31 julho 2009

Eu, minha pintura, minha alegria e minha cafonice, tudo de uma vez só.


(Ângelo ao fundo do parzinho de tulipas que achei no lixo do prédio que repintei ontem, Malmö, julho, 2009)


É quase zero hora na pacata Malmö, a noite está uma delícia e meu computador está prestes a virar abóbora.

Do meu ateliê ouço Bob Dylan e tenho as mãos ainda com restos de tinta seca. Acabo de pintar uma nova tela. Três tulipas coloridas em três vasos brancos. O quadro é colorido e simples, mas é significativo. Expressa minha alegria e expressa o porquê dela: o valor das coisas simples. Estou feliz porque Renato voltou para casa e porque depois de matar a saudade, de presentes, abraços apertados e conversa gostosa percebo que somos cúmplices além de amantes. Estou feliz porque minha cunhada chega amanhã e iremos dividir algumas boas conversas de novo. Estou feliz porque liguei para minha mãe no telefone dela e ouvi sua voz acolhedora. Falei com minha cunhada e sei que meu novo sobrinho vai indo bem. Estou feliz porque cheguei à sexta-feira tendo finalizado tudo que esperava no início da semana. Quantas besteiras pode uma pessoa cobrar de si mesma e quantas eu me cobro. Percebi, entretanto, que embora eu procrastine mesmo tanta coisa que disse antes o que me cerca é meu lado artista de ser. Posso ser uma péssima artista para qualquer um, mas eu vejo o mundo como tal. Ontem, quando no meio da casa de perna pro ar parei para pintar duas tulipinhas de madeira que achei no lixo há um tempo, porque não me basta limpar e ajeitar eu preciso criar, eu percebi que nem tudo que a gente vê de mal em si mesmo é exatamente algo ruim.

Percebo que sou confusa. Sou esquecida. Faço e refaço mil vezes os mesmos passos o dia todo. Sou dispersa e me perco. Sou essencialmente focada em um milhão e duas coisas ao mesmo tempo...


(Ângelo de manhã, rabiscando a tela que pintei agora a noite, com a inspiração inconsciente que veio do lixo, Malmö, julho, 2009)

Uma amiga querida me diz por email que sou sua amiga mais forte. Passei a semana sozinha com Ângelo, sem faxineira, sem avó, sem ninguém por perto e vou dando conta, diz ela... Eu, por hora, tenho sempre olhos para os meus defeitos. Os emocionais e os físicos. Enquanto só tenho olhos para minhas rugas, uma amiga diz que alguém lhe disse que eu era linda. Linda? eu? Só podem estar de brincadeira. Só tenho olhos para minhas falhas e ouvido para as críticas. E atenção para o que não consegui fazer e para as flores que não eram exatamente as que eu queria ter colocado no vaso hoje. E porque não tenho um blog engajado e político, mas todo deslumbrete. Porque falo de mim e de coisas simples. Porque escrevo quando estou feliz e prefiro ficar mais quieta os dias que estou triste. Porque a vida pulsa tanto em mim em dias e noites assim que eu não tenho vontade de ir pra cama. Estou viva. Posso amar quem amo, posso abraçá-los e apertá-los ou posso ouvir a voz deles ao telefone. Posso falar o que sinto com gente que nunca me viu mais magra. Posso sujar minhas mãos de tinta numa noite azul cobalto e ver o mar ali adiante. Não sei falar do ruim e acabo sempre parecendo florzinha. Trabalho duro todo dia e me irrito muito mais do que deveria, mas mudo de direção num segundo se uma música me toca, se uma frase carinhosa me atravessa, se um texto me comove, se uma história me cativa, se uma flor me fascina ou uma amigo me emociona.


(Minha amiga Liana, na minha chaise longue, posando para que eu a desenhasse na última terça, Malmö, julho, 2009)

Nessa semana eu fui fazendo e desfazendo. Procrastinava e depois voltava. Fui e voltei. Esbocei um quadro com a amiga Liana, enquanto as crianças dormiam. Fiz uma lavanderia de seis horas e alternei com beijinhos, nhoque e moqueca junto de Liana e sua família. Longe dos meus eu tenho saudade, mas vejo nos que aqui tenho uma amizade fiel. É isso que me deixa tão feliz sempre. As pessoas, as mesmas que também me deixam triste de vez em quando.

Sou tão piegas e assim escrevo. Sou a mesma que era quando criança e adolescente e adoro dizer "obrigado vida" por momentos intensos assim...


(Velhas, sujas e opacas, do lixo para minha casa: nova cor e nova família, Malmö, julho, 2009)

Um beijo para minha sempre professora de pintura Eloísa, porque toda vez que meu pincel colore uma tela eu penso nela e no seu jeito transbordante de viver. Amo vocês todos! E desculpem a cafonice!

26 comentários:

maria disse...

- ' posso amar quem amo'. divino!

Camila Castro disse...

Dona Borboleta, és apenas humana! Ainda bem que não tens um blog político e engajado - a net ficaria muito chata se fosse feita só deles. Precisamos também ler de vez em quando poesias do coração, como essa que vc, inspiradíssima, acabou de escrever!

Obrigada por compartilhar! Me faz sentir humana também, com defeitos e tudo!

um beijo azul-celeste, que é a cor do meu céu, ao menos pela próxima meia hora!

Luciana Håland disse...

Adorei as tulipinhas, adorei a sua chez lounge.
Menina, você tem alma de artista, acho que os artistas são meio assim mesmo, muita criatividade, a cabeca fervilha, e por ver mais que as outras pessoas a beleza das coisas, ou digamos que não veja mais, mas preste mais atencão, isso deve gerar as exigências.
Eu também gosto de criar, mas não sou talentosa, crio mais na mente do que produzo, mas vez ou outra tento. As tulipinhas ficaram ótimas com o colorido que você deu.
Beijo e bom sabadão.

Luciana Håland disse...

Ah, e você usou a palavra cafona, acho o máximo ser cafona, mas o que é mesmo cafona?
Porque o que rotulam de cafona pode ser um luxo pra gente, pode ser prazeroso.
Falar em cafona fiquei doida por umas samambaias hoje, e dizem que é cafona, se bem que li dia desses que agora já está voltando a ser chique de novo, kkkk
Adoro umas breguices, acho que dar um colorido a mais nas nossas vidas.
Beijo.

Beth/Lilás disse...

Brabuletinha Somnia,
Breguice nada! É como disse a Luciana, o que é ser cafona!
Sua danada, sempre me emociona!
Só mesmo alguém com alma de artista como você para buscar inspiração nas coisas que iam para o lixo. Tá parecendo o Joãozinnho Trinta! hehe
E, tira uma dúvida, não é chaise longue? De qualquer forma, a sua é um charme com esta forração super in.
beijocas cariocas da montanha

PS: Que barulhinho é este no seu blog? Tô intrigada!Parece que vc puxa uma folha, escreve e depois desiste, amassa e joga fora. Será?

Luciana Håland disse...

Também fiquei encafifada(estou desenterrando palavras) com esse baurulhinho, procurei e procurei cadé a baleia mergulhando, e nada de achar, mas... Achei. Beth, é um golfinho mergulhando, fica aqui do lado direito, nas cidades visitantes de hoje, o golfinho pula e mergulha e o barulhinho da água que a gente escuta. Achei fofo demais isso.
Beijo

Beth/Lilás disse...

Oi, Lu!
Isso mesmo, vi agora! Legal!
E essa dona borboleta fica só voando e nem aparece para nos dar uma resposta!
Alôoooooooô, dona borboleta por onde vc anda? haha
bjs cariocas

Lúcia Soares disse...

Adoro indecisões, indagações. É estar viva.Eu vivo, vivo, e me sinto cada vez mais boba,mais ingênua, menos engajada, enjoada com quem levanta muitas bandeiras. Deixa a vida fluir! Bj

novavidanovelhomundo disse...

Vou dizer que estou com as maos coçando.. sempre gostei de arte, ou de "fazer arte", e como visita na casa dos sogros e recém-chegada do Brasil, nao tenho praticamente nada que exija criatividade. Snif snif.
Trabalho manual é tao, mais tao terapeutico!! Eu jà fiz um pouco de tudo, falta mesmo brincar com tinta em tela, e tu me deixa com uma vontaaaade de fazer bagunça!!

Barbie Girl disse...

Minha linda amiga!!

Apenas es humana!! Com um coração gigante, um filho e uma família linda e super inteligênte e criativa!!

adoro seu blog!!

beijos

Daniela disse...

eu sou o contrário. sempre tive mais facilidades para escrever sobre minhas dores. minhas alegrias, meus amores, raramente passam pelo meu blog. Eu acho que tenho medo de parecer cafona. Só que lendo o seu texto não vi cafonice, vi beleza e humanidade no melhor sentido da palavra.

Beijos

Ju Moreira disse...

"Só tenho olhos para minhas falhas e ouvido para as críticas. E atenção para o que não consegui fazer e para as flores que não eram exatamente as que eu queria ter colocado no vaso hoje"

Isso pareceu tão Juliana!! ;)

xero grande amoreco

novavidanovelhomundo disse...

Pronto! Inspirada pelo teu post, que foi o que me deu o clique de que é essa parte criativa minha inerte que està me encomodando nesse verao, comprei mais um àlbum de scrapbook com besteirinhas lindas pra ele! Valeu, brob!!

Eveline disse...

Oi amiga
Estive fora do mundo por uns dias..., ficou lindo o novo visual do blog. Sinceramente acredito que para se ter alma viva e brilhante dentro de nós é necessário um pouco de tudo e isso inclui até cafonice, viva a vida, pessoas lindas como você não deveriam se preocupar com detalhes como esse.
Beijos
Eveline

Somnia Carvalho disse...

Maria!!!

so pensei na ambiguidade do que escrevi quando voce ressaltou a frase: posso amá-los porque eles me amam tal qual eu os amo... posso ama-los porque eles estão vivos e presentes, porque existem!

Somnia Carvalho disse...

Camila,

jura que nao precisa ser engajado? oba! rs...

eu ate quero e eu adoro discutir coisas cabecas e cheis de criticidade, mas nao sei porque ... nao no blog... e nao sempre! so de vez em quando...

Somnia Carvalho disse...

Lu, o meu sofa vermelho e lindao ne? sabe que foi mais escolha do meu marido engenheiro que minha? quer dizer eu amei na loja, mas nunca esperava que ele dissesse: e equele??? todo mundo tem mesmo um lado que sai do convencional!

poe pra funcionar o seu que eu quero ver!

Somnia Carvalho disse...

Lilas super certíssima!!!

sim se esreve chaise! e eu tenho mania de digitar como falo! brigada pela correção fofa!

e jura que ta no nivel do Joazinho criativo 30?

obaaaa!!!! preciso investir nisso!!!! criar algo bem brasileiro na suecia seria uma boa dica!

beijoca

Somnia Carvalho disse...

Lu e Lilas,

siiiimmm benhes! eu demorei pra responder mas e isso! a baleinha super ecologica fica ali nadando e enchendo o saco com o barulhinho... rs

nao sei se gostaram, mas logo troco para nao cansar!

e desculpem a demora pra responder é que a dona brabuleta tava bem ocupadinha comendo strudel na alemanha... desculpem queridinhas, desculpem!

Somnia Carvalho disse...

Lucinha,

é isso: Deixar fluir... e um treino que deve se fazer todo santo dia!

Somnia Carvalho disse...

Mariel,

não tem como eu ver o que voce criou menina?
queria ver!!!

que bom que meu post cafonao coçou suas mãos!!! adorei saber!!!

Somnia Carvalho disse...

Barbie girl,

voce sempre cheia de elogios!!! faz um bem pro ego que so!

Somnia Carvalho disse...

Dani lindona,

quem escreve bem não parece cafona! haha.. to falando isso pra voce!

eu sempre levei na cabeca, sempre teve alguem me dizendo que eu era meio bregona, entende? nao com as palavras assim, mas era isso!

eu sou mesmo um tipao feminino ao estilo sidney magal!

Somnia Carvalho disse...

Ju,

a gente e boba junto entao? rs...

preciso aprender, preciso aprender a gostar de que gostem de mim...

Somnia Carvalho disse...

Eveline, amiga,

toda vez que vc escreve eu gosto tannnto! eu sinto voce uma pessoa tao carinhosa e tao perto... me lembra uma amiga que tenho em braganca paulista...

sempre que vc passa meu coracao saltita de alegria! juro!

Liana disse...

Olá minha amiga, suas palavras me tocam, me fazem parar e perceber que não estou sozinha, que outros sentem o que tantas vezes sinto...
Agradeco por ter te conhecido e permitido dividir seus muitos pensamentos, momentos, risadas, filhos....
Obrigada por me sentir bonita de novo... fiquei super feliz em poder ser sua "musa"....as vezes esqueco que sou a mulher Liana, pois a mãe Liana vem sempre na frente...
Mas naquela tarde, por algum tempo, enquanto as criancas dormiam claro, pude me sentir a mulher dentro de mim... ela esta aqui e sempre esteve!!!
Obrigada pela amizade... é mais do que um presente ter voces perto de mim!!!
Beijos do fundo do coracao Liana