Pular para o conteúdo principal

Eu só quero que você fique sempre por aí...

(Marc Chagall, Traum der liedenden)


Quando Sonildes desceu as escadas rolantes do aeroporto em direção onde estariam suas malas, ela estava sinceramente empolgada com o reencontro com o seu amado Brasil. O rapaz havia lhe garantido que estaria esperando por ela no saguão, então, Sonildes até fantasiou rapidamente uma cena piegas e deliciosa: ela pularia no colo de Brasil e daria muitos beijos em sua bochecha morena. E ele, como ela já bem conhecia, provavelmente daria algumas voltas com ela no colo, pegando-a com força e paixão.

Se Sonildes sabia que não era merecedora de tanto amor gratuito assim, ela também sabia que Brasil estava com saudades e que não pensaria duas vezes em faltar do trabalho naquela manhã para pegá-la no aeroporto.

Não foi bem assim, entretanto, que as coisas aconteceram. O olhar de Sonildes procurou pelo saguão todo algumas diversas vezes e nada encontrou. Na euforia a namorada infiel esqueceu que se Brasil era apaixonado e fiel ele era também esquecido e desorganizado.

Ao telefone ele lhe pediu mil desculpas, porque havia se confundido com o horário, achando que ela chegaria as sete da noite e não as sete da manhã.

- É claro que eu não vou ficar te esperando aqui agora! Esbravejou Sonildes ao telefone. Vou é tomar um táxi ou ligar para a Laurinha!

E foi com a mesma raiva e frustração que ela seguiu ao lado de sua antiga e prestativa amiga. Falaram pouco e Sonildes tratou de desconversar sobre a estadia longa no Rio de Janeiro. Ela estava triste porque, de fato, estava com saudades. E por alguns segundos pensou que era maluca de correr o risco de perder Brasil para sempre. A culpa começava a corroer-lhe quando percebeu que a porta de seu apartamento estava aberta.

Um gelo de medo correu-lhe o pescoço, mas ela empurrou um pouco mais a porta entreaberta...

- Oi atrasadinha, estou te esperando já faz uns vinte minutos, disse Brasil com um sorrisão maroto e um punhado de rosas nos braços.

E então o pulo aconteceu. Sonildes se jogou e só teve tempo de pensar que se era difícil não se irritar com o jeito desorganizado do danado era da mesma forma difícil não querer seu calor e seu cheiro. Por ora ele estava perdoado, pensou. E foi empurrando vagarosamente a porta com a ponta de seus pés...

Comentários

Beth/Lilás disse…
kkkkkk
Essa é a "cara" do Brasil!
Vai com jeitinho, ele é assim, mas garanto que o amor é enooooooooorme!
E vai fazer de tudo para compensar este deslize.
Beijos e bemvinda à terrinha!
Lúcia Soares disse…
Bem-vinda ao Brasil! Boa estada, bom calor, boas compras (seus euros rendem por aqui...rsrsrrsr Isso é bom, né?!).
Entregue-se a este Brasil de atrasos, de jogo de cintura, de ginga, de malemolência, de abraço caloroso,...Entregue-se nos braços saudosos do amor antigo, jamais esquecido.
Anônimo disse…
Hej!
Din blogg är så trevlig!

Perdoa-me algum erro de sintaxe no sueco... mas ainda ando a aprender eheh :p
Gostei muito do teu blog! parabéns =) e gostava também de ver o de sueco uma vez que ando a aprender e isso, será possível?

toda a ajuda é benvinda!
Obrigada

puss puss *
Anônimo disse…
Antes de mais GOD JUL para ti:P

Encontrei o teu blog por acaso..e entretive me a ler e gostei muito do modo fluido como escreves e da capacidade de entreter com as palavras que mostras em cada posto..

Blog muito bom. Parabens.
Anônimo disse…
hej mamma!

think you will read this;-)
hope you are all doing fine and everything is perfect now that you are with your whole family! we here are counting the days when we can finally leave to Munich, soon;-)
take care and have fun

beso Nikol
Somnia Carvalho disse…
Ola pessoal!!!

Estou aproveitando sim o calor e a claridade deliciosa. A unica coisa me deixando maluca e a ideia de ter que fazer tudo de carro, mas a gente tenta se adequar...

Estou emprestando um micro correndo agora e nao posso responder os comentarios deste e dos outros posts agora. Me perdoem, mas obrigada, li tudo com carinho e respondo assim que puder!

beijocas
W
Anônimo disse…
Oi Sonia!
E realmente como o "enfermeiro_de _servico" disse a sua capacidade de jogar com as palavras e assombrosa, adorei!!uma das razoes e porque é auto educativo pra mim hihi.
Aproveite do Brasil amado que tanta falta me faz...por aqui tudo escuro e frio, se nao fosse pelo meu filhote diria que estou morta em vida! e o Angelinho??ta curtindo o calor as vovos, primos e as maravilhas do nosso pais tropical, agora quando ele voltar vai falar so portugues.
Bjs
/JR
Somnia Carvalho disse…
Lilas,

sim, com o Brasil a Sonildes precisa paciencia para dai curtir o que e bom!
Somnia Carvalho disse…
Lucia, aproveitei cada minuto, mesmo que fosse reclamando! hehe... adorei a praia, o sol, e tudo o mais! e dificil voltar ao frio
Somnia Carvalho disse…
Fjaril,

que legal! tenho ficado super feliz de gente que vive por aqui e esta conhecendo o blog... entrando em contato! nao consegui visualizar seu blog... me manda o link?
Somnia Carvalho disse…
Hey mamma,

i loved yor munique... the airport and the montains... we need go together!
Somnia Carvalho disse…
Enfermeiro de servico, to super curiosa pra ver seu blog, vou la despues e te mando recado!

obrigada pelas palavras de carinho!
Somnia Carvalho disse…
Jessica, amiga,

nessas semanas pensei em te contar muita coisa, toda hora eu pensava... vou dizer pra jessica... a gente agora poe a conversa em dia!

e sabe que ter uma leitora como voce me deixa toda nas nuvens...

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que