Pular para o conteúdo principal

"All we need is love!", amor é tudo o que a gente precisa...


(Meus sogros Irene e Caetano, numa das fotos mais lindas que conheço de casamento, creio que em 1974)


"When I'm feeling blue, all I have to do
Is take a look at you, then I'm not so blue"


"Quando eu estou me sentindo triste, tudo que eu tenho de fazer é olhar para você, então eu não me sinto mais triste..."

Sim, ando sumida...

Meu sumiço tem a ver com muitas coisas, quase todas boas, mas sobretudo como essas coisas boas e tanta mudança (física e emocional) têm tomado o tempo. Além do que o desejo de querer viver tudo o que não vivi ainda aqui e aproveitar até a última gota as pessoas que passaram a fazer parte de minha vida desde que cheguei. Isso tem consumido quase toda minha atenção e aí não sobra energia suficiente para escrever ou ainda acompanhar com carinho quem gosto de ler.



("All you need is love", Beatles)

Estava aqui, porém, no meio de uma dessas atividades, preparando uma tela, algumas delas para a vernissagen que vou fazer no dia 20 em casa. Trata-se de um projeto que intitulei "All we need is love" (Tudo o que nós precisamos é amor), sendo uma clara referência à música dos Beatles "All you need is love"...

Junto de minhas idéias flutuantes tem estado também o conteúdo do blog de vocês o qual li nos últimos dias. Neles muita alegria, muito desejo, mas sobretudo muita ansiedade, medo, tristeza, desilusão etc parecem sempre rondar os dias de cada um e talvez tudo isso junto seja o tema deste post.


(O casal que me inspirou o projeto "All we need is love", Lúcia e Gabriel, janeiro de 2010)

A idéia do projeto citado teve início no casamento de dois jovens amigos brasileiros, no qual participei em janeiro passado. A leveza, o amor tão casual e o jeito informal, embora intenso, de tratarem a ocasião me marcou... Marcou também a música tocada na saída deles do jardim onde celebraram a troca de aliança, o sorriso dos dois, as rosas vivas em cor de rosa, o vestido de renda da Lúcia...

E assim me pus a pensar em casamento. Por que nos casamos? Por que nos juntamos uns aos outros? Por que muitas noivas ainda vestem branco quando este não caracteriza mais virgindade nem tem mais a ver com a tradição de seus pais e avós... Passei a pensar muito e a relembrar casamentos em que fui, casamentos em que vi em fotos... E tanta coisa me veio à mente...


(Eu e Renato, no dia do nosso casamento, janeiro de 2002, foto de Rafaela Azevedo)

Fiz uma primeira tela teste com uma foto do meu próprio casamento. Eu e Renato num abraço amoroso, fraternal, cheio de sinais e promessas de amor e amizade que tentaríamos sustentar pelos anos que viriam...

E, desde então, tenho tido idéias mil na cabeça e feito outros testes. Centrando apenas em algumas dessas, penso que todos nós seres humanos sofremos de uma carência enorme de amor.



("The scene of love", Michael Nyman, a música cenário para o filme "Piano", no qual a necessidade de amor é dolorida e mostrada em silêncio... )

Sofremos de falta de amor desde que nascemos, clamando e gemendo para ser acariciado junto ao seio de nossa mãe. Depois sofremos a falta de amor no nosso quarto, sozinhos, enquanto adolescentes. Choramos as espinhas, o cabelo desajeitado, os amigos que não fazemos, a sociabilidade que desejamos ter como prova de que alguém nos ame suficiente, apesar do quão horrível pareçamos no espelho.

Com o tempo esta preocupação dá lugar a um querer ser alguém, querer ter certeza de que poderemos sim ter o sucesso sonhado por nossos pais e por nós mesmos... E às vezes conseguimos um tanto disso, outras não...

A verdade é que normalmente essa falta de alguma coisa passa a ser falta de alguém. Alguém que enxugue nossas lágrimas e nos dê abraços apertados antes de dormirmos. Alguém, um amigo, uma amiga, um companheiro, uma companheira que nos afague tanto quanto nossa mãe nos afagou e nos lembre de que, apesar do que somos ou não conseguimos ser, ainda somos amados tanto quanto qualquer criaturinha que vem a este mundo indefesa.

O amor é nossa necessidade suprema.



("A groovy kind of love", Phil Collins, tema musical que desde sempre tem me inspirado)

E a necessidade de amor se manifesta nas mais variadas formas e súplicas: a precisão de ser elogiado, de ser querido, de ser aceito, de ser reconhecido, de ser comentado, de ser lido, de ser visto, de não ser esquecido...

O casamento, a união - formal ou informal - entre pares significa, ao meu ver, o quanto acreditamos no amor e o quanto precisamosda confirmação do amor. O quanto nosso branco do vestido ou das vestes pode ser visto como espelho de um tipo de ingenuidade que sobrevive aos desalentos, aos desamores, à falta de sucesso, ao desejo de que nem brigas, nem doenças, nem o tempo e a morte nos separe do amor. Do amor ao outro e do amor a nós mesmos.

Estou com algumas fotos antigas aqui... Algumas de amigos, outras de familiares de amigos ou meus... e ouvindo algumas músicas cujo tema seja o amor para me inspirar na criação das telas...

Daí entra os Beatles, Elvis (na voz de Norah Jones), Phil Colins, Michael Nyman... Sempre seleciono e faço a tela ouvindo uma determinada música. Minha idéia é ver o quanto a obra que imaginei criar se soma à canção que ouço no momento. E minha animação é perceber o quanto sou quase sempre movida pela música tanto quanto pela foto e pela idéia inicial tida... Há um casamento entre pintura e música... Entre meus sonhos e os sonhos daqueles que tenho como objeto. Entre minhas alegrias, conquistas, dores e perdas com as deles...


(Anéris e Rubens, o avô e a linda avó de minha amiga Xu, celebrando amores e promessas, início dos anos 40)


Com as fotos dessas pessoas estou a pensar o quanto elas amaram. O quanto desejaram ser especiais e o quanto o conseguiram, apesar de não acreditarem.

Nossa existência e nosso passado, longínguo ou próximo, não morre. Ele permanece vivo e nós permanecemos vivos porque existiu ou existe amor que nos enlaçou uns com os outros.

E eu creio, ou ao menos ando nisso pensando, que é exatamente essa necessidade que faz com que lutemos ardentemente para que o amor sobreviva. E é essa a razão pela qual devemos tentar com todas nossas forças sustentá-lo e preservá-lo nas pessoas que nos são caras.

Não devemos desistir de amar e ser amados porque...

"All we need is love..."





All you need is love

"Love, love, love, love, love, love, love, love, love.
There's nothing you can do that can't be done.
Nothing you can sing that can't be sung.
Nothing you can say but you can learn how to play the game
It's easy.
There's nothing you can make that can't be made.
No one you can save that can't be saved.
Nothing you can do but you can learn how to be you
in time - It's easy.

All you need is love, all you need is love,
All you need is love, love, love is all you need.
Love, love, love, love, love, love, love, love, love.
All you need is love, all you need is love,
All you need is love, love, love is all you need.
There's nothing you can know that isn't known.
Nothing you can see that isn't shown.
Nowhere you can be that isn't where you're meant to be.
It's easy.

All you need is love, all you need is love,
All you need is love, love, love is all you need.
All you need is love (all together now)
All you need is love (everybody)
All you need is love, love, love is all you need."

Beatles

Comentários

Beth/Lilás disse…
Soníssima querida!
Só mesmo uma filósofa para desenvolver tão bem este tema e ainda passá-lo para uma tela!
Vai ficar show este quadro e tomara que você o acabe antes de voltar pro Brasil. Não deixe de postá-lo aqui pra gente ver.

Se quiser ver o meu post sobre este tema, abaixo um post que fiz em janeiro/2010:

http://supremamaegaia.blogspot.com/2010/01/all-you-need-is-love.html


bjs cariocas
Somnia querida!

Eu vivo amor, eu respiro amor, eu preciso de amor para viver... é esse sentimento que faz tudo acontecer a minha volta!!

Maravilhosa ideia sua!!

Um mundo de beijos para você, para seu pequeno Angêlo e para linda jóia que cresce dentro de você, Marina!
Unknown disse…
Gosto demais desta foto. É o registro do início de uma história de vida de duas pessoas que caminharam em direçôes contrárias e que em um certo trecho deste trajeto se encontraram,se uniram pelo casamento, deram vidas a outras pessoas,nossos filhos jóias preciosas,que darão uma continuidade na história dos dois protagonistas da foto.
Uma história que valeu e vale continuar sendo vivida.

Obrigada !! Valeu !!!
Françoise disse…
Admiro suas escolhas e a maneira que conta. Você não para nunca, fico imaginando que sua mente e seus pensamentos ficam ligados a 200 por hora. Tudo parece encaixadinho, perfeito, suas histórias mostram exatamente isso. Falar de um sentimento nobre como o amor não é fácil, mas pra você....faz com leveza e enquanto leitora digo que sinto as palavras ultrapassarem a tela do meu monitor. De verdade!

*São posts como estes que gosto de ler, lembra que me perguntou???? Eles me ajudam a ser melhor, aprendo com você.

Abraços
Xu disse…
Lindo Lindo Lindo!!!
Baby, inspirada no tema deste post, posso dizer que AMEI a forma como vc escreveu sobre o amor, sem ser piegas ou melosa.
Apesar de te emprestado a foto pra vc, fiquei muito surpresa ao ver meus queridos avós no seu blog! Vou fazer de tudo pra q minha avó "Nerinha" (como a bisneta a apelidou) leia o texto e se veja na internet...rs. O casamento dos 2 durou até a morte do vovô Rubinho, mas os eles tiveram a alegria de comemorar 60 anos de casamento! Coisa rara hoje em dia.

Continue amando intensamente tudo e todos que te rodeiam! beijos
Dani disse…
Queridona,
amei o post!
engraçado que eu estava com a música do Beatles na cabeça esta semana. Foi uma delícia encontrá-la no post.
as fotos estão lindas!
a única coisa que não gostei, não tem jeito, foi a música com a Norah Jones...

beijocas
Lúcia Soares disse…
Sônia Somnia, sua sensibilidade está à flor da pele. O amor é a base da vida, sem dúvida nenhuma.
E se todo mundo amasse e entendesse assim como você o amor, a vida seria outra.
Não sei como nossas vidas se entrelaçam com a de alguém, mas só é válido para um grande amor. Andam banalizando tanto o sentimento, já se casam com um "se não der certo, nos separamos", que é uma pena.
Mas amor de verdade, que dura a vida toda, sem arranhões, é raridade.
Beijim!
Dri disse…
Ahhh...tô até suspirando!

Lindo texto! Um texto escrito com amor! Amo a música dos Beatles e amo mais ainda os casais das fotos!

Bjs,

Dri
Françoise disse…
Sonia, agora estou empolgada pra mudar o template mas não consigo salvar pois está em zip e nao xlm e o computador nao aceita. Consegui voltar pro antigo mas nao consigo o novo.....Aiiiiiii
Beijos e obrigada pelas dica
vou ficar tentando, ehhhhh(gostei de brincar)

Postagens mais visitadas deste blog

Na Suécia também não tem... bebê com brinco na orelha

("Não tem brincos: é menino ou menina?", criança sueca posa para grife Polarn O. Pyret ) Nove em cada dez vezes que alguém no Brasil tenta ser simpático com uma grávida ou alguém com um bebê de colo a pergunta é sobre o gênero da criança. Menino ou menina? Já repararam? Embora essa pareça ser a única pergunta possível para tanta gente, a verdade é que ela diz muito sobre nosso modo de ser e pensar e a importância que damos ao sexo e a escolha sexual de uma pessoa. Tomemos outra situação: quando alguém olha para um bebê menino nas ruas no Brasil você acredita que haja alguma expectativa quanto a algum sinal, uma marca, deixando claro e evidente se tratar de um menino? E quando encontra uma menina? Bom, fato é que nossa menina Marina agora tem 8 meses e eu simplesmente não tenho condições de contar as dezenas de vezes em que fui parada nas ruas em São Paulo por alguém perguntando se tratar de uma menina ou de um menino.  Até aí nenhum problema! Bebês no começo não tem

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel