Pular para o conteúdo principal

Somnia, a trapaiada


Gente!

Enquanto meu vizinho dá murros e grita "ah! não, Pô-rra!" porque o Santos está dando algumas bolas foras ali na final da Libertadores (é final né?), aproveito o ensejo para dizer o mesmo e avisar que fiz uma besteirona aqui e perdi todos os meus gadgets, toda minha lista de blogs, sites etc. Fui atualizar o template de um novo blog que estou construindo (não adianta perguntar que é surpresa!) e queria inaugurar ainda esta semana e peguei por erro o html do borboleta. Acreditam? E quando percebi... p...q...p!

Usei todo meu requinte e conhecimento em literatura. Apliquei a teoria do direito de Millôr do início até o fim!

Então peço, de início, paciência! Vou inserir com calma tudo de novo, os links de vocês, os breguetinhos todos mas até lá ...

Até lá...



O Direito ao Palavrão 

Millôr Fernandes

"Os palavrões não nasceram por acaso. São recursos extremamente válidos e criativos para prover nosso vocabulário de expressões que traduzem com a maior fidelidade nossos mais fortes e genuínos sentimentos. É o povo fazendo sua língua.


‘Pra caralho’, por exemplo. Qual expressão traduz melhor a idéia de muita quantidade do que ‘Pra caralho’? ‘Pra caralho’ tende ao infinito, é quase uma expressão matemática. A Via Láctea tem estrelas pra caralho, o Sol é quente pra caralho, o universo é antigo pra caralho, eu gosto de cerveja pra caralho, entende?


No gênero do ‘Pra caralho’, mas, no caso, expressando a mais absoluta negação, está o famoso ‘Nem fodendo!’. O ‘Não, não e não!’ e o nada eficaz e já sem nenhuma credibilidade ‘Não, absolutamente não!’ de modo algum o substituem. O ‘Nem fodendo’ é irretorquível, e liquida o assunto. Te libera, com a consciência tranqüila, para outras atividades de maior interesse em sua vida. Aquele filho pentelho de 17 anos te atormenta pedindo o carro pra ir surfar no litoral? Não perca tempo nem paciência. Solte logo um definitivo ‘Marquinhos, presta atenção, filho querido: NEM FODENDO!’. O impertinente se manca na hora e vai pro shopping se encontrar com a turma numa boa e você fecha os olhos e volta a curtir o CD do Lupicínio.


Por sua vez, o ‘Porra nenhuma!’ atendeu tão plenamente às situações em que nosso ego exigia não só a definição de uma negação, mas também o justo escárnio contra descarados blefes, que hoje é totalmente impossível imaginar que possamos viver sem ele em nosso cotidiano profissional. Como comentar a bravata daquele chefe idiota senão com um ‘é Ph.D. porra nenhuma!’, ou ‘ele redigiu aquele relatório sozinho porra nenhuma!’. O ‘Porra nenhuma!’, como vocês podem ver, nos provê sensações de incrível bem estar interior. É como se estivéssemos fazendo a tardia e justa denúncia pública de um canalha.


São dessa mesma gênese os clássicos ‘aspone’, ‘chepone’, ‘repone’ e, mais recentemente, o ‘prepone’ — presidente de porra nenhuma. Há outros palavrões igualmente clássicos. Pense na sonoridade de um ‘Puta-que-pariu!’, ou seu correlato ‘Puta-que-o-pariu!’, falados assim, cadenciadamente, sílaba por sílaba... Diante de uma notícia irritante qualquer um ‘Puta-que-o-pariu!’ dito assim te coloca outra vez em seu eixo. Seus neurônios têm o devido tempo e clima para se reorganizar e sacar a atitude que lhe permitirá dar um merecido troco ou o safar de maiores dores de cabeça. E o que dizer de nosso famoso ‘Vai tomar no cu!’? E sua maravilhosa e reforçadora derivação ‘Vai tomar no olho do seu cu!’. Você já imaginou o bem que alguém faz a si próprio e aos seus quando, passado o limite do suportável, se dirige ao canalha de seu interlocutor e solta: ‘Chega! Vai tomar no olho do seu cu!’ Pronto, você retomou as rédeas de sua vida, sua auto-estima. Desabotoa a camisa e saia à rua, vento batendo na face, olhar firme, cabeça erguida, um delicioso sorriso de vitória e renovado amor íntimo nos lábios.


E seria tremendamente injusto não registrar aqui a expressão de maior poder de definição do português vulgar: ‘Fodeu!’ E sua derivação mais avassaladora ainda: ‘Fodeu de vez!’ Você conhece definição mais exata, pungente e arrasadora para uma situação que atingiu o grau máximo imaginável de ameaçadora complicação? Expressão, inclusive, que uma vez proferida insere seu autor em todo um providencial contexto interior de alerta e autodefesa.


Algo assim como quando você está dirigindo bêbado, sem documentos do carro e sem carteira de habilitação e ouve uma sirene de polícia atrás de você mandando você parar: O que você fala? ‘Fodeu de vez!’ Sem contar que o nível de stress de uma pessoa é inversamente proporcional à quantidade de ‘Foda-se!’ que ela fala. Existe algo mais libertário do que o conceito do ‘Foda-se!’? O ‘Foda-se!’ aumenta minha auto-estima, me torna uma pessoa melhor. Reorganiza as coisas. Me liberta. ‘Não quer sair comigo? Então foda-se!’ ‘Vai querer decidir essa merda sozinho(a) mesmo? Então foda-se!’


O direito ao ‘Foda-se!’ deveria estar assegurado na Constituição Federal. Liberdade, Igualdade, Fraternidade e FODA-SE.’"

Comentários

Mari disse…
Perder todos os links do template é coisa comum comigo. Toda vez que penso em mudar de template eu já sei que em algum momento vou perder tudo. Agora vc perder tudo me deixou sem chão porque eu sempre venho aqui procurar os blogs da sua lista que costumo seguir tambem, rs...
Quanto aos palavrões, eu nao costumo falar palavrao: meu pai nao deixava e o sergio reclama se eu falo. Mas quando estou muito muito brava, alem dos já citados no texto, as vezes eu solto aquele que eu acho mais feio de todos: aquele que começa com bu e rima com o programa "caceta e planeta", rs. Falo assim, meio que só pra mim, umas três vezes e pronto: fico mais calma, rs.
Lúcia Soares disse…
Sônia, tive que rir, pois Millor é ótimo.
Mas também falo pouco palavrão. Muito de vez em quando.
O meu normal é só um "merda", "bosta" e pronto! (quer algum mais demodé que "bosta"? rsrs)
Outro dia marido soltou um pqp, não dirigido a mim, mas que me atingiu e eu estou chocada até hoje. Praticamente "de mal" dele!
O "foda-se" já incorporei tanto que pra mim nem é mais palavrão. rsrs
Beijo!

Mari, aí de cima, vai lá na minha lista de blogs, muitos que Sônia segue estão lá! Aproveita e conheça mais "um monte" de blogs bons!rsrs
danissima disse…
Oi!
na lista de palavroes, senti falta de um "pau no seu cu" (PnC) ;-)
beijos
Beth/Lilás disse…
Fala sério, que trapaiada heim!
Bom, nessas horas a gente tem que soltar umzinho, nem que seja quando o cara de cima gritar goooool. Aí aproveitamos e falamos um pooooota m.
Eu também tenho dificuldade em me expressar com palavrão, mas acho mesmo que tem horas que não tem palavra melhor para se expressar uma raiva como essa.
Muito legal o texto do Millor, ri um bocado.
bjs cariocas
Beth/Lilás disse…
E pra completar, deixo um email que minha irmã me enviou ontem:


Vida de Americano:

iPhone, iPod, iPad, iMac, i30, iBM, intel,

Vida de Brasileiro:

iPtu, iPva, iCms, iPi, iSS, iNss, iR e a... iFudeu!..


beijocas
Somnia Carvalho disse…
haha Mari! eu tenho a mesma mania! hihi.. se bato, por exemplo, o dedinho do pe na quina da cama que palavrao melhor do que este ai que vc mencionou! eu digo umas mil vezes ate a reiva ir passando!
Somnia Carvalho disse…
Lucinha! hahaha... bosta e retardatario? rs... to brincando! eu nao sei falar bosta! falo merda! mas nao bosta!
rssss...

entao, deixa eu explicar: acho que pega mal ficar falando palavrao a torta e direita! e eu tento me policiar para qual local, em frente de quem etc eu falo...

mas eu concordo inteiramente com Millor: em certas ocasioes e libertario falar um palavrao bem palavrudo!

nao e?

nada mais encaixa! tudo fica fraquinho para expressar o sentimento! rs
Somnia Carvalho disse…
Hehej danissima que eu me lembro de voce falando este! mas nao sei e ele e tao popular voce acha que sim?
eu nunca falei este ai! vai ver e mais requintado! rsssss
Somnia Carvalho disse…
Betona, entao, eu sempre digo pras minhas amigas que nao conseguem falar palavrao nem na hora da reiva que e muita castracao! haha...

imagina so! voce comete um erro crasso e perde o conteudo de 4 anos de pesquisa do seu blog, pegando links legais e tal, perde num milesimo de segundo por uma estupidez sua e ai voce diz:

pppppppppppppp orcaria!

ah nao! porcaria! droga! isso nao esta a altura da porra do acontecimento! da puta cagada que voce fez! da merda que pode fazer em segundos! voce nao acha?
Lu Souza Brito disse…
Vixe Sonia, perdeu os gadgets? pqp, ahahah.

Muito bom o texto. Eu falo palavrões só comigo mesma. Não me sinto bem em mandar alguem tomar lá...ir a puta que o....

Se estou irada com uma situação falo tipo"ah, vai se foder, e eu tenho que resolver isso?

O caralho e a porra já é mais comum, mas falado com moderação.

Sou antiga (seria reprimida?) Falo Orraaaa meu, que saco hein!

Meu marido fala palavrão com os amigos, mas me olha com muma cara tão feia se solto um "que caralho' que eu tenho que perguntar o que que foi, ahahahah.

Um abraço e boa sorte!
Anônimo disse…
Depois de uma semana de merda no trabalho,uma amigona arrasada com a mae na UTI,gente me enchendo o saco(q eu nem tenho!) no hospital,eu declamei uma linda sequencia de palavroes no carro(claro q as crianças nao estavam...)!hj é sexta feira,à noite,e eu posso tudo!!!E viva o Millor!!! Mariana

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem