Pular para o conteúdo principal

O Natal de Sonildes


A noite estava quente naquele dezembro e por sorte a sacada do apartamento, onde Sonildes vinha morando, dava para um grande descampado. O vento invadia a sala, os quartos e a cozinha. A cortinda de seda azul dançava ao som da brisa noturna.

Lá em cima a lua não era mais redonda do que a moça. Ambas cheias, iluminadas. Sentada em sua poltrona preferida, Sonildes segurava firmemente uma xícara de chá quente. Sim, ela ainda não havia perdido o hábito adquirido com Suécio, o de segurar firmemente uma xícara e sentir o calor vindo dela, embora o lugar onde vivesse agora não lembrasse em nada os lugares frios onde ela e o loiro gostavam de passear em férias.

Fazia agora algum tempo que Sonildes havia deixado Suécio. Voltara para a mesma cidade onde antes vivera com Brasil, mas pela primeira vez, desde que sua aventura de viver entre dois amores começara, ela não desejara cair nos braços de Brasil.

Sem Suécio e sem Brasil Sonildes seguia meio sem rumo ou conforme os ventos lhe mandavam, tal qual a cortina de seda a sua frente.

No chão rústico de madeira, ao lado do sofá, Sonildes percebeu de novo seu velho baú indiano. Comprado numa viagem à Índia com o ex-ex-amante, era ali que a moça resolvera guardar todos os cartões postais, as cartas (sim! Suécio adorava escrever cartas) ou pequenas lembranças obtidas nos quase quatro anos de relacionamento.

As cartas de Brasil? Não existiam. Brasil não tinha paciência nem para cartas, nem para emails simplesmente porque não levava jeito mesmo para a escrita. "Não sei fazer rodeio para escrever bonito!", dizia ele con seu jeito quase inocente de ser.

Brasil não tinha intimidade com as letras, mas falar ele falava. E muito. Se tinha uma coisa que poderia facilmente descrever Brasil era a fala. Juntos Sonildes nem mesmo precisava se preocupar com o que dizer. Ele falava, ela ouvia. Ele falava, ela sorria. Ele falava, ela fazia caras e bocas de apoio e curiosidade. Brasil parecia amar a companhia de Sonildes e ela de fato amara a companhia dele por longo tempo, mas...

Se a fala era a característica de Brasil, o olhar era a de Suécio. A verdade é que até conhecê-lo Sonildes não havia se dado conta de que alguém poderia também querer fitar-lhe por tanto tempo em silêncio. E ouvir o que tinha a dizer.

Sim. Suécio era ótimo em ouvir e disso era o que mais Sonildes sentia saudade naquela noite quente e solitária. Ela desejava ardentemente falar e ver no rosto alheio um interesse verdadeiro pelo que tinha a dizer. Ela desejava ardentemente uma xícara de chá quente ao redor de uma mesa numa cozinha aconchegante no fim da noite. E por mais que soubesse que o tempo de Suécio havia passado, naquele momento Sonildes gostaria de ser uma pequena molécula e viajar com o vento, sob a lua à procura da companhia de Suécio.

Sim... ela normalmente tinha tal desejo, mas aquela era noite de Natal e era estranho que depois de ter passado metade dos Natais de sua vida na companhia de Brasil e dos amigos que tinham em comum desde a adolescência, depois de pensar que seus Natais seriam sempre regados a muitas risadas, cervejas e berimbaus ela queria o que praticamente numa havia lhe pertencido. Queria um Natal quieto, cheio das luzes de velas que aprendera a amar com Suécio.

Talvez porque ela nem mesmo gostasse de cerveja. Talvez porque os chás viciassem...

Talvez ainda porque estivesse tão redonda e sensível ou provavelmente porque a criança que sentia mexer dentro de si movia calma e tranquilamente, tal como pai.

Então Sonildes fechou devagar os olhos, sentiu a brisa invadir-lhe o peito, repousou as mãos sobre a barriga e fez um pedido em silêncio na sua noite solitária de Natal:

"Eu quero que a cor dos seus olhos não sejam azuis, porque senão a saudade vai me ferir um tanto toda santa vez que sobre você eu colocar meu olhar..."


Comentários

Anônimo disse…
Ahhh Sonildes,
quanta falta me fazes...
deixa que o vento artico toque o seu rosto pois nele vem um beijo frio do seu Suecio...
/JR
Que lindo conto de Natal...
Querida amiga, te desejo um ano repleto de realizações cercado de muito amor, amigos e muita luz!
Que o Bem e a Paz iluminem o mundo!
Que a felicidade inunde os corações e se espalhe entre nossos semelhantes durante todo o ano de 2011!
Que nesse ano que se inicia nos tornemos melhores e aprendamos mais uns com os outros, Felizes Festas.
Beijos de luz!
Beth/Lilás disse…
Nossa, que conto de natal mais lindo e sentido!
Eu bem sei o que esta saudade anda roendo-lhe a alma!
Quando você diz "Queria um Natal quieto, cheio das luzes de velas..."
eu digo-lhe que é bem isso que eu quero. Quietude.
Pena que as pessoas em nosso país entendam diferente sobre 'quietude', acham que está ligada a sofrimento, a infelicidade, a dor, a perda, a sei lá mais o quê!
Eu quero muito um natal assim e vou tê-lo, pois estarei com aqueles que mais amo na vida e longe da confusão e barulho desta cidade praiana e quente.

Aproveito para desejar-lhe um natal de paz e felicidade junto aos seus mais amados. Que Angelinho seja premiado com o presente que ele tanto espera do papai noel e que a linda Marina durma tranquila a noite toda, abençoada pelo amor desta união tão bonita de vocês.
Feliz Natal, amadinha!
beijos natalinos da amiga carioca.

Beth Q.Lilás
Lu Souza Brito disse…
Lindo seu conto de Natal Sonia. Este ano também estou querendo um Natal mais quieto. Sem farras, sem muitas pessoas, sem "presentes". Que a nossa presença e nosso amor seja o bastante para um clima de harmonia e alegria.
Te desejo um feliz Natal e boas Festas.
Ana Frost disse…
Adoro contos!
Aproveito para registrar meus votos de Felizes Festas.
Feliz Natal, cheio de bançao, harmonia e paz.
Feliz 2011 cheio de saúde, amor e prosperidade.
besitos
Ana.Leitora
Madrid
Fabi disse…
Sonia!
Lindo teu conto, amei. Li com lágrimas nos olhos. Te desejo um Feliz Natal e um ano novo repleto de realizações. Que esse amor e essa saudades(do conto)permaneçam em ti sempre de forma gostosa de se sentir. Super beijo querida!
Lúcia Soares disse…
Sônia, é difícil lutar por 2 amores.
Entendo Sonildes.
Mas também se sabe que não haverá conciliação possível. Sempre será um ou outro.
A escolha será sua.
Beijos!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que