Pular para o conteúdo principal

Hej! Eu tenho que te dizer uma coisa e precisa ser hoje!


("I feel good", James Brown)

Hoje faz exatos 10 meses e 17 dias que eu embarcava em Copenhaguem cheia de malas para voltar ao Brasil! Ou seja, quase 1 ano!

Hum? E daí? Por que estou falando de um dia tão quebrado assim?

Porque foi hoje, minha gente, somente hoje, depois de tantos meses de volta que tchum! Aconteceu! Eu finalmente me readaptei!

Não! Eu não estava vegetando o ano que passou e nem fiquei parada. Na verdade eu não parei um minuto correndo atrás de pôr a vida toda em ordem de novo...

Não quer dizer que eu tenha apenas sofrido estando aqui até agora também. Não! Eu vivi, eu sorri, eu fiquei feliz por estar com os velhos amigos e a família querida e com minha pequena e amada familinha. Uma coisa, no entanto, eu não posso negar: eu nunca tinha conseguido estar feliz de ter voltado. Sempre foi nestes meses todos um misto de raiva com frustração. Uma chatice vindo de dentro e me fazendo olhar para tudo aqui e pensar: "lá era muito melhor!" No fundo doía em mim olhar para tantos problemas e se sentir incapaz de resolvê-los... Doía a saudade dos amigos de lá e não ter de volta uma vida tão cheia de novidades como era a vida sofrida, mas encantada da Suécia.

A verdade, amigos e amigas, é que deixar o Brasil em 2007 e ir viver na gélida Suécia não foi nem um pouco difícil. Ao contrário do que tanta gente pensa ir embora é muito fácil porque quando se muda tudo é novo. Desde a rua detrás da sua casa até o vizinho com quem você cruza num elevador... A língua, a comida, os cheiros, os sons, tudo! A gente se encanta, tem o que contar e coisas a descobrir. Difícil sempre é voltar ao mesmo. Voltar às pessoas com seus velhos problemas, ler as repetidas críticas nos jornais, assistir aos antigos programas e sentir que o tempo vivido fora pareceu 20 anos para você de tanto vivido, mas tanta gente aqui continuou exatamente na mesma lida, na mesma vidinha e não sentiu falta de nada. Então, voltar requer muito, mas muito mais paciência e dedicação. Requer perceber-se a si mesmo como estagnado, porque não readaptar-se também é continuar na mesma...

Bom, vocês ouviram minhas lamúrias nestes meses todos e elas foram muitas! Não estou dizendo que agora vou começar a dizer "ai que lindo meu Brasil brasileiro, meu mulato estrangeiro"! Não é isso, mas senti hoje, enquanto olhava pela janela do ônibus em direção ao quiropraxista e depois caminhando pelas ruas das Perdizes, meu antigo bairro aqui em São Paulo, sentindo os cheiros das padarias, o sol quente do nosso inverno, ouvindo os brasileiros sem odiá-los, sentindo-me finalmente brasileira que eu sou capaz de cantar novamente o Brasil (e não só a Suécia) em versos!

No final tudo dá sempre certo, porque a gente sempre se acostuma seja ao frio da Suécia ou aos problemões do Brasil.... O melhor, porém, é quando a amargura de ter que adaptar-se dá lugar a uma alegria tranquila de ter se readaptado.

Obrigada pelos ombros largos e ótima sexta-feira!

Comentários

Lu Souza Brito disse…
Ei Somnia, que bacana!
Imagino que a readaptação seja mesmo um processo dolorido, mas você, mesmo nos posts que faz as comparações entre os paises, ja demonstra sim que é uma pessoa aberta a mudanças e que nao sofre além do necessário.

Sabia que sempre comento com meu marido sobre o que leio aqui sobre suas impressoes Brasil / Suécia?

Esta semana assistia ao JN que mostravam os depósitos de lixo tóxico subterraneas (no fundo do mar) que a Suécia está construindo. Estações avançadas. Inclusive já perceberam o grande negocio e vão construir outra bem maior - a mais de 500metros abaixo do oceano, para "alugar".
Vejo, leio e penso em você. Daí meu marido perguntou: "Não é onde morava sua amiga? ahahahahah.

A gente passa a ler e saber tanto da vida dos nossos companheiros blogueiros que quando percebemos, já nos referimos a eles como se os conhecesse pessoalmente.

** Desculpa pelo comentario imenso e totalmente fugindo do seu assunto, mas é só para dizer que adoro suas escritas, suas aventuras e modo de ver / viver a vida narrado aqui tão detalhadamente para nós.
Beijooos
Camila Hareide disse…
Clap, clap, clap! Batendo palmas pra sua lucidez, Sonildes! Fico feliz com a sua felicidade!

beijo e sodade
Danissima disse…
Vc poderia escrever um guia de readaptaçao... que tal?
Mas sobre as musicas, vc ja pode cantar:
"moro num pais tropical", enquanto eu canto em dezembro "vai, meu irmao, pega esse aviao, vc tem razao de fugir assim desse frio..."
Márcia disse…
Oi querida! Faz tanto tempo que eu não vinha aqui que nem sabia que você tinha voltado a viver no Brasil. Como eu admiro o seu jeito de traduzir a vida em palavras. Tudo o q vc faz muito sentido. É aquele velho sentimento do imigrante que nunca mais se sente em casa em lugar nenhum, né? Longe a gente sente saudade de casa. Em casa, a gente sente saudade do que ficou longe. Assim a gente vai aprendendo a conviver com as nossas ansiedades, somando e subtraindo... Boa sorte na sua nova vida no Brasil!!! Beijos.
Beth/Lilás disse…
E eu só tenho a dizer - Felicidades sempre, aqui ou lá ou em qualquer lugar que escolherem viver suas vidas!
bjs cariocas

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem