Pular para o conteúdo principal

Na Suécia também não tem... Festa Junina, quentão ou quadrilha


(Eu e meu caipira literal, Ângelo, e eu e Marinacota em festinha Junina da escolinha do Ângelo, junho de 2011)

De algumas coisas eu sentia uma baita saudade do Brasil quando estava na Suécia. Se fosse junho e julho e alguém me falasse que estava indo numa Festa Junina aqui no Brasil aí dava daquelas saudades meio sem explicação. De repente era como se minha personalidade "brasilerística" aflorasse eu sentia assim: "não tem jeito! tá vendo? Eles não são iguais a mim! Eles nem sabem o que é uma Festa Junina!"

Talvez por essa razão eu nunca nem tenha tentado fazer uma delas enquanto vivia por lá...

E era assim... A gente festejava outras coisas em junho, sobretudo a chegada do verão com as festas típicas do Midsommer. Era bom por outros motivos, mas a festa não batia lá dentro de mim. Não havia identificação com aquele tronco de árvore cheio de fitas ou com as danças. Era muito divertido, mas não era algo celebrado genuinamente.

Na Festa Junina no Brasil eu resgato a Sônia alta e magrela da escola, quem nunca pôde dançar de menina nas festas juninas do interior porque as professoras eram atrasadas suficientes para me fazer ficar de menino porque "toda menina tinha que ter um par masculino" para dançar. Menos, claro! as meninas altas e magrelas com altura dos meninos.

Resgata ainda os doces feitos pelas minhas avós ou pela minha mãe. O sabor de ouvir as músicas caipiras tocadas na sanfona pelo meu pai. São partes da minha história que nenhuma outra festa típica conta tão bem. Por isso eu simplesmente a-do-ro festa Junina. Era por essas e outras que a Suécia, apesar de ter tantas coisas as quais eu amava (talvez como em qualquer lugar do mundo) me deixava porém incompleta.

Fiquei pensando então o seguinte: e vocês? Do que sentem mais falta da sua terra natal quando não estão nela?

Comentários

Camila Hareide disse…
Canjica, paçoca, quentão, ô maravilha! Também sempre ADOREI festa junina,sinto uma falta... Mas só porque não posso ter uma, porque no Brasa acho que fazia uns 10 anos que eu não ia numa!

Estão lindos seus filhotes!
bj
Lúcia Soares disse…
Sônia, não curti muito as festas juninas, pois nem as da escola minha mãe nos deixava ir...Enquanto crianças, sim, mas depois de adolescentes, não deixava. Não me lembro de ter me vestido tipicamente algum dia. Certamente não me vesti.
Nas festas das escolas dos filhos sempre fiquei na expectativa das suas danças, eram filas intermináveis pra se comprar o que comer, ou para participar das brincadeiras, ou eu já estava "velha" mesmo, então acabei por não curtir também.
Hoje não faço questão de ir a nenhuma.
Daqui a pouco será hora dos netos começarem a frequentar, aí quem sabe vou gostar.
Mas adoro o contexto pelo qual elas acontecem, a religiosidade, as tradições, as músicas, as danças.
Na verdade, queria mesmo era poder ter curtido enquanto era jovem! rsrs
Lindo seu jequinha e sua Marinacotinha.
Beijo!
Daniela disse…
Sinto falta do sotaque...e de uma coisa difícil de explicar que o nordestino tem. A melhor palavra que eu encontro pra descrever vem do espanhol: "cercanía".Algo como proximidade. Os nordestinos são todos 'cercanos'.

Beijos e recebi seus emails. Vou responder, mas fiquei bem feliz com tudo o que vc propôs!!
Jocelyn disse…
Oi! Eu li o seu blog com o Google Tradutor e desta vez também vou comentar sobre mim mesmo:) Na verdade, Midsommar na Suécia e eu fui para um passeio à noite para ver o sol. A natureza é linda aqui e eu tentei responder a sua pergunta: "o que posso perder mais?". Estou na Suécia por três anos e de alguma forma, tornou-se minha casa também. Na verdade minha casa é onde eu estou no meu lugar em harmonia com o meu ambiente. Talvez há uns lugares na minha cidade onde eu não me sinto em casa tanto quanto aqui! Ela realmente depende do contexto. Mas para responder sua pergunta com mais precisão (porque eu sei que nós já conversamos sobre isso e você também Sonia você me disse que às vezes você se sente como um "residente do mundo") para se comunicar de uma forma muito íntima eu sinto falta do meu país, simplesmente porque a barreira da língua não permite que todas as nuances. Claro que há sempre pessoas que têm uma sensibilidade muito alta e isso compensa a falta de vocabulário! Isso é o que eu sinto falta. Obrigado pelo seu blog! Jocelyn.
OI Borboleta! nunca fiquei tanto tempo fora que tenha sentido falta de algo...mas tb sou chegada numa festa junina, daquelas com forró e tudo. AMO! pena que maridão não curta...mas adorava me vestir de caipira, colocar sardas no rosto, vestir aquelas roupas coloridas...era bom demais...é uma dsa festas que mais gosto tb! a Marinacota tá uma bolota menina...o que vc anda dando pra ela? pamonha? curau de milho ou paçoca? hehehe E o Angelinho cada vez mais angelinho....lindos, beijão,
Somnia Carvalho disse…
Ca a velha historia do sentir mais falta quando nao se pode ter nao e?
Somnia Carvalho disse…
Lucinha entendo o que vc diz! passou a epoca em que a festa junina lhe fazia mais sentido curtir ne?

mas voce vai ver que levando os netinhos alguma coisa da para sentir de volta. Levando angelo na escolinha eu meio que revivi eu indo... e gostoso!
Somnia Carvalho disse…
Dani,

eu nao sou da Bahia, mas talvez eu entenda um pouco o que vc diz... e um afeto meio natural que as pessoas do nordeste e talvez do norte, nao conheco tantas para dizer, tem em comparacao com a gente daqui de sao paulo e com certteza de fora do brasil...

as pessoas falam de um jeito intimo me parece...
Somnia Carvalho disse…
Pessoal, Jocelyn é meu amigo francês que eu conheci na Suecia...

Dear Jocelyn,

In portuguese or english?

I understand completly what do you mean... I felt the same, like Sweden being my home for 4 years... Actually I didnt miss traditional things like food etc from Brazil... but sometimes, in some special days, I desired taste some food, listen some special sounds... do you understand me?

In your case I think speak very fluent swedish helped you to feel like Sweden is home no?
Somnia Carvalho disse…
Glorita voce tem muito cara de quem se vestia de chita! toda colorida!
Jocelyn disse…
Haha, yes it helped, I whish I could speak all langages so that I can communicate with everyone :) You know what, a famous swedish word is "it is good to be away, but the best is to be at home"...(originally : "Borta är bra men hemma är bäst") Vi hörs !

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem