Pular para o conteúdo principal

Quando o olho não só vê, mas sente: sobre Maria Larsson e seus eternos momentos


(Cena do filme sueco "Maria Larssons eviga ögonblick")

(O post abaixo foi publicado originalmente na Revista
Brassar.se em 08 de março de 2009 e não havia sido publicado aqui no blog ainda)

Foi num desses dias de neve aqui em Malmö que eu tive o prazer de ver o belíssimo, comovente e artístico filme de Jan Troell, "Maria Larssons eviga ögonblick" ("Eternos momentos de Maria Larsson) no Biocentrum, em Limhamn.
O filme, lançado ano passado, conta a história real de Maria, a de uma dona de casa sueca que vivia em Gotemburgo no início de 1900. Pobre e noiva de Sigfrid, Maria tem a idéia de comprar um bilhete de loteria, cujo prêmio era uma câmera fotográfica. Os dois ganham a câmera no sorteio, mas é Maria quem fica com ela e a guarda com carinho em casa.

O casamento rapidamente se mostra frágil, quando Sigfrid começa a chegar em casa bêbado, após o trabalho e a se tornar cada vez mais violento. Sigfrid trabalha com serviço bruto numa fábrica e vai, aos poucos, se envolvendo com o sindicato da época, juntando-se aos amigos para reclamar as péssimas condições de trabalho.

Apesar da bebedeira, das traições e da violência de Sigfrid contra Maria e suas sete crianças, ela, como a maior parte das mulheres de seu tempo, está presa num casamento, no qual a promessa de felicidade e companherismo fôra quebrada, mas sem nenhuma perspectiva de mudança, ao menos até que a morte os separe.
A vida miserável e a situação sem esperança faz com que Maria tente vender sua câmera ao fotógrafo da cidade, Sebastian Pedersen, que lhe mostra como funciona aquele estranho e curioso objeto que Maria tem em mãos. Pedersen fornece o material a ela, que não tem condições de arcar com as despesas para tal luxo e esse é o ponto de partida para que Maria um dia se transforme em uma das primeiras e maiores fotógrafa que a Suécia conheceu.

Maria Larssons eviga ögonblick tem inúmeros aspectos incríveis para serem discutidos. Entre eles a questão feminina e o papel que a mulher desempenhava na sociedade do início do século XX. Ajuda a pensar como Maria Larsson colabora para que esse papel vá sendo sutilmente percebido e assumido como outro possível. Jan Troell traz também a questão do sindicalismo na Suécia e de como a sociedade e o povo pobre teve que sofrer e se organizar para chegar a ter um país democrático. Isso sem contar na excelente atuação de Mikael Persbrandt (Sigfrid Larsson) e na profundidade de Maria Heiskanen (Maria Larsson). Minha opção, entretanto, é de focar o aspecto artísticos da produção do filme e como sua narrativa, feita sob um olhar também cuidadoso, ajuda a perceber e reconhecer porque Maria Larsson acabou sendo reconhecida como uma das maiores fotógrafas da história do país.

No longa, filmado em Malmö, e não em Gotemburgo, é possível reconhecer algumas paisagens, como o porto e algumas fábricas. Apesar disso, a sensação que se tem ao se assistir ao filme é não só que a história se passa há cem anos, mas que o filme foi feito há cem anos atrás. O colorido amarelado, sépia, da película ajuda na verosimilhança e colabora para que sintamos com muito mais vigor a história contada na tela. O filme é calmo. Ele vai no mesmo compasso de Maria, quando esta toma em suas mãos sua preciosa câmera fotográfica. Maria maneja tão bem seu objeto de fotografar e tem um olhar tão apurado para o que mira que suas fotos são verdadeiras obras de arte.

Ao tomar a câmera nas mãos é como se Maria pudesse vivenciar uma outra realidade possível. Longe do mundo cheio de dramas que a rodeia, Maria pode ter um momento e um espaço só dela. A fotografia e a arte é um espaço que nem o marido autoritário, nem ninguém mais pode invadir. A arte dá à Maria Larsson condição de ter uma "vida paralela" àquela que fôra escrita para ela.


(Cena do filme sueco "Maria Larssons eviga ögonblick")

Isso é rapidamente percebido por Sebastian Pedersen, o dono da loja de fotografia, que incentiva Maria a fotografar mais e mais e a ensina como revelar suas próprias imagens em casa. Maria é simples e quase nada sabe sobre fotografia. É bom lembrar que, nos anos em que ela vive, a fotografia era algo totalmente novo e difícil de se obter. Poucos tinham acesso a uma câmera e menos gente ainda tinha talento para manejá-la. Mas se no início faltava à Maria a bagagem técnica não lhe faltava esse olhar apurado.
Entre as cenas mais marcantes do filme, está o momento quando Maria fotografa seus primeiros quatro filhos. A cena é belíssima e genuína. Em seu mundo de mãe, esposa e dona de casa, Maria consegue captar a genuidade de suas crianças, sentadas lado a lado no sofá da humilde casa e eterniza aquele momento para sempre.

Em outra, dramática, mas não menos bela, uma vizinha de Maria, cuja filha adolescente morre num acidente, pede para Maria fotografá-la. Era comum nessa época esse desejo, já que com a invenção da fotografia as pessoas acreditavam que poderiam capturar aquele último momento junto da pessoa amada e mantê-lo para sempre.

Cumprindo o pedido da mãe, Maria Larsson arruma a menina em seu caixão. Ajeita as flores com tanto cuidado e carinho, como se a adolescente ainda estivesse viva. Ela enxota as crianças curiosas da sala e posiciona sua câmera. Ao fotografar a menina deitada e sem vida, Maria vê pelo vidro que as crianças estão coladas a ele, tentando ver o que ocorria com sua amiga morta. A cena é linda e a foto, que encantará Pedersen depois, maravilhosa. O olhar de Maria capta o olhar assustado, curioso das crianças do lado de fora em contraste com as pálpebras escuras da menina do lado de dentro.

Essas experimentações e o desejo forte de capturar todos os momentos, como as passeatas, os comícios políticos, os vizinhos, a vida em família e os objetos do lar deram a Maria Larsson condições de começar a ser conhecida na redondeza por onde vivia. Os empresários passam a lhe encomendar fotos e os vizinhos lotam sua casa esperando por um retrato. Maria pode, então, ela mesma ter uma renda e não depender totalmente da má vontade do marido para dar de comer a seus filhos, cujo número só aumenta a cada reconciliação.

O sucesso da esposa não dá a Sigfrid nenhuma alegria. Ao contrário, ele se sente ressentido e com ciúmes o que, a seu ver, é razão para agir com mais violência ainda contra a esposa traidora. E a vida do casal e de seus filhos segue assim por muitos anos. Enquanto o filme se desenrola a gente fica com aquela esperança de que Maria consiga abandonar o marido e ver-se livre do inferno que é sua vida ao lado dele, mas isso não acontece. A história e o peso do pensamento da época é mais forte que seu desejo de viver ao lado de seu amor platônico, Sebastian ou de ter uma vida livre do peso do casamento falido.

A vida dos Larsson melhora com o tempo e Maria, bem como sua filha mais velha, Maja, vai concretizando o fato de que não era mais do que só esposa, mãe e dona de casa, era fotógrafa.

A obra de Maria Larsson tem sido recuperada através de livros e documentos de família e o filme de Jan Troell, com hist

Mesmo tendo assistido o longa todo em sueco, sem legendas e entendendo muito menos do que eu gostaria de ter entendido dos diálogos, os eternos momentos de Maria Larsson são ao mesmo tempo dramáticos, extremamente sensíveis e cheios de esperança, o que é ajudado também pela trilha sonora.

O filme termina com uma famosa foto, feita por Maja, de Maria e Sigfrid dançando juntos, protagonizando uma das cenas que mais gostavam de fazer, desde que haviam se conhecido. Com a situação financeira tranquila, os filhos criados e sua inspiradora casa no campo, Maria parece ter encontrado paz consigo mesmo. Deixou os sonhos impossíveis de lado e resolveu viver a vida como ela poderia ser vivida, não sem deixar de tirar o melhor de cada momento através de sua lente.

Talvez porque para além de suas forças estava o olhar inquieto. Parafraseando algumas frases ditas entre ela e Pedersen: nem todo mundo tem o dom de ver. O mundo está aí para ser descrito e preservado. Aqueles que conseguem vê-lo não podem se esquivar. Não podem simplesmente fechar os olhos. É preciso mais do que ver, traduzir isso para aqueles que não tem o dom.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem