Pular para o conteúdo principal

Montanha Russa


("Dança da vida", Matisse)


Sábado de manhã e, desde há muito tempo, não tenho plano algum para o fim de semana.

Os últimos dias vivi, como disse Rui Castelhano, líder do curso do qual participei semana passada, eu estive numa enorme montanha russa. A sensação já teria sido exatamente essa em ter ficado 3 dias inteirinhos e quatro noites com um grupo de 89 pessoas no Fórum, mas na última quarta-feira eu também fiz minha cirurgia de tireóide.

Estou aqui me recuperando e por isso a parada.

Tenho muita coisa para dividir, mas a zonzeira e outros sintomas não me deixas pensar muito claramente.

Uma das coisas mais estranhas é me lembrar do momento em que apaguei totalmente quando recebi a anestesia. E depois como fiquei entre um ir e vir, tentando acordar e pum! apagando de novo.

Foi uma experiência totalmente extra sensorial e foi como se por algumas horas (acho que levei mais de 12 horas para de fato entender o que havia ocorrido) eu tivesse numa outra dimensão. Um portal branco em que a realidade se confundia com um sonho real. Uma coisa muuuito maluca!

Quando me chamaram pela primeira vez eu estava numa sala branca e algumas macas com pessoas na mesma situação que eu lá deitadas... Vi um velho de boca aberta e agora entendo que naquele momento eu acreditei estarmos todos mortos, numa outra vida, já na porta do "céu" ou coisa assim.

E isso durou um bom tempo... Estranho não?

Bom, retirada a tireóide e o carcinoma (ou seja, eu tinha um câncer* de tireóide, mas decidi manter isso meio quieto porque não queria ninguém muito desesperado me desesperando e omiti inclusive para familiares) com todos os muitos nódulos etc me resta um vazio. Este vazio na garganta não é em hipótese nenhuma ruim.

Estou leve.

É um espaço.

Me sinto muito mais saudável e cheia de energia para começar o ano!

Fiz e farei algumas entrevistas de trabalho esta semana e estou cheia de vontade!

Da mesma forma, com relação a minha vida toda, eu sinto uma tranquilidade muito, mas muito grande e isso eu devo as reviravoltas causadas em mim após o Fórum Landmark. Este curso do qual eu vou, com certeza, falar muito aqui!

Vejo saídas nunca vistas antes. Sinto as pessoas e o mundo ao redor de uma maneira muito clara. É real, sem fantasias e nhenhenhéns, mas muito mais bonita.

Na quarta de manhã, antes da cirurgia, eu estava serena, segura e confiante. Foi assim e tem sido até agora...

Sim! 2012 será um ano cheinho de possibilidades e e espero compartilha´-las todas com vocês e saber das suas!

Beijos e Ótimo Fim de Semana!

...

* Não se assustem com essa palavra. Este tipo de doença é facilmente tratável e praticamente controlado com a retirada da tireóide. Agora já sei tudo a respeito! :)

Comentários

Daniela disse…
Nossa Sonia!! O que eu posso dizer? Só desejar que fiques bem. Muita força, muita saúde pra você. Um beijo enorme.
Fernando disse…
Sônia, sabia da cirurgia pois vc tinha dito antes, mas mesmo assim levei um susto, sei q é difícil ficar quieta, mas faça o repouso certinho, q assim sua recuperação é mais rápida, abraço.
Luciana disse…
Somnia, que bom que está tudo bem com você, que a cirurgia foi um sucesso e que muitas coisas boas estão acontecendo e coisas melhores virão.

Tudo de bom sempre.

Beijo
Anônimo disse…
Sônia
Que bom que está bem, eu fiz esta cirurgia em abril e estou ótima, foi um susto quando soube que iria operar, apesar de seis nódulos grandes, não foi câncer, mas minha vizinha amiga da minha filha teve com vinte e sete anos, já faz dois anos, fez tratamento com iodo, e está super bem, meu médico me disse, que se tiver que ter um câncer, este é o mais tranquilo, no meu caso, eu fiquei com medo pois fumei por quarenta anos, e achava que poderia ter complicaçōes, mas no final acabei parando de fumar, nem pensava nisto antes. Beijos
Jane
Soniaaaaaaaaa! Que notícias ótimas!

Esse forum foi está sendo tudo de bom!

Esse "espaço" a que voce se referiu... é isso mesmo! O quadro em branco para criarmos as nossas novas possibilidades!

Estou muito feiz por você!

E que venha 2012 porque estamos com um apetite enorme de vida.

Beijos com muito carinho....

Amei o seu Blog!PARABÉNS!!!!!
Beth/Lilás disse…
Minha querida!
E tudo agora vai ficar bem, isso é o que importa.
Fico imensamente feliz em ler você por aqui e saber que tudo correu bem conforme esperávamos.
Agora, é só abrir os braços para 2012 que será ma-ra-vi-lho-so.
um super abraço carioca
Nina disse…
Oi Sonia, acho que essa leveza faz parte de um processo que uma doenca traz consigo, tem gente que prefere pegar o fardo pesado da dor enquanto outras, decidem pelo lado leve que uma doenca pode trazer. Parece dificil imaginar que existe um lado leve, né?

Desejo toda a saúde de volta e toda a forca que vc sempre emana ter.
Bjs
Rita disse…
Parabéns pelo sucesso da cirurgia e que 2012 seja só de alegria.

bj
rita
Lúcia Soares disse…
Sônia, comentei aqui e acho que não dei o "enter", estou com essa mania.
Que bom que tudo deu certo e que você já está firme e forte.
Fêz muito bem em não comentar antes, acho que é tão delicado! Espero que se recupere bem, principalmente do susto, já que da cirurgia tudo ficou bem, graças a Deus!
Beijo!
Danissima disse…
Sô, comentei e, também, nao sei enter... meu comentario nao aparece...
que bom que correu tudo bem! estou muito interessada nas historias que vc começou a contar...
beijos e abraços

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que