Pular para o conteúdo principal

As telas das ganhadoras do concurso com um pouco de filosofia e psicanálise de botequim



("Sigmund Freud", Andy Warhol,

Se vocês forçarem um pouco a memória aí lembrarão do concurso que fiz em março para as leitoras que deixassem resposta à pergunta "Que tipo de coisa consegue lhe deixar realmente feliz", num post feito por ocasião de meu aniversário.

Devem também se lembrar que as ganhadoras Mariahh, do Alentejo, Lilás, do Rio de Janeiro e Liana, de Malmö, foram as vencedoras e talvez nem mesmo elas se lembrem que receberam a promessa de uma tela minha de presente.

Depois de muito pensar, de tentar alguns rabiscos e telas que coloquei de lado, finalmente aqui estão as telas de presente para as três. Entretanto, como já conhecem de outras datas, minha empolgação com arte, filosofia e psicanálise não me deixa apenas postar as fotos dos três quadros.

Isso porque, enquanto fotografava e olhava para as telas feitas, fui pensando como não existe nenhuma ação nossa que não seja resultado de muitas outras ações, de pensamentos e vivências que tivemos. Sofremos influência de tudo e de todos ao nosso redor, desde que nosso cérebro ache "adequado" sofrer tal interferência.

Desde nossa história passada, o jeito como nossa mãe nos segurou ou afagou no colo quando crianças até o instante anterior a este, todos eles se somam ao que somos. Eu acredito que nossas escolhas (até mesmo uma simples de entrar ou não com o pai na Igreja) são resultados disso tudo e é por isso que não dá para subestimar o efeito que uma experiência ou educação maravilhosa ou traumática possa ter em nossa vida...

Bom, passando à filosofia da criação das telas e o porquê de eu ter mudado minha idéia inicial de criar para cada uma dessas três mulheres um abstrato inspirado na paisagem na Suécia, eu começo dizendo que o fato de saber quem elas eram tornou bem mais difícil a pintura do que em qualquer outros casos. O pouco ou o muito que sei de cada uma, o que imagino delas e de suas expectativas tiveram que se somar ao que eu também queria criar para cada uma, ainda tentando expressar minha liberdade de criar e meu estilo...



1a. A história de Mariahhh e de sua tela...







Sunset, Somnia Carvalho, junho 2010
24 x 30, mixed media work


Mariahhh está entre as leitoras e comentadoras com quem mais eu tenho trocado idéias filosofais. Um pouco no blog e bastante por email. Ela vive no Baixo Alentejo, em Portugal, e como eu (infelizmente eu não por muito tempo) tem o privilégio de viver perto do mar. Em nossas conversas eu soube que ela gosta de algumas telas abstratas minhas e uma das coisas pelas quais é apaixonada é ver o pôr do sol em algumas épocas possíveis do ano:


"No final do dia, com o sol a pôr-se e principalmente nesta altura do ano (Primavera),
temos um contraste de cores e luz lindíssimo.
Muitas vezes ao deparar-me com imagens dessas, dou por mim a pensar no quão feliz eu sou.
São momentos, mas são tão importantes e a nossa felicidade não é mais do que o somatório de todos esses momentos."


O sotaque escrito da Mariahh, seu jeito poeticamente português de ver a natureza, de ver tanta sensibilidade no que eu escrevo e sua vida jovial, mas carregada de tanto sentimento fez com que eu primeiro tentasse apenas criar uma pintura de um pôr do sol da frente da minha casa. Tentei, mas o resultado cheio de realismo me incomodou e me desfiz da tela.

E, então, meu desejo de criar algo que tivesse a ver com Mariahh me fez lembrar dela descrevendo estar doente deitada, lendo meus posts, ouvindo músicas que eu já havia postado e que ela também gostava... Se somou ainda ao desejo de criar algo colorido, abstrato, mas que ainda tivesse referência com aquele pôr do sol. Tinha que ser algo para uma jovem que sabe apreciar de Sivert Hoyen a heavy metal, porque gosta mesmo é de Singularidades.

(O pôr do sol em frente de casa, pelo qual me apaixonei desde que vi, verão passado, maio de 2009)


Não sei se Mariahh se gostará ou não do que criei, porque pintura é normalmente assim: a gente é ama ou odeia, mas são todas essas vivências grudadas em minha mente que se juntaram nesta tela... e cores, muitas delas, enquanto eu olhava para a foto que fiz na sacada de casa no ano passado.


2a. A história de Beth Lilás e de sua tela...







The yellow Sweden, Somnia Carvalho, junho 2010
24 x 30, mixed media work

O segundo nome tirado por Ângelo em um dos papéizinhos daquele mês de março havia sido inacreditavelmente a pessoa quem mais fez comentários neste blog, desde sua criação em 2007.

Beth Lilás, do Mãe Gaia, a Beth, a Betona, a Lilla, a Lilasona, a amiga virtual com quem adoro fazer trocadilhos de nomes e com quem também troco um pouco da vida por email, com quem sinto junto a natureza ou a vida quando leio seu blog... A amiga de muitas outras de vocês e que faz questão de deixar comentários na caixa de todos os blogs pelos quais passa...

Eu sabia desde o início que uma paisagem dos tais "amarelinhos" suecos (plantação de canola) dos quais falei muito aqui cairia bem para ela que adora subir literalmente a serra e aproveitar seus fins de semana junto da natureza. A mesma pessoa enlouquecida por flores e cores, que se deleita enquanto cuida de seu jardim.

Também descartei um pastel que havia feito para ela e acabei ficando com esta tela. Aqui criei esta paisagem do início da primavera que, apesar de ser característica em muitos países da Europa, é para mim o símbolo da Suécia onde aprendi a ser mãe e a ser a Borboleta Pequenina.

Aqui se junta massa corrida para dar volume aos azuis do céu e muitas florezinhas secas, as quais ganhei de presente de uma querida amiga, a Márcia, outra que cuida de seu jardim como cuida de suas filhas e dedica horas de seu tempo, todos os anos, a fazer um jardim todo colorido, quando a primavera chega. A Márcia colheu estas flores e me deu no dia de minha vernissagem e logo que vi as florezinhas caindo em minha mesa de jantar sequinhas eu pensei ao mesmo tempo na Lilás. Vi nas duas amigas algo em comum e nas flores algo que as une entre si e as une a mim.

Escolhi a dedo a cantora Laleh, uma iraniana-sueca, e sua música "Big city love", já que esta segunda ganhadora vive numa das maiores, mais contraditória e linda cidade do mundo, o Rio de Janeiro, cidade que ama, mas de onde também foge para além dos muros tentando sentir outro tipo de amor.










Big City Love

Along the big city walls
I walked for a while
looking for that face
I always recognise
hello hello
it’s been a while
ages ago
but your voice still feels

this it what they call
big city love
just play it by heart
‘cause I believe in true love
this is what they call big city love
play it by heart
though it’s a sad sad call

this it what they call,
big city love
‘cause I believe in true love

there’s no where to fall
along the city walls
along the city walls

...

And all the letters that you wrote
I want them all gone
I send them back to you
with a red heart on them
and in my memories I’ll try
erasing you for good
and all the hopes I had
projected on you

was looking for
was looking for
a place to hide away, to hide away
instead I lost, instead I lost the
heart I gave away,
oh we sang those songs
sang those songs
you comfort me you comfort me
and now and now
let’s call it destiny

This is what they call
big city love
play it by heart
cause I believe in true love
this is what they call
big city love
play it by heart
though its a sad sad call
This is what they call
big city love
play it by heart
because I believe in true love..

There’s no where to fall
along the city walls.
Laleh


3a. A história de Liana e de sua tela...



"Amor perfeito", Somnia Carvalho, junho 2010
20 x 60, mixed media work

Esta tela distoa das outras paisagens e talvez seja porque eu seja uma pessoa, uma tentativa ainda de artista cheia de dissonâncias.

Quando estava criando mais algumas telas para a vernissagem pensei que para a Liana tinha que ser algo daquele meu louco projeto "All we need is love". Tinha que ser porque não conheço gente mais apaixonada e cuidadosa que ela por seu romântico, lindo e amante de música brega, Thiago.

Ele quem vive cantarolando tudo quanto é tipo de música prega apaixonada brasileira e fazendo caras e bocas para sua amada.

Ela, quem tem na chamada do seu telefone a voz do marido cantando "É o amoooorrr... que mexe com a minha cabeça e com meu coraçãããooo..."

Conheci a Liana por acaso no curso de sueco e descobrimos que morávamos no mesmo bairro em Sampa, frequentávamos até a mesma padaria... Nossos filhos brincam juntos, cozinhamos, dividimos inúmeros momentos juntas... Sei de seus amores, seus sonhos, suas dores e sua inabalável crença no amor.



("Amor Perfeito", Roberto Carlos, Pacaembu, 2004)

Foi então automático que minha memória buscasse um dos nossos maiores românticos e apaixonados para me inspirar na tela... Ao som da sofridíssima "Amor perfeito", do Robertão Carlos, uma música com a qual eu também bregamente chorei na minha adolescência, eu acho que fiz e desfiz umas seis tentativas de tela.


("Casal", Pablo Picasso)


Provei dezenas de cores, jeitos diferentes de compor essa idéia sofrida que todos nós românticos sem chance temos sofre perder nosso grande amor. E brinquei com uma foto deles que eu havia tirado ano passado. Brinquei com letra do reconhecido romântico brega Michael Sullivan e com um desenho lindo do Picasso, o qual usei como colagem... Junto, bijouteria e miçanquinhas coloridas, tudo aquilo que faz parte de um sonho de garota sobre como o grande amor da nossa vida nos é essencial.

E assim cheguei nesse resultado que, ao meu ver, é um mix de porta-retrato feito cheio de amor e também uma referência às reproduções de fotos de famosos impressas em telas de Andy Warhol, mas de uma forma muito mais otimista, porque ao contrário dele, eu acho que todos nós damos material para uma bela ópera e também porque eu acho que tudo o que nós mais precisamos mesmo é de amor...


Amor perfeito




Fecho os olhos pra não ver passar o tempo, sinto falta de você
Anjo bom, amor perfeito no meu peito, sem você não sei viver

Vem, que eu conto os dias conto as horas pra te ver
Eu não consigo te esquecer
Cada minuto é muito tempo sem você, sem você

Os segundos vão passando lentamente, não tem hora pra chegar
Até quando te querendo, te amando, coração quer te encontrar

Vem, que nos seus braços esse amor é uma canção
E eu não consigo te esquecer
Cada minuto é muito tempo sem você, sem você

Eu não vou saber me acostumar sem sua mão pra me acalmar
Sem seu olhar pra me entender, sem seu carinho, amor, sem você
Vem me tirar da solidão, fazer feliz meu coração
Já não importa quem errou, o que passou, passou então vem

Vem, vem, vem

Roberto Carlos


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que