12 abril 2008

"Quando eu era criança pequena lá em Barbacena"...


(A suculenta e irresistível siriguela, pela qual cometi alguns pecadinhos)

"Quando eu era criança pequena lá em Barbacena"...

Eu subia no pé de manga, no fundo do quintal para brincar a tarde toda com minha irmã, a Sandra.
Eu trocava garrafas de guaraná por pirulitos coloridos, grandes e redondos.
Eu disputava quem chegaria primeiro até a perua do padeiro, eu ou minha vizinha, a Sandra Mara.
E pulava o muro da Eleonor para roubar siriguelas e da Dona Maria para comer fruta do conde.

"Quando eu era criança pequena lá em Barbacena"...
Eu brincava de pega-pega e queimada na rua com a mulecada,
E gritava pela minha mãe, quando rasgava o tampão do dedão do pé no asfalto.
Eu gostava de me arriscar e ia sozinha para a escola, 
E arrumava briga na saída com todo mundo que me chamasse de Olívia Palito.

"Quando eu era criança pequena lá em Barbacena"...
Eu nunca era escolhida como a moça bonita na brincadeira da "Laranja Baiana",
Eu nunca recebia beijo no "beijo, aperto de mão e abraço", só aperto de mão, mesmo quando acertava a pessoa,
Eu sempre perdia no "passa anel",
E ainda tinha que ouvir elogios dos meus namorados para a minha irmã.

"Quando eu era criança pequena lá em Barbacena"...
Eu gostava de varrer a casa para minha mãe,
E ficava toda orgulhosa quando diziam que eu e ela parecíamos irmãs.
Eu tomava banho no fim da tarde e saía de cabelo molhado até a frente de casa 
E esperava meu pai apontar na esquina, quando voltava do trabalho.


"Quando eu era criança pequena lá em Barbacena"...
Eu vivia doente e faltava bastante da escola,
mas só tirava A e B em todas as matérias, igual minha amiga muito estudiosa, a Zilda.
Eu fazia umas mulherzinhas em papéizinhos e sonhava em ser desenhista fashion e fazer croquis,
Mas também tava bom se fosse bailarina, pianista, cantora ou dançarina de jazz.

Quando eu era criança pequena lá na minha Barbacena, na pacata Sumaré,
eu era a mesma sangue quente e briguenta e a mesma incorrigível sonhadora 
que continuo sendo hoje.


(Desenho de Mariana Massarani)

2 comentários:

Anônimo disse...

Eu preferia os dias em que voces pulavam o muro de casa para me ajudar a lavar a louca e depois brincarmos...Bons tempos que nao voltam mais...

bjs saudosos

Sandra Mala

sou como Você mE vê. disse...

adorei a história ... quisera eu também ter sido criança pequena lá em Barbacena. ... bjZ . :o*