Pular para o conteúdo principal

"Eu sei... a gente eu poderia viver amanhã, mas eu vivo hoje!"



Há quase 5 anos (caramba! como o tempo passa!) eu escrevia no post "Agora é tempo de..." sobre nossa espera ansiosa dos últimos dias para o nascimento do Ângelo.

Acabei de olhar no calendário e me dei conta de que estamos em março, mês do meu aniversário e mês no qual eu sempre me senti meio especial, como se o mês de março fosse meu. Neste ano faço 41 anos e ai caramba! eu ainda me sinto uma menina!

Dei-me conta ainda de que agora é tempo de curar...

Ontem parei de tomar os hormônios da tireóide (já que eu não tenho mais uma que produza os hormônios para mim) para fazer a radioiodoterapia no início de abril. Em confirmada a necessidade da terapia no final de março (até lá eu farei uma rígida dieta sem iodo para fazer o exame) então me interno no dia 02, passo dois dias no hospital e mais 04 dias isolada.

A boa notícia é que devo sair na Páscoa (que por sorte minha não foi junto com o carnaval!:) ) e Páscoa, vocês sabem, significa renascer para uma vida nova. Sorte minha que ainda posso celebrar isso em abril! Embora eu já me sinta curada eu quero virar a página e depois não gastar mais energia com isso.

Fazendo uma rápida volta no tempo, desde que escrevo este blog, minhas últimas Páscoas eu passei respectivamente: 2007, em Öland, ilha no sul da Suécia; 2008, em Milão; 2009 foi em Roma com direito à missa do Papa e tudo e em 2010, pela Alemanha e República Tcheca.  De modo que minhas Páscoas, não só nos últimos anos, mas também antes, quando eu vivia celebrando no meu bairro em Sumaré, ou fazendo viagens pelo Brasil com Renato sempre foram marcantes. Eu adoro a Páscoa e adoro mais do que o Natal. Dos feriados religiosos este é o único que me toca de fato, então embora eu pudesse e possa realmente lamentar o fato de ficar longe dos meus três amados tantos dias e o restante do pacote chato eu quero pensar só em viver bem hoje, aproveitar este tempo para curar o corpo porque ainda tem tanto que esta minha alma quer ver por este mundão afora!

Para uma menina de 12 anos e leitora do blog, a Ingrid, quem me escreveu sobre ser  (como eu) super fã do ABBA e admirar a Suécia, aqui vai uma música que aprendi a amar ainda na Suécia e acordei ouvindo. É outra daquela mesma cantora de quem já falei, Laleh, uma sueca de nascença e descendência iraniana.

Curioso foi que ao ouvir Laleh me dei conta da letra e decidi vir e dividir este meu novo momento com vocês. Isso porque sei que ao mesmo tempo cada um está aí cuidando de sua vida, com altos e baixos, com conquistas e perdas e isso tudo nos torna tão próximos e tão "demasiadamente humanos" que é bem bonito de se ver...

Se conseguir ouvir e acompanhar a letra sentirá que delícia de música para ter na lista das preferidas!

Beijos e abraços apertadinhos nesta sexta-feira quente quente em todas e todos vocês!!!

...

Live tomorrow

Its cold around me, the nigh t is young
the sun has fallen and I've become
the lonely one

the moon is dancing among the clouds
and my knees are shaking,
and my dreams are braking
but I know I live
But i know i live, today

I know we could live tomorrow
But I know I live today,
I know we could live tomorrow
But I don't think we should wait! No..

I know we could..

Taking my life in my hands!
(the power who has it?)
Taking my life in my hands!
(the power who has it?)
I don't like to wait!
no, i don't like to wait!
It's happening, It's happening..

I know we could live tomorrow
But I live today!
I know we could live tomorrow
But I don't think we should wait!

La-la-la, love

Laleh

...


Amanhã ao vivo
(tradução fraquinha, mas vai...)

Está frio ao meu redor, a noite é uma criança
o sol caiu e eu me tornei
o solitário
a lua está dançando entre as nuvens
e meus joelhos estão tremendo,
e meus sonhos são uma trava
mas sei que eu vivo
Mas eu sei que eu vivo hoje
Eu sei que nós poderíamos viver amanhã
Mas sei que nós vivemos hoje,
Eu sei que nós poderíamos viver amanhã
Mas eu não acho que devemos esperar! Não!
Eu sei que nós poderíamos ..
Levando a minha vida em minhas mãos!
(O poder que tem isso?)
Tomando a minha vida em minhas mãos!
(O poder que tem isso?)
Eu não gosto de esperar!
Não, eu não gosto de esperar!
Isso está acontecendo, está acontecendo ..
Eu sei que nós poderíamos viver amanhã
Mas eu vivo hoje!
Eu sei que nós poderíamos viver amanhã
Mas eu não acho que devemos esperar!
o amor

Laleh

Comentários

Beth/Lilás disse…
Querida Brabuletinha!
Parabéns por estes 5 anos na blogosfera!
Você e eu fizemos 5 anos quase juntas e acho que é quase este mesmo tempo que interagimos por aqui e tivemos o prazer de nos conhecer pessoalmente.
Muita saúde, paz no coração e vontade para blogar sempre é o que lhe desejo!
um grande abraço da amiga
Lilás
Danissima disse…
Somnia querida,
sempre achei que vc tinha algo divino ;-)
vc vai renascer na Pascoa!!!!!
sim, este é o feriado mais bonito mesmo. A gente nao passou uma pascoa juntas?
cure-se porque eu preciso de vc.
abraços e beijos
ingrid disse…
adorei o post!!!muito bom,parabens!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem