28 julho 2009

Leia esse post hoje, ou, se preferir, amanhã.

("Meu duplo", Michael Kvium, 1994)


Molerada toda (já que nem um homem se dignou a assumir sua porção maluca),

Para começar, eu ainda não organizei aqueles tais documentos. Aproveitei o fim de semana para ir com meus dois numa Festa Brasileira, na cidade de Båstad (lê-se "bôstód...rs) e estava uma delícia. Obviamente ainda tenho a tal pendência, mas devo dizer que escrever o post, ler vocês e tentar entender meu próprio plano maquiavélico de fazer eu mesma me sentir mal levou-me a algumas atitudes diferentes. Para começar consegui "pôr de lado" a idéia dos documentos por hora e priorizar o que preciso fazer mesmo até sábado, quando chega minha visita. Comecei hoje pela parte prática.

Para continuar, a discussão que vocês sustentaram nos comentários foi extremamente fértil e pensei em aprofundar a idéia do primeiro post, inclusive porque acho que o tema que eu queria mesmo pôr em questão ficou meio diluído em minhas divagações. 

A conclusão das minhas e das reflexões anteriores de vocês foi mais ou menos assim: já que todas vocês também são malucas, então eu sou completamente normal. A questão agora parece ser: por que a gente deva se incomodar em ser normal, mesmo quando isso implique em ser maluco?

Eu diria que o fato de eu não ter feito aquilo que eu disse que "tinha que" fazer só confirma aquela minha parte neurótica. Várias de vocês assumiram, tão genuina e corajosamente, o quanto sentem que procrastinam. Procrastinar é uma característica que assola milhares, além de nós. A gente procrastina de estudar para a prova do ginásio e deixa para repassar a matéria um dia antes. Procrastina, deixando para pagar aquela conta no banco, para declarar imposto de renda, para comprar o presente de casamento do amigo ou para ler aquele livro super legal que emprestou na biblioteca. 

De pronto, isso não seria um problema. Não há nada de mal em adiar uma ação e escolher fazer uma outra por livre e espontânea vontade, mas o problema começa quando isso não só torna-se frequente, quando também nos traz alguma sensação ruim: sentir-se derrotado ou culpado é prova de que houve, de fato, uma escolha e a decisão não foi movida por uma força interior, mas por alguma fraqueza escondida.

Percebo que sou procrastinadora tal qual a Camila, a Lu, a Cínthia, a Mariel e a Daniela se assumiram aí, mas é o que me move a adiar algo em detrimento de outro e me sentir mal por isso que me fez pensar sobre o assunto anteriormente. A Lúcia até me disse para não esquentar e me assumir, caso isso não me incomode, mas incomoda querida Lúcia. 

Não incomoda, por exemplo, num caso como hoje quando parei a limpeza e arrumação ao ver, pela janela, uma regata acontecendo em frente de casa. Com o céu azul, sol e aquele monte de barquinho colorido não tive dúvidas. Peguei Ângelo na Madalena, liguei para a amiga Liana e sua Giovanna e fui! Isso não me deixou mal. O marido tá na terra do Horácio do CSI, estamos de férias e não posso deixar passar a claridade num dia assim. Não na Suécia!


(Duas cenas que pagaram a procrastinação de hoje de manhã: o mar e o céu imensamente azuis com centenas de "barquinhos" ao longe...)

(... e o Ângelo apreciando a vista, Malmö, julho de 2009)

Entretanto, se eu faço isso com menos justificativas racionais ou se faço uma, duas, três, quatro vezes daí o problema é mais em cima. É lá na cabeça mesmo. É isso que me levou a escrever aquele post anterior. Nem todo mundo procrastina. A Lilás, a Lúcia e a Sandra não. O jovem filho da Lilás faz muito isso, e ela até tentou me animar dizendo que não sou a única, mas se eu comparo a diferença de idade, penso que eu já passei da hora de aprender. A Sandra também tentou me consolar dizendo que perdera-se nas milhares de tarefas do dia a dia, mesmo sendo ultra organizada com sua listinha de tarefas, mas eu não acho que o problema dela seja procrastinação. Deve ser outro, com certeza! porque todo mundo tem lá seu probleminha não é? mas procastinação não é.

A Xu também admitiu sua porção maluca falando das caixinhas que ela "teve que" colocar dentro de outras caixinhas para organizar seus álbuns de fotografias antes da chegada da adorada mãe. Mãezinha que, segundo ela, chegou cansada e com fome, mas encontrou apenas álbuns arrumadinhos de fotografias na mesa... São essas manias, como também assumiu bonito a Marilena que tem mania de enlouquecer seu marido Sérgio toda manhã porque não sai antes de terminar de arrumar tudo, que ficam ali fazendo "pám! pám! pám! pám!" no nosso ouvido, nos aterrorizando como um bom filme do Hitchcock. 

Talvez você não pense nisso, talvez isso seja só sua porção maluca que você assume todo dia e tá de bem com ela. Talvez não. Ou talvez a gente não querer pensar também seja um problema. Eu sempre penso que gente que acha que pensar é problemático seja mesmo alguém com um problemão para resolver e não se dá conta. Ao menos desse eu normalmente fujo porque sou o tipo que adora elocubrar sobre tudo que passe pela minha frente.

Você é preocupado demais? Você tem mania de fazer tempestade em copo d´água? Você sempre acha que tá doente ou sempre acha que poder curar os outros? Você gostaria que todas as pessoas fossem normais iguais a você e sempre limpassem, por exemplo, a própria cadeira no restaurante? Você ama o curso que faz, mas sempre tira 5 nos trabalhos por fazê-los na última noite? Você é o tipo que não se conforma quando a empregada não passou assim tão bonitinho a roupa para pôr na gaveta? Ou o tipo que nunca consegue dar um elogio porque acha que todo mundo sempre tem mais a oferecer?

(Casal de idosos preparando-se para o banho de mar do verão, hoje de manhã em frente de casa, Malmö, julho de 2009)

Então é de você e também de mim que eu estava falando. Não que eu tenha essas todas, mas cada qual tem um ou outra. Falo dessas nossas manias que deixam de ser apenas uma característica interessante, quando nos leva para outros caminhos que não esperávamos. Se eu tô feliz e tranquila com a escolha não há no que pensar, mas se a escolha me tira o sono ou me deixa incomodada eu quero pensar, eu quero rever e quero mudar. E, ainda, se a escolha até me deixa dormir bem, mas deixa quem eu gosto perder o sono, então, há algo para se pensar também, mesmo que quem nos ame normalmente deva nos suportar com todos nossos pequenos probleminhas e defeitinhos...

Para terminar sem finalizar o assunto eu digo que escrever sobre isso foi um excelente exercício, porque assumindo para mim mesma e para alguém de fora não só torna o problema mais claro, como me empurra para alguma atitude diferente. É ótimo saber que minhas amigas apreciam quando eu saio de casa e deixo uma tese por ser escrita, por exemplo, para pintar a casa delas, mas o que me move a isso e porque eu assassino as minhas prioridades para colocar a dos outros em evidência é algo sobre o qual eu devo refletir. Eu não digo que vou mudar assim! vápt, vupt! É quase sempre mais forte do que eu, mas eu quero tentar vencer minhas manias algumas vezes. Afinal elas não existem sem mim, mas eu posso com certeza continuar existindo sem elas.


14 comentários:

Daniela disse...

Vou ter que ler amanhã pq agora estou meio ocupada...rss

Só passei pra deixar esse link. Lembrei de vc: http://www.viceland.com/br/launch/htdocs/fashion-swedish-girls-232.php?page=1

Beth/Lilás disse...

Bem, já é prá lá de 1:30 da madruga e eu não deixei de lado seu post, percebo então que não sou como a Daniela que não procrastinou, disse que estava meio ocupada, mas eu deveria estar na cama quentinha, no entanto, acho que procrastinei e fiquei lendo esse seu texto interessante.
Vou mandar aquele link que vc indicou pro filhão que foi embora hoje para Maringá, mas acho que ele não terá paciência de ler tudo aquilo, mas tenho certeza de que ele procrastina um bocado nessa vida, afinal ele é de Aquário e você, que signo você é?
beijocas cariocas

Camila Castro disse...

Acho que o primeiro passo para resolver um problema é assumir que ele existe! Daí pra frente tudo fica mais fácil...

Aaaadorei seu texto... Às vezes é preciso em primeiro lugar arrumar o sótão que fica sobre o pescoço (Ziraldo dizia que o Menino Maluquinho tinha macaquinhos no sótão, lembra?).

Então, Menina Maluquinha, faça uma boa comida e arrume a cama pra sua amiga (pra se ela chegar cansada e com fome, não precisar ficar olhando sua linda pasta de documentos), e vá curtir o resto de verão com seu Anjo!

um beijo

Luciana Håland disse...

Li hoje, mas acho que você postou ontem, então o hoje é o amanhã de ontem, ou seja, estou atrasada.
Dessa vez, fora a cadeira do restaurante, não vesti a carapuca dos outros detalhes da sua personalidade, mas tá dentro do normal também.
Eu ainda fico na procrastinacão, sempre vou deixando pra amanhã, até comentários em blogs, na maioria das vezes eu leio e volto depois pra comentar, coisa de doido, não?
Mas os adiamentos mesmo estão rolando aqui em casa e nos estudos, ´mas vou dar um jeito, amanhã. Hoje estou só um caco, uma gatinha apareceu aqui ontem e chegou chegando, se sentiu em casa, dormiu aqui, na minha cama, pedindo atencao o tempo todo, e não me deixou dormir, ela dormiu a noite toda.
Tadinha, agora estou super triste, colocamos ela no jardim pra ela voltar pra casa dela, ela até foi,mas voltou, só que não podemos ficar com ela. Ai, sei não, fico arrasada com isso.
Beijo

Somnia Carvalho disse...

Dani, valeu pelo link! gostei muito da idéia dela e das fotos... lindas as meninas! lindissimas! embora eu tenha achado que ela meio que força a barra para elas admitirem racismo na Suécia. Me pareceu que ela acha isso e quer forçá-las a responder o mesmo. Não tô dizendo que não tem, só que talvez ela quisesse forçar o tema para a revista. Ainda assim lindo o texto e as imagens!

beijocas e fico feliz que não tenha procrastinado suas ocupações!rs

Somnia Carvalho disse...

Dona Betiii,

ir dormir a 1:30 lendo blogs? como pode? rs...

eu ontem devia estar dormindo quando escrevi o texto. Somos iguais em alguma coisa! rs...

nao sei se seu filho vai gostar, mas achei o texto lega!

Somnia Carvalho disse...

Camila também acho que arrumar o sótão é importante e reconhecer que ele anda meio sujinho...


Ainda bem que aproveitei ontem porque hoje ta nublado, abafado e feio por aqui... dia de nao procrastinar limpeza!

rs.

Somnia Carvalho disse...

Lu gatinha,

minha irma era louca por gatinhos e sempre tinha um na cama com ela... acho gente que gosta de bicho assim muito legal! eu precisaria desenvolver mais esse meu lado... acho lindo, mas nao sei ser tao carinhosa com eles.

MAS FORA ISSO belezura eu não sou mais nada daquela lista que eu joguei no texto. Você disse que só assumiu a carapuça do restaurante, mas eu não falava de mim. Se eu tivesse todos aqueles "defeitinhos" juntos eu não sei quem no mundo me toleraria. Tendo um ou dois já é difícil de aguentar! hahaha...

então, eu só tava querendo abranger o mais numero de pessoas possível... pensei em jeitos de muita gente que conheço e fiz um resumo. São coisas que percebo que incomoda essas pessoas ou incomoda quem as ama... só isso!

e desculpa se fico parecendo enfiar carapuça, nao é a intenção... a intenção é mesmo só refletir sobre nós mesmos... eu gosto disso.

beijos e tomara que a gatinha nao tenha casa e fique por ai!

Luciana Håland disse...

Menina, carapuca foi uma expressão errada, kkkk
Eu estava zumbizando, ainda estou. Quis dizer que eu sou meio assim de querer que as pessoas não baguncem os locais.
Olhe,vou te contar, estou com problemas com o português e isso tá gerando dificuldade para eu escrever no blog, tem expressões e até palavras que não lembro direito o significado na hora do uso, e claro, tenho usado o google, mas tenho me atrapalhado.
Não, você não enfiou carapuca nao.
Eu quis dizer que me identifico com aquele exemplo.
Tenho pagado uns micos com isso da linguagem, mas o que me consola é quando falo com minha irmã, ela tá bem pior, kkkk
A gatinha a gente colocou pra ir embora, ela foi e voltou várias vezes, eu tive pena e botei pra dentro de casa, estávamos definindo o que fazer com ela, como cuidar se fosse ficar aqui, daí meu marido viu o dono procurando, é do vizinho. Então mais tarde já sei que ela bate ponto aqui de novo. Fiquei feliz por ela ter dono, estava preocupada, e sendo do vizinho posso deixar entrar aqui de vez em quando.
E desculpe-me por ter me expressado mal.
Beijo

Luciana Håland disse...

Fui ler de novo meu comentário, realmente fui logo dizendo que não vesti a carapuca, e agora pensando essa expressão a gente usa quando os outros sugerem a carapuca, kkkk
Zumbizei legal hoje.
Beijo

Andréa disse...

Sômnia,
Que saudades eu estou do seu blog, seus textos e fotos. Minha vida andou bem doidinha nos últimos tempos, mas quero ver se agora consigo me dedicar mais ao mundo virtual.
E o blog ficou fofíssimo, hein?
Me conta como vc faz essas mudanças de visu... tem algum site prá baixar templates?

Bjs
Andréa

Luciana Håland disse...

Somnia, e eu fiquei toda confusa com a carapuca, daí fui pesquisar e me confundi mais ainda, significados demais, mas no final cheguei a esse: "Entender que certo comentário feito a esmo, serviu exatamente para você", ou seja, no caso a gente pode se identificar sem o autor da frase ter sugerido, então ficou tudo bem também.
Eu tinha comecado a fazer um post sobre essas expressões, porque desenterro umas do arco da velha, mas foi mais um post deixado pra trás. Agora estou pesquisando sobre procrastinacão, e meio que abandonei, mas vou retornar, pq sofro desse mal e quero me livrar, bom, um dia consigo me livrar.
Um dia lanco o post sobre as expressões no ar também, assim espero.
Muita chuva por aí?

Beijo

green plant disse...

Oi Somnia,

Admiro muito teu blog. Faz tempo que não faço comentários. Escrevi no ano passado comentando que eu iria para a Suécia e te perguntando algumas coisas...e vc obviamente me respondeu com a maior gentileza.
Então, agora o tempo passou, já fui para a Uppsala, já voltei e agora sinto imensa saudade da Suécia. Eu sinto que tinha muito que aprender por ai ainda...em vários sentidos!! Por que simplesmente amei várias coisas sobre este país e sua cultura. Mas isto já é outra conversa.

O que queria te dizer hoje é que adorei teus textos e reflexões sobre comportamento e sentimentos...olhar para dentro de nós....só isso já é ultra mega magnífico!!! Acho que se todos pudéssemos ter a paz de espirito suficiente para fazer isso, o mundo seria bem melhor...

Esta de adiar as suas prioridades para atender outras coisas que não são suas (tese x pintura) eu me identifiquei muito. Já tentei refletir muito sobre isso...a única conclusão que cheguei é que preciso disciplina sobre minhas prioridades....mas amo e me sinto super feliz estar fazendo coisas para os outros...

Tenho que refeltir mais e também tentar entender porque apesar de amar isso, muitas vezes estas escolhas me deixam tristes e angustiadas depois!! Então não sei...ainda não consegui entender!

Enfim, quero te dizer mais uma vez que adoro e admiro muito teu blog.
E te agradecer muito pela oportunidade de compartilhar este tipo de reflexão!

Estou aqui na alegria brasileira...mas sinto falta do sossêgo Sueco....justamente para poder refletir mais e mais e estar um pouco mais comigo também!!!


Um super abraço,

Neusa Steiner

Somnia Carvalho disse...

Hej Lu!

nao encana! magina molé! eu so fiquei achando que ce podia ter se ofendido com o post...

acho que o sentido da palavra e esse mesmo, mas creio que no Brasil a gente use mesmo com o sentido de que o outro tentou por... sei la, eu tinha essa ideia... vou ver tambem...

ah! eu tombem tenho perdido a lingua... terrible!