na vida o workshop passou. E espero, creio que outros virão. Tenho planos e é isso que me leva sempre adiante. Muitos. E ontem, cantarolando no carro eu pensei neste post e em dizer uma coisa para vocês hoje: que o sentimento que eles todos tiveram ontem não foi proporcionado por mim, sem falsa modéstia. O que eles sentiram tem a ver com a transformação maravilhosa que a arte pode fazer conosco.

Criar é algo que simplesmente nos modifica por inteiro.

Ontem me lembrei de coisas remotas que já fiz como curso de pintura em guardanapo, quando era bem adolescente. Do curso de pintura art noveau em espelhos com uns 18. De quando cantei em corais na mesma época e como decorava os salões das comunidades onde organizávamos encontros. Lembrei-me com saudade do curso de dança flamenca em Campinas, quando eu tinha uns 25, dos de pintura e o atual de cerâmica.

Em todas essas experiências eu me senti como que flutuando para um outro mundo. A arte, qualquer que seja, pode tirar-nos desse mundo e transportar-nos para um mundo melhor. Um mundo de sensações e possibilidades. E a única coisa que precisamos fazer é experimentar. Tentar.


(E a bagunça estava formada, Workshop de pintura da Somnia, Lund, novembro de 2009)

Você pode tentar qualquer coisa. Não precisa ser pintura. Nem desenho. Pode ser qualquer outra atividade criativa. Você pode cantar num coral, pode fazer oficinas de escrita, pode fazer decoupagem e transformar seu móvel velho. Pode se inscrever num curso de bijouterias perto da sua casa. No Brasil há simplesmente um leque enorme de cursos, alguns grátis inclusive, para se fazer e aprender. Juro para vocês! Não consigo imaginar minha vida sem essas sensações. Não consigo imaginar minha vida sem literatura, sem música, sem filosofia, sem arte, sem pintura. Não mais. Antes disso tudo eu sempre vivi bem sim, mas esse portal mágico só se abriu depois de eu ter me aberto para isso tudo.

E se você resolver provar tenho certeza que não vai querer mais voltar atrás... como eu e talvez como alguns suecos e suecas simpáticas que tive o prazer de conhecer ontem.

...

ps: eu consegui decorar quase o nome de todos eles, mas como não pedi autorização para escrever o post, apenas para as fotos, eu não estou citando os nomes de cada um.

Comentários

Camila Hareide disse…
Sonildes, parabéns! Por ter cumprido a tarefa, por ter alcançado algo que planejou, por ter tido sucesso... Muito bom esse sentimento! E parabéns pelo post! Ficou lindo!

Agora, vem cá, Campinas? Náo sabia desse seu lado campineiro. Se eu te disser que TODA a minha família (menos eu e irmã, nascidas em Sumpaulo), você credita? Vai ver somos parentas....

beijo
Camila Hareide disse…
Quis dizer toda a minha família é de lá! Escrevo mais rápido do que penso????
Unknown disse…
Que bonito!! Parabéns pelo sucesso! Fiquei, aqui, torcendo muito,muito mesmo pra você ! Comemore !!!
Lúcia Soares disse…
Sônia Somnia, que alegria ver sua alegria! É isso mesmo, temos que nos orgulhar do que fazemos e nos dar os créditos. Sinto que andei passando pela vida, não vivo realmente. Tudo pra mim se resume em obrigações. Atualmente o que me acomete é uma preguiça total, não posso ter um momento livre que fico parada, olhando pro tempo, nem tenho vontade de sair!
Mas dar a volta por cima só depende de mim, sei disso!!!
Não uso o argumento de que já "estou velha" pra fazer isso ou aquilo. Não mesmo. O que me falta é vontade.
Parabéns pra você e mais e mais sucesso, sempre.
Um beijo da amiga que ainda vai ter um prazer enorme em dizer: "Sônia, a artista brasileira que mora na Suécia e está "bombando" por lá?. Conheço ela! É minha amiga!" Rsrsrsr
Bj
Beth/Lilás disse…
Querida Sonia,
Você faz mesmo jus ao apelido de "borboleta", pois foi assim que te vi retratada neste lindo post vitorioso. Parecia uma borboletinha pousando aqui e ali, levando incentivo e conhecimento aos alunos, essas pessoas daí que deixaram um pouco sua roupagem de profissionais da área tecnológica para terem este encontro bonito de luz, cor e energia.
Eu queria ser uma pulguinha para ver tudo isso de perto.
Posso dizer que em algumas coisas sou parecida contigo, pois até em coral já cantei, fiz minhas lindas decoupages, tapeçaria, pintei quadros, claro que tudo copiado, nada criado da minha cabeça, mas fiz. Adoro também qualquer forma de manifestação de artes, como a música e literatura, poesias, cinema, exposições.
Ficaria murcha copletamente se vivesse longe disso ou de pessoas como você. Na verdade, pessoas assim me atraem como abelha para o mel.
Você foi mais uma vez brilhante, luminosa, uma borboletinha fluorescente na negra tarde sueca e garanto que aquelas pessoas sairam dali leves, chegaram em casa felizes para mostrar aos seus o que realizaram, como crianças no jardim de infância. Que barato!
Parabéns e que tenha muitos outros encontros como este em sua vida para o privilégio de outros e sua realização pessoal!

um super beijo carioca
lola aronovich disse…
Uau, Soninha querida, que sucesso esse workshop, hein? Parabéns! Pelo jeito haverá muitos outros...
Olha, vou ter que passar o seu link pra minha mãe, que também é artista. Espero que ela não tenha preguiça de passar aqui, porque vcs têm muito que conversar.
Abração!
Dona Flor disse…
Parabéns!! Que delícia! Se eu morasse mais perto iria também participar, estou precisando reencontrar as cores e pincéis que deixei no Brasil.
Beijos.
Adriana Cechetti disse…
Cunhadíssima,

Fiquei emocionada em cada frase do seu texto. Adorei o cenário que vc criou e viajei junto pensando em como os suecos puderam dar asas à imaginação, inspirados na sua criatividade e descontração. E sim! Você é uma pessoa admirável e isso eu já sabia há muito tempo! Parabéns!

Bjs
Xu disse…
Baby,

Fico muito feliz pelo resultado do seu excelente trabalho! Feliz por aquele "frio na barriga" ter dado lugar à realizacão pessoal, profissional, artística, etc. Feliz tb por eu, de alguma forma, fazer parte desta história. :-D
E espero, do fundo do coracão, que este seja apenas o abre-alas de muitos outros. E conte comigo pro que der e vier! ;-)

Quem diria que uma "brincadeira" no seu ateliê renderia tanto, hein?!?!

Agora precisamos sair pra comemorar seu sucesso!

Bjos
Lívia Chaves disse…
Somnia, parabéns!!! Imagino o quão maravilhoso foi esse workshop. Vc é uma pessoa incrível, sim, é verdade, pode aceitar os elogios! E não é preciso te conhecer pessoalmente para perceber isso. PS: O espaço ficou lindo
! Bjs!
Mari disse…
Muito legal ver a sua animaçao. Eu acho que o mundo das artes a cabeça da gente de tal forma que não tem mais volta. Eu não sei pintar nem desenho impresso com lapis de cor, mas adoraria. Sou louca por pintura e em qualquer lugar que eu chego a primeira coisa que me chama a atenção são os quadros nas paredes. Como cheguei agora no Canadá estou em uma fase "nacionalista" e descobrindo os artistas canadenses e ando encantada.
Imagino que o workshop tenha mesmo sido muito bom para ambas as partes, assim como o seu blog o é. Tenho aprendido muitas coisas por aqui e adoro ler os seus posts.

um beijo

PS: uma mexicana que faz ingles junto comigo disse que não gosta de música, aquele "barulho" a irrita. Eu não consigo imaginar como uma pessoa possa viver assim.
Anônimo disse…
Somnia, que relato lindo!!! Sempre escrevendo tao bem que mesmo um post comprido nao cansa e a gente fica querendo mais!
Se nao foi tu a razao do sentimento deles ontem, mas foi tu que proporcionou, e quantos serà que nao teriam conhecido o poder da arte se nao fosse através de ti?
Eu acho também uma coisa maravilhosa!! Jà mexì com tudo dentro da arte, e hoje me restou o que no momento eu mais gosto: literatura e scrapbooking. Terapia pura, um momento sò nosso.
Mil parabéns pelo atelie, todo o teu esforço parece ter sido recompensado, e que venham muitos mais!!!
ps: inveja da escuridao vindo depois das 5 da tarde... rs Aqui 3 jà està preto!
Somnia Carvalho disse…
Gente toda,

estou respondendo comentarios de frente para tras... entao volto a esse post assim que der para responder todo mundo com muita calma ok? agora vou preparar um texto pro curso de sueco e dormir... beijao
Somnia, nao importa sde tropecou ou nao no inglês. Todas nós tropecamos, Somnia, quando vamos tentar mostrar nossos trabalhos, em terras alheias.
eu lemrbo que, dois anos atrás, quando eu fui falar para umas 100 pessoas, aqui na Suécia, sobre a vida da crianca refugiada, titubiei, mas, no final, eles disseram:

SEU R É DIFERENTE...QUANDO VC FALA REFUGEE(é que eu nao pronunciei re e sim rré.
mas, a gente vai aprendendo..Brevemente, vou abrir uma exposicao de meus trabalhos. e creio já poder me expressar em sueco.
Uma coisa de cada vez,.
sua arte é linda. e acredie nela..A gente, tbm, consegue tocar as pessoas pela arte
bjs e dias felzies de mutia sorte
graceolsson.com/blog
Cíntia disse…
Sonia, que lindo. Hoje estou passeando com tempo pelo seu blog, me encantando com seu jeito de escrever e claro, adorando. Suas frases são elaboradas com um sentimento tão palpável que parece que podemos absorver suas emoções. Parabéns. Você é ótima! E muito talentosa! Abraços de uma fã de Estocolmo.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que