Pular para o conteúdo principal

Tem coisas que nem o dinheiro nem o cartão Mastercard...



Hoje a tarde, saquei minha câmera a fim de tirar algumas fotos dos meus objetos prediletos , adquiridos naquele meu valioso lixo, para usar no segundo post da série "Do lixo ao luxo".

Estava aqui só eu e Ângelo e ele começou a fazer gracinhas e me abraçar para tirarmos uma foto juntos.

- Então dá um abraço gostoso pra mamãe (eu sempre falo de mim mesma na terceira pessoa com ele, não sei bem porquê...) tirar uma foto junto com o Ângelo..., pedi eu.

E lá veio ele! Cheio de sorrisos sinceros, me dando tantos abraços e beijos, cheio de amor para dar:

- Mamãe tira mais uma..., pediu ele dezenas de vezes.

Claro que com os vai e vem, quando chequei vi que eu tinha saído toda picadinha em absolutamente todas as fotos, mas quando notei que ele obviamente saiu méravilhoso e que talvez alguém não acreditasse nas minhas sábias e corujas palavras resolvi que um post com as imagens ia bem, já que os outros todos que estou louca para publicar são mais demorados e trabalhosos do que este aqui...

Bom, minha sabedoria de botequim de mãe, onde se toma leite com bolachinha, é a seguinte:

Há coisas que o dinheiro não consegue comprar, mas nem mesmo para elas existe um cartão tipo Mastercard ...

Há alegrias e presentes que ganhamos nessa vida que vêm de graça e a gente não sabe nem mesmo se há um jeito de agradecer.

A boa notícia é que para que nunca nos esqueçamos disso é que existem nossas abençoadas câmeras fotográficas...


Comentários

Beth/Lilás disse…
Que lindinho ele!
Tão alegrinho! A quem será que ele puxou?
A tiazona coruja da internet fica babando com ele.
Boa semaninha aí procês!
beijusssssss
Eita sorriso gostoso!!

A titia envia vibraçoes muito positivas para que essa alegria e inocencia perdure por toda vida!
Beijos e uma linda semana, com muita sombra e água fresca!!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que