25 julho 2007

Das coisas mais belas do mundo




(Tirei a foto deste barquinho ha uns dois meses, em Öland, uma ilha ao sul da Suecia, e hoje ela me veio muito a calhar)



Não tem me faltado temas para escrever aqui no blog. Na verdade, tenho uma lista em mente, mas se não falta assunto e inspiração, ainda falta tempo. Tô num dos intervalos angelicais, mas queria deixar hoje uma canção maravilhosa do grupo português Madredeus.

Há muitos anos tenho o costume de ouvir música tranquila durante o café da manhã. E foi assim minha gravidez inteira. O Madredeus, a Fortuna, a Enya etc além de muitas rádios de música clássica. Do Madredeus foram muitos e muitos dias ao som do álbum "Existir" que eu considero das coisas mais lindas de se ouvir.

Qual não foi minha surpresa ontem, quando colocamos o cd para tocar de manhã e o Ângelo, com apenas 8 dias de vida, parou o que tava fazendo, foi se virando, com olhos bem abertos, procurando de onde vinha o som e ficou lá... quietinho, praticamente reconhecendo a música e curtindo... super relaxado. Foi outra das coisas mais belas do mundo.

Esta música, O Navio, é das minhas preferidas. Fala do afastar-se, tomar um navio e seguir sozinho quando se precisa estar longe da multidão. Coincidência ou não, fala do tema que coloquei no post passado. Aqui o navio toma lugar do túnel que falei anteriormente.

Para mim, mesmo quando não se está a deriva, colocar-se no mar e ouvir uma música assim é bom demais. É quase uma prece.

A letra segue um pouco a melancolia do fado português, mas o efeito da música não é de tristeza, ao contrário, é uma quietude e uma paz interior maravilhosa. Infelizmente aqui vai sozinha a letra. Enjoy...


Madredeus - O navio
(Álbum Existir)

"Só deixei no cais a multidão
a terra dos mortais
a confusão
navego sem farol, sem agonia... distante
e vou nesta corrente
na maré
no escuro da menor consolação
acordo a meio do mar que me arrepia
e foge...

a minha paixão é a loucura

ando...
numa viagem perdida
o navio anda à deriva
sozinho
não é grande o mal, bem pouco dura
e quando...
afundar a minha vida
se calhar sou prometida... do Mundo"

2 comentários:

Anônimo disse...

Que saudade!

Stela

Somnia Carvalho disse...

Querida Stelaaaaa!!

eu tombémmmmmmm!!!

e do pundim da Maria tombémmmm!!!

buááá!