Pular para o conteúdo principal

"(des) Encontros & Despedidas": o vôo de volta da Brobuleta, por Ju Moreira


("Mãe e filha", Natalia Tejera)

Como muitas e muitos de vocês, uma das primeiras coisas que fiz quando decidimos vir morar na Suécia foi pesquisar na Net tudo que podíamos sobre o lugar, as pessoas, as comidas, os costumes, as dificuldades etc do misterioso lugar onde deveríamos passar, inicialmente, os próximos dois anos de nossas vidas.

No meio de coisas das quais me esqueci fácil e de outras bem legais encontrei o blog da Ju, uma jornalista do Recife, quem vive em Estocolmo com seu grande amor viking, com quem também já viveu na França. Passei a frequentá-la, ler seus posts e me inspirar e aprender um pouco mais da vida de alguém que mais ou menos se parecesse comigo e morasse na Suécia, Devorava seus posts, como os da Denise, do Síndrome, que havia vivido pouco tempo por aqui, mas escrito muito sobre.

Tempo passou e me lembro bem de que tive seu blog em mente quando comecei a escrever o meu... Tentei aprender com elas como fazer blog, embora eu tivesse lá meu jeitão nada jornalista de escrever...

A troca de visitas gerou comentários e troca de idéias. Depois foi a vez de publicar, a convite da Ju, no Brassar, site com o qual ela colabora, escrito para brasileiros que vivem na Suécia. O primeiro e o segundo texto publicado, ambos sobre arte, funcionaram como uma injeção de ânimo para que eu voltasse a querer não só escrever, como pintar mais e novamente... Além disso, também trocamos emails sobre coisas que pensávamos de vez em quando...Fomos mantendo um desejo grande de nos conhecer pessoalmente e sempre uma promesa: a gente ainda se encontra!

Não foi bem assim que aconteceu. Tentamos na semana passada que isso se tornasse verdade, mas não deu certo... O desencontro junto da despedida gerou em mim uma certa tristeza. Eu queria mesmo ter encontrado a Ju, como pude encontrar a queridíssima Camilíssima, que vive na vizinha também branquela Noruega e veio visitar meu sol e a adorável e não mais perdida Françoise, quem hoje também escreve seu diário inspirado na vida na Suécia. Bom, fato é que não foi dessa vez...

O que sei é que nesta semana a Ju me deixou ainda com mais lamento por não termos tido nosso encontro na festa de despedida aqui em Malmö, quando me mandou o link de um post seu. Nele, ela escreve falando de minha volta ao Brasil e despedida da Suécia e também de como sente algumas coisas que escrevo, além do fato de que minha relação com a Marina, ainda no início, lembrou-lhe de sua infância com a mãe e a avó num texto intitulado:


Então este meu post é para divulgar o texto da Ju com o qual eu me emocionei. É uma coisa muito estranha e interessante esta de pensar que a gente pode ter tanto em comum com alguém que nunca vimos. E que podemos sentir carinho por esta pessoa e querê-la bem.

Ju, obrigada por este texto lindo e pelas músicas dedicadas a mim! Obrigada por ter me inspirado a criar o Borboleta! Obrigada por ter me convidado um dia para escrever para o Brassar, espaço para o qual adorei ter participado, mas dado minha condição de pessoa bagunçada eu parei de fazê-lo sem nem mesmo dar satisfações... Obrigada por ter a sensibilidade de perceber em textos que escrevo com o coração coisas que me são caras.

Foi um prazer imenso conhecê-la, embora eu nunca tenho mesmo tido o prazer de conhecê-la! E, apesar do tom de despedida, eu estou aqui, escrevendo (com uma baita dor na "poupança" de tanto ajeitar a Casa Nova para a entrega) da cama do hotel, de dedos cruzados para que os desencontros não aconteçam no futuro e a gente possa ficar só entre os encontros e as despedidas, porque disso não dá mesmo para fugir...

Beijo, Somnia.

Comentários

Françoise disse…
Amiga Sonia,
Seu jeito despojado, alegre e intenso de ser nos deixa a vontade pra frequentar o seu "mundo" (mesmo que virtual) de uma maneira diferente que as coisas passam a tomar forma e vida. Foi exatamente assim que me senti com vc desde que iniciei minhas buscas na net sobre este país. Prontamente me tranquilizou com seus e mails e com suas " dicas mil". Tirei a sorte grande de conhecer seu blog que passou a ser meu guia e minha leitura de cabeceira. Melhor ainda foi conhecê-la pessoalmente confirmando meu grande carinho por vc.

O post da Jú está lindo, cheio de vida apesar dos des- encontros e despedidas....

Não dá pra explicar este sentimento bom que temos pelo outro chamado carinho mesmo sem conhecê-lo. Acho que são as afinidades da vida, sei lá..... Só sei que precisamos cultivá-lo.

Abraço forte,
Fran
Ivana disse…
Sonia, querida.
Lindo o post da Ju Moreira. Pura emoção.
Um beijo!
Mari disse…
Estes momentos de "encontros e despedidas" mexem muito com a gente, em especial para nós que estamos longe da familia e do nosso país. Nesta nossa situação, os amigos são a nossa familia e nos despedir deles é como estar saindo do Brasil novamente. Eu estou super saudosa da casa onde vivo hoje, porque em um mês vou me mudar para minha casa propria (no mesmo bairro), mas sei que as coisas vão mudar. E ao mesmo tempo eu já estou saudosa de vc, angustiada com sua volta ao Brasil e, de repente, eu penso: pera ai Marilena, pra vc nada vai mudar. Ao contrario: agora ela estara mais perto e a possibilidade de vc conhece-la pessoalmente vai até aumentar. Muito louca!!! Mas estou me despedindo junto com vc!
Lindo o post da Ju!

um beijo

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que