Pular para o conteúdo principal

Nossa porção maluca de cada dia

("Hóhóhó, Crazy Harry Puppet)

Que eu tenho andado total sem tempo por conta de estar com Angelinho o dia todo, vocês já estão carecas de saber. E que eu não tenho escrito muito também aqui por conta disso e por conta de "ter que" aproveitar o verão que parece já estar querendo ir embora, vocês também já ouviram mil vezes de mim... mas! de uma coisa vocês não sabem: isso tudo, na verdade, é mentira. 

Quantas vezes eu já estive tão ocupada quanto, mas conseguia escrever e responder aos comentários? Estar sem tempo, estar com o Ângelo que, claro, não me deixa chegar perto de computador se for algo para mim, é apenas uma desculpa que minha porção maluca dá para mim mesma e, por consequencia, para vocês.

Percebi isso agora de manhãzinha, quando pensei: "putz! nunca mais escrevi um post legal no blog". Nunca mais significa talvez uma, duas semanas, depende da idéia de "um post legal" para mim mesma.

Eu cansei da cor do meu blog e tal. Disse que ia mudar e não mudei. Essa é a parte neurótica. Acompanhem comigo: eu não preciso mudar a cara do blog, mas eu tenho que. Eu já "tenho escrito" na cabeça e é só digitar uns 6 posts, pelo menos, que digitei mentalmente nos últimos dias, mas não escrevo. Por que? Porque eu sou maluca. Minha maluquice consiste em ter uma ordem para fazer as coisas que calhe de ser a que imaginei. E decoração, imagem e layout tem que constar sempre nos meus requisitos. Eu não quero escrever um post, porque já imaginei a foto, como as do aniver do Angelinho, mas não mudei a cara do template e olha só que coisa! elas não combinam. 

Minha amiga alemã Nikol disse que é o tipo que se tem que limpar ela começa limpando a casa. Claro, eu acabei de dizer que ela é alemã. Eu preciso limpar a casa e começo mudando os quadros de parede. Vou preparar uma aula e acabo indo parar na loja de tinta, criando um lilás mais pro azul cerúleo, manja? para mudar a parede da sala. 

Isso tudo não quer dizer que sou de falar e não fazer não. Eu faço, mas eu dou voltas. E só eu mesma sei o tamanho que das voltas que dou. Nesse caso do blog, till exemple, em todos os minutos que eu normalmente escreveria um post das última duas semanas eu usei para procurar um template que me agradasse tanto quanto esse agradou daquela vez, mas não consegui achar. Eu exijo demais e mesmo tendo umas centenas a disposição eu continuei insatisfeita com as cores ou com um detalhe aqui e ali que, claro, não combinavam com o título do blog ou isso e aquilo.

Bom, sem contar que até mesmo quando só quero responder aos comentários eu também já queria ter feito a "arrumação da casa" do blog e, então, começo por procurar os templates novamente. Eu não respondo os comentários porque quero ler os posts de vocês e comentar lá, e não leio porque não mudei o template atual que está sem os links de novo. É uma roda e são manias. Manias neuróticas e totalmente descartáveis, mas não consigo mudar muito. Você pode até pensar que isso é coisa de gente que não tem o que fazer, mas eu tenho provas concretas que não. Pode perguntar para uma amiga psicóloga que certa vez me disse que meu problema não era preguiça era hiper atividade. Além de tudo que uma mãe e dona de casa trabalha em suas "férias", em outras épocas eu fazia o mesmo, mesmo com uma tese de doutorado, dezenas de aulas para dar, casa para arrumar, e tudo mais.

Lembro-me que, quando precisava concluir o segundo capítulo de meu doutorado, eu consegui pintar a casa de duas amigas queridas na mesma semana. E dava aula e tinha minha casa para cuidar. São maluquices que me pegam em todos os tempos. Ou vai ver eu preciso só ser pintora de casa!

Veja um outro exemplo: mês passado recebi a visita de uma querida amiga da época da Unicamp, a Daníssima. A gente já tinha viajado, morou no mesmo condomínio de estudantes onde era uma bagunça, mas eu fiz questão de gastar o dia anterior à chegada dela organizando meus cds e dvds (daquele museu que falei antes) que estavam numa caixa, numa desordem só, desde minha mudança. Acompanhem comigo e me respondam: eu não fiz a cama dela, não passei os lençóis, eu arrumei os cds. Ficou lindo! mas os tais cds, claro, minha amiga não teve nem mesmo teve tempo de ver ou ouvir! E eles estavam longe de ser prioridade: não dá para comer, nem dá para dormir neles. 

A Daníssima adorou a estadia e eu também. Foram horas maravilhosas, mas eu já tenho preparado na minha cabeça descompassada que eu "tenho que" arrumar a última caixa antes da chegada da próxima visita que será de minha querida cunhada Dri, daqui duas semanas. A última caixa, percebam que suuuper problemático, é de documentos. Milhares deles que não consegui organizar desde minha chegada na Suécia, mas, obviamente, eu desejo fazer antes da chegada do próximo visitante. 

Quanto ela notará disso? Nada. Nadica. Por que então eu continuo deixando que minha porção neurótica e maluca dite as regras do que tenho que fazer hoje ou amanhã? Por que, na explicação dada por minha outra porção (espero que não tão maluca assim) dá é que se eu assim fizer poderei deixar essa pulga atrás da minha orelha ir embora e descansar em paz. Eu também não terei que procurar cada página de documento quando meu santo marido, que não acha concha na gaveta de conchas, por exemplo, me perguntar onde anda a senha para a senha da loja de senhas. 

Essas são expicações rasas e ralas, sem psicologismo nenhum. Usando deles eu teria que escrever mais uns posts longos que eu não tenho tempo agora, mas poderia arriscar que eu tenho mania de canalizar energia para outro canto e "fugir" de tudo que preciso fazer, fazendo algo que não preciso exatamente naquele momento. Poderia pensar também que sou alguém que necessita de organização externa para as organizações internas, mas aí ficaria a dúvida o que internamente tô precisando arrumar. 

De qualquer maneira não dá para ir nas análises, recorrer à psicologia ou aos psicologismos que eu, de fato, A-DO-RO, porque além de tudo isso passaram-se longos 13 minutos desde o início desse post e meu Ângelo tá pedindo: "Traktor tube, mamãe" que significa "Quero ver vídeo de trator no youtube mamãe!". 

Para terminar eu adoraria se vocês, gente que me apóia em tanta coisa, me provasse que não sou a única maluca na história toda. Eu gostaria mesmo de que alguém mais confessasse aqui, perante esse tribunal virtual, se também sofre de síndromes desse tipo, embora finja muito bem para os seus que nada de normal acontece no Reino da vossa cabeça. Eu vos lhes pergunto-lhes: qual consiste ser sua porção maluca?

Pode confessar. Com ou sem psicologismos. Livre arbítrio.

Talvez isso me ajude a tirar as caixas do ombro ou me ajude a assumi-las e organizá-las sem mais demoras e sem mais culpas.

Comentários

Camila Hareide disse…
Putz, agora voê tocou num ponto difícil... Nesses três meses de Noruega me tornei a rainha da procrastinação! Ao contrário de vc, se algo me incomoda, jogo pra debaixo do tapete, finjo que não vejo! E também diferentemente de vc, sem filhos, sem trabalho, sem estudo, tenho muiiiiittttooooo tempo de sobra, e acabo escrevendo no blog mais do que minha criatividade dá conta. Acho que tudo isso na expectativa de que "quando eu começar na escola" ou "quando eu arrumar um trabalho", etc, as coisas "se normalizem"... Mas afinal, o que é mesmo normal? Jogamos a vida como conhecíamos pela janela pra viver em outro mundo. Demora mesmo, a adaptação, ou isso é mera desculpa de mal-adaptados??? Sou eu quem precisa de ajuda pra responder essa pergunta!

A minha culpa mora no fato de eu estar sentada no sofá escrevendo no blog, ou de inventar moda na cozinha, enquanto o marido se esfola pra trabalhar e pagar as contas. No começo "é assim mesmo"... Mas entre saber de antemão que é assim e viver o momento do "é assim mesmo" sáo duas coisas completamente diferentes...

Sei lá, emtende? Divagações...

Um beijo pra você, e jogue fora as coisas que te incomodam (mesmo que metaforicamente)...
Luciana disse…
Ah, você não é única não e não sendo única já passa para a categoria dos normais. Eu também dou voltas demais pra fazer alguma coisa, veja o estudo do norueguês, dois anos sem ir pra escola, só agora tomei coragem, mas toda semana pensava nisso.
O pior é que a gente ainda perde tempo nos dando desculpas, pensando nos porques.
O post sobre babás que eu disse que ia escrever, mentalmente já escrevi várias vezes, mas no blog ele ainda não chegou. E esse é apenas um dos muitos.
Também às vezes não atendo o telefone, e fico de retornar a ligacäo, e penso muito mais em fazer isso do que faco, depois de uns dois dias vou arrumando desculpas porque não liguei. Meio maluco, mas deve ser hiperatividade e excesso de coisas para nos desconcentrar.
Quando venho pro computador e abro o blog, vou ver novela, vou ver os blogs da minha lista, procurar outros, olhar fotos, ler reportagens, fofocas, ver o orkut, e quando vejo já se foram 4 horas e nada de blogar.
Já a procrastinacão que Camila comentou acima eu optei mesmo por ela, sem culpa, porque cansei de culpas. Mas as outras coisas que vou deixando pelo caminho e me distraindo, como não atender o telefone, também, apesar de arrumar desculpas, eu não me sinto culpada.
Já chutei o pau da barraca faz tempo.
Aproveite o verão que tá curto, aqui só chove.
Beijo
Somnia Carvalho disse…
Oi Camila!

eu acho que no fundo eu tambem procrastino, mas eu sou o tipo que hiper ativo que se sente mal em nao estar fazendo o que preciso, entao eu me enfio nessas outras coisas.

Voce tem razao: esse inicio e terrivel! dificil mesmo se adaptar, dificil ficar em casa quando quer comecar tudo, mas ainda precisa de um monte de pre requisito. Pra mim foi um pouco mais facil por conta do Angelo. Me enfiei em atividades com criancas e maes, desde ele pequeno e conheci muita gente.

Como e na Noruega? e igual a Suecia que o Estado tem os cursos de linguas gratuitos? Eles realmente ajudam. Aprender a lingua um pouco e se ocupar aprendendo e muito bom. Alem dos amigos e tal... fora isso que so falando a lingua da para pensar em trabalho, por exemplo.

Nao e facil, mas a gente continua buscando respostas! rs...
Somnia Carvalho disse…
Lu,

Eu ja te disse que vc se resolve facil! rs... eu sou ao contrario!

Entao, a gente aprende a priorizar coisas... nao atender todos os telefonemas, nem ligar msn e skype foi um deles...

aprendi que preciso me dedicar ao que preciso. Voce ta certa! agora essa coisa de nao fazer e realmente se sentir bem eu preciso aprender com voce ainda minha amiga!
Eu também faço isso e sei que no final, acabo não fazendo nada do que deveria, pq perdi mto tempo no que não era "importante"...
Quero fazer, quero me organizar... então, ditei regras para mim, estou organizando uma coisa de cada vez e tento no fim do dia, fazer um programa, uma agenda de tarefas para o dia seguinte!!
Com minha casa, marido e filho, já consegui e você sabe tanto o quanto eu, como isso é importante, para nossas cabeças doidas, rs!!

Não se preocupe, não fique nervosa, até porque isso só vai te estressar e o verão vai passar!!

beijos querida!
Camila Hareide disse…
Oi, Somnia...

O sistema do ensino da língua pra estrangeiros aqui é igual. No momento são 300h antes de pedir o visto permanente - o governo pensa em aumentar pra 600. Começa em Agosto, só não sei se estarei com a papelada em ordem pra começar este ano... E sozinha em casa é dose, em função das distrações... Mas chego lá!
Anônimo disse…
Ai ai, precisa confessar mesmo?
Eu faço o que tenho que fazer, mas que seja ràpido! Se a coisa leva muito tempo, eu canso e passo pra outra! Eu me disperso fàcil fàcil. Tenho pra mim que meu problema é um sentimento excessivo de "gostar". Eu gosto disso, gosto daquilo, depois me interesso por aquilo outro...e assim vou pulando de galho em galho. Ainda no ùltimo post que escrevì meu pai deixou um comentàrio do tipo "lembra quando tu tinha 13 anos e me disse que precisaria de 4 vidas pra viver tudo o que tu queria?".
E por isso talvez seja bom que eu perca o interesse em algum momento!
E tem outra coisa, o "ter que fazer". Nao gosto de ter que fazer, gosto de fazer por querer. Me manda ler um livro que jà me dà preguiça, mas coloca ele em cima da mesa que eu começo a ler na mesma hora, por exemplo...
Beijos
Mari disse…
Lendo seu post e os comentários estou me sentindo bem mais normal porque eu sou exatamente como vc. pra mim as coisas precisam ter uma ordem e eu me sinto culpada se eu saio da ordem. veja que loucura: eu tenho dezenas de blogs que eu leio, alguns eu adoro e comento sempre, outros eu apenas leio e mal sei quem é o dono. Mas eles são atualizados no meu blog e eu me sinto culpada se deixo de ler algum. Então eu vejo os blogs dos amigos atualizados mas tenho que ler os outros antes e as vezes nao consigo ler tudo!!! O Sergio fica maluquinho com isso porque as vezes ele já está no carro com as crianças e eu me lembro que não arrumei as camas e então eu vou arrumo tudo rapidinho, mas vejo que se não arrumei as camas eu tb não varri o quarto e por ai vai e ele buzinando desesperado...
Lendo agora eu vejo o quanto isso é maluco, mas na hora faz tanto sentido e é tão importante, né? Que bom que não sou só eu!!!

bjs
Anônimo disse…
Muié,

Pelo visto vc não está sozinha no mundo (dos loucos...rs), né?

Vc foi testemunha que eu decidi organizar meus álbuns de fotos antes da chegada das minhas visitas (minha mãe e tia Sonia) esta semana. Fotos estas que já estavam "organizadas" dentro de um armário com porta... mas eu TIVE QUE guarda-las numa caixa bacana, e a caixa dentro do mesmo armário. Será que teremos tempo de ver fotos, durante as próximas semanas? Provavelmente não. kkkkkkk

E o jantar pro dia que as duas chegaram, cansadas? Nada! Abri a geladeira e fizemos um belo lanchinho.

É, vai entender...


Beijos
Xu
Beth/Lilás disse…
Well!
Quem é igualzinho a você aqui em casa é meu filho - completamente baratinado! Não sabe se namora, se fala no MSN com um amigo para marcar a boa da noite, se vê recados no Orkut e facebook, se ouve suas músicas que compõe no micro, se me mostra um último som que fez, se o trabalho que tinha que fazer em grupo foi feito e acaba que não foi e terá que voltar mais cedo para a cidade onde estuda para fazê-lo Uma loucura total! Me deixa exausta, esta é palavra, completamente cansada de ver ele rodar e não sair do lugar. Aliás, acaba saindo, mas cansa só de ver a volta que ele dá.

Percebo nele e talvez, seja isso que ocorre contigo, que ele prioriza aquilo que gosta, faz bem feito aquilo que curte, mas as outras coisas que são necessárias e fazem parte do mundo exigente em que vivemos, para ele sempre são colocadas em segundo plano.

Eu, já sou mais organizada mentalmente, se tenho algo pra fazer, vou organizadno primeiro nos pensamentos e depois ponho em prática seguindo a ordem que estimei. Acabo sempre fazendo tudo, mas não sei se este é o melhor para todos, afinal cada um tem seu ritmo e não podemos mudar isso nas pessoas.
Só sei que em ambos os casos, ficamos cansados e estressados muitas vezes, pois a vida está mesmo muito corrida, muito exigente.

beijinhos cariocas
Lúcia Soares disse…
OI, queridona sumidona.
Eu sempre fui organizadíssima, sabia onde estava tudo, de que lado da gaveta, debaixo ou em cima de quê, onde, como, porque, então, tá bom...E hoje estou há 3 semanas tentando "enfiar" nos armários novos o que tirei dos velhos (armários..). Juntei tudo numa varandinha que tenho no meu quarto, coberta, e vou lá, olho, mexo numa coisa, volto com ela pro lugar onde está, saio, fecho a porta e...amanhã arrumo (na minha cabeça).Acho que as coisas andam passando tão depressa que a gente se "baratina". Estou, na realidade, é sem paciência.
Acho que a Beth falou certo, você faz mais depressa o que lhe dá mais prazer. Então, quando foi arrumar os CD's em vez da cama, por exemplo, estava priorizando o prazer de assentar e ouvir ou ver vídeos com sua amiga, mesmo que não houvesse tempo pra isso. A cama podia ser arrumada ha hora exata dela ir dormir, mas os discos tinham que estar à vista, à mão. Acho que é mais ou menos isso.
E se isso não lhe incomoda nem atrapalha sua vida, sua família, seu lar, continua assim mesmo, uai!
Somnia Carvalho disse…
MOLERADAAA!

os comentarios sao bons demais e ja ssscrivi um post na cabeca respondendo... digito logo logo!!!

beijos
Anônimo disse…
Soninha querida,
quando li seu blog pensei comigo, nao acho que se aplica muito a minha pessoa, jah que eu uso minha listinha de "to do's" pra tudo, mas hoje muito engracado me peguei na mesma situacao e soh percebi agora, cheguei com as criancas da escolinha por volta de 5 da tarde e decidi assar um pao de bananas. Esquentei a janta dos pequeninos, limpei a cozinha, servi a sobremesa pra eles, limpei a cozinha de novo (meus filhotes sao bem sujinhos quando comem), Levei as criancas pro jardim para brincar, chequei meus e-mails, hora do banho, prepar o leite, hora de dormir. OK, pao de bananas, preparar ingredientes, onde estao as nozes? Preciso procurar no armario, que bagunca, vou arrumar e no processo encontrarei as nozes. Dois armarios mais tarde nao tenho nozes em casa. Decidi em pao sem nozes. Finalmente as 9:30 da noite coloquei o pao no forno e percebi que demora 1 hora para assar. Estou cansada e nem posso ir dormir. Acho que finamente percebi que somos todos normais...
Beijos grandes,
estou com saudades.
Sandra Reynolds
Daniela disse…
"eu faço, mas eu dou voltas. E só eu mesma sei o tamanho que das voltas que dou"

hohohohoho

Eu poderia ter escrito esse post! Incrível como eu às vezes levo aaanooos planejando fazer coisas mais ou menos simples.

E tb tenho isso de não escrever um post novo sem responder os comments do anterior, por isso às vezes levo 1 mês sem postar. Enfim, enfim...me aceito, mas sempre procuro melhorar nessas coisinhas.

Beijos

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que