Pular para o conteúdo principal

"O robô do espaço mora na espaçonave, você sabia?"

(Ossos do ofício: eles lindos e fofinhos e eu com cara de bolacha mal dormida, Bertioga, dezembro 2010)

E aí, como é que vão todos vocês?

Estava imaginando como começar este post, porque as cento e oitenta e sete vezes em que tentei começá-lo nos últimos dia acabaram em nada e desejei que este não tivesse o mesmo fim...

Hoje fui ouvir uma música para nanar a Marina, Ane Brun, que conheci através de minha amiga blogueira desvirtualizada, também sumida, Camilitas, e meu! deu uma saudade enoooorme de vocês. De ler o que andam fazendo e pensando, de comentar em seus blogs, de receber comentários e trocar idéias.

Acontece que eu ando literalmente no mundo da lua. Meu mundo angeliano marinístico não tem me permitido mais nada. Ângelo e Marina me sugam o dia todo e a noite fica só o bagaço da laranja.
Marina agora está com dois meses e meio, responde às minhas risadas e tenta imitar minhas caretas. É incrível! É delicioso! É exaustivo! Vocês sabem como é não é?

Enquanto ela anda engordando que só e ficando mais interativa - nem sei se posso usar um adjetivo assim para um bebê -, Ângelo me traz altas discussões como a do título deste post.

Ele repetiu umas 15 vezes, para mim na última semana, uma atrás da outra, enquanto eu amamentava sua irmã:

- "Mamãe! sabia? o robô do espaço mora na espaçonave!"
- "Mamãe! sabia? o robô do espaço mora na espaçonave!"
- "Mamãe! sabia? o robô do espaço mora na espaçonave!"

.. e assim foi sucessivamente até eu responder:

- Ah é! Nossa é verdade Ângelo!

Sim! Ele mora, vocês não sabiam?

A conclusão tinha a ver com ele ter visto um pedacinho do filme do robô Wallie, aquele que viaja tentando salvar uma plantinha e correndo atrás de sua amada robôzinha.

Depois de refletirmos sobre o robô do espaço, o Ângelo me pediu para ajudá-lo a plantar uma plantinha ganha numa brincadeira que participou. Plantamos e a arvorezinha já está bonitinha... Prometi que repassaremos para um vasão, assim que nos mudarmos.

Ahn? Por que eu disse "nos mudarmos"? Eu num falei?

Sim! Mudando! Porque com a gente não tem rotina. Cheguei, rodei milhares de ruas e apês, recebi dezenas de pessoas enquanto estava ainda grávida e vendi o apê em que estamos. Vendemos! E agora compramos o outro e temos, sei lá, um mês e meio para nos mudar. Isso porque a mudança do container chegou há três semanas e passei uma e meia tentando organizar a metade.

Para dar uma idéia do que a chegada de um bebê e cuidado com criançada integral faz com a gente, Renato chegou semana passada, olhou ao redor, eu descabelada gingando a Marina e o Ângelo pulando em cima de mim falando qualquer coisa. Então ele me pergunta:

- Pelo jeito você nem tá sabendo o que aconteceu com o Rio?

E eu, em meio ao meu atordoamento do dia, depois de sei lá quantas fraldas trocadas, mamadas e dormidas, imaginei num milésimo de segundo qual era a do meu maridon agora falando de rio... Pensei no rio Piracicaba, no rio Tietê... Nem passou pela cabeça umas notícias que havia ouvido rapidamente no rádio dias antes e então respondi perguntando:

- rio? que rio?

Bom... é uma vergonha? Pois essa tem sido a rotina da Brabulétes e isso responde o porquê de meu sumiço e a falta de posts.

Eu volto em breve ao mundo dos normais. As cólicas já estão dando lugares à inquietação com gengivas, meu sono começa a ser mais longo e loguinho eu deixo de ser um zumbi de peitões!

Beijos nas bochechas de cada uma de vocês! e de cada um de vocês! Se é que eu ainda tenho leitores homens!

Ótimo fim de semana!

Comentários

Daniela disse…
Eu não vou a lugar algum :-)

Beijos, flor. Foto linda!
KKKKKKKKKKKK Tive que rir desse seu post Brabuletes...
Vc e seus peitões, Marina, Angelito e o mundo lá fora comendo solto...o pau comendo no Rio...acho que o Angelito errou,: Vcs é que estão morando numa espaçonave num "espaço" muito sideral, entre o planeta terra e o planeta "ser mãe"...hehe adorei seu post,...me fez lembrar de como é duro ter bebê pequeno em casa...Beijão pros 3 robôzinhos...Câmbio, desligo!
Danissima disse…
Somnia,
obrigada pelo post noticia!
eu, tb, ando, momentaneamente, na espoçonave.
como os teus joelhos sao bonitos! como vc consegue?

abraços e beijos
Ivana disse…
Oi Somnia!! O tempo está voandoo!Nossa, como a Marina tá graaande! E pensar que outro dia ela estava dentro da sua barriga ainda.
Leve o tempo que levar, ainda estarei aqui para ler os seus posts, ainda que raros (por enquanto).
Beijos!
Xu - 7 disse…
kkkkkk, tb caí na risada com este post, muié! Não quero te consolar não mas sua amiga aqui, q não tem crianca pulando, nem bebê amamentando, tb vai pra espaconave frequentemente... ainda bem q eu tenho o plantão Gus q me atualiza das coisas do Brasil e do mundo (ahahaha). O lance do Rio eu só me dei liguei por conta dos comentários no FB... vê se pode!

P.S. adorei o comentário da Daníssima sobre seus joelhos... ela tá coberta de razão.

bjs c/ suadade e até jájá
Lúcia Soares disse…
Oi, amiga.
Não se preocupe, estarei por aqui, de todo jeito.
Lindos os joelhos, as pernas (parte). Tinha reparado, antes de ler os comentários.
Ângelo, sempre lindérrimo.
Marina, tão mocinha, já???!!!Quase assentada, Jesus! E linda, não negando a raça.
Seu sorriso, cabelos, unhas vermelhosas, tudo lindo!
Muita saudade!
bj
Beth/Lilás disse…
Querida Sonildes!
Eu demoro, mas não falho!
Tenho que vir dar meus pitacos em todos os seus posts, mas ultimamente ando meio perdida que nem você, pois um filho adulto de volta à casa também dá trabalho. E come mais. kkkk
Só vivo em supermercado atrás de sucos, refrigerantes e comida para abastecer o freezer que está sempre se esvaziando. Como come o bichinho!?
Seus pimpolhos estão lindos e sadios, e você tá uma bela mãezona, realmente que joelho e pernas bonitas. A Lúcia observou bem.
Mesmo com toda a confusão da mudança você conseguiu fazer tanta coisa que tenho que parabenizá-la, afinal mudar-se pro Brasil com barrigón, criança e perto de ter a Marina, fora a choradeira dos sentimentos e saudades daquela linda Suécia. Ufa! Não foi fácil!
Por isso ninguém a cobra visita, pois sabemos o quanto trabalho tem passado.
Força, amiga! Continue sua vida com esta boa energia e cuidando desta família linda e querida.
um beijo super, carioca.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que