Pular para o conteúdo principal

Finalmente um dia de verão! E ainda em tempo de...

(Eu e Marina, em frente da tela "Isabelle, heter Jag!", que fiz com base em uma outra de Isabelle Tuchband, na vernissagem de domingo, junho de 2010)


Pessoas querillldas todas,

Hoje é 24 de junho e estou com um frio terrível na barriga: falta apenas 1 mês para eu deixar de ser a Somnia Borboletiando na Suécia, a Somnia que vem somniando nesta terra por onde nunca imaginei passar antes há quase quatro anos...

Quinta-feira, véspera da celebração de um grandioso feriado sueco, o Midsommar (que será oficialmente no sábado este ano), no qual se celebra o solstício de verão. Antes de ontem foi o dia mais longo do ano aqui. Tivemos amarelo e vermelho do sol no mar até umas onze e meia da noite e agora os dias começam a se encurtar novamente.

Hoje é também o primeiro dia real, na minha brasileira opinião, de calor dos bons (suecos, claro! porque deve estar uns 21 (graus no sol)*. Saí toda vaporosa, sem precisar de moleton leve ou nada, sem vento, só o sollll raiando no céu, só a suecada e todo povo que aqui vive andando pelas ruas de shorts, chapéu e sorriso no rosto.

Ângelo está tendo um aniversário antecipado na escolinha, já que muitos amiguinhos vão sair de férias agora... Estamos, eu, as amigas e amigos todos, numa coisa enloquecedora de querer aproveitar o dia, de querer encontrar todo mundo...

E, embora eu esteja voltando para o país do sol em 4 semanas dá um nó enorme na garganta de pensar que não estarei mais aqui em breve... que não viverei a chegada do verão com tanta intensidade como os suecos sabem fazer... Ainda parece tudo tão irreal. Ainda parece que vivi minha vida toda aqui, embora eu seja a figura encarnada da brasileira que muitos amigos estrangeiros daqui puderam conhecer...

É difícil ouvir minhas amigas daqui dizendo: "vocês não podem ir...", "vamos sentir tanto a falta de vocês!"...

Bom, fora o clima de despedida acho que talvez só a perda do sol, do verde, da liberdade de sair quase sem roupa, e deixando o corpo sentir a energia boa que essa época pode causar é que se pode entender o valor de ter ganho isso tudo de novo.

Creio que é a disparidade tão enorme entre os dias de verão e de inverno que nos cause tanto deleite. No inverno, nossos dias começam, sem sol, cinza no céu, as nove e meia ou dez da manhã e terminam lá pelas duas e meia ou três da tarde. Às nove da noite o corpo quer se entregar à cama... Dormir doze, treze horas nunca parece suficiente... No verão, entretanto, temos passarinhos cantando e o céu já raiando lá fora as três da matina e indo morrer no mar nunca antes de onze da noite. E aí é tanta energia brotando que fico acordada entre seis, sete da manhã até meia noite, sem problemas!

Amanhã, quando se celebra realmente o feriado, haverá shows em parques, piqueniques públicos e shows públicos... Nos juntaremos a um montão de amigos no Folketspark e dançaremos em volta do tronco de árvores lotado de florzinhas de verão...

O mesmo que fiz há 3 anos e meio, também de barriga, mas sem conhecer uma santa alma, depois de uma chuvona danada e muito, muito perdida no país e na cidade onde eu depois sentiria como sendo meu segundo lar...

Já entendo o que as músicas cantam... o que os grupos ao meu redor conversam entre si. Já entendo porque faz sentido celebrar o solstício e tantas coisas mais.

É isso que o tempo faz com a gente... o tempo lá fora, o tempo aqui dentro...

Quero postar sobre a vernissagem e visitar vocês sim!!!, mas tiengo que sair já já de novo! Tanta coisa ainda por fazer, finalizar e ver antes da partida! E paremos de conversa porque é hora de viver lá fora!!!

Beijos enormes!

Somnia.

* Update (17:03): Faktiskt! Na verdade está fazendo 25 graus lá fora! calorzão de deixar feliz qualquer um por aqui!

Comentários

Françoise disse…
Ei bonitona,
Acho que sua história ficará pra sempre marcada por estas terras suecas...

Para nós leitores será sempre nossa borboleta que voa até nossas casas trazendo energias de Somnia que nunca para; que surpreende, encanta e ama.

O dia estava lindo mesmo, ficamos a tarde toda na rua e depois fizemos piquenique estiradas no sol, nós 3, ehhhhh...delícia!!!


Beijos
Anônimo disse…
Somnia, eu já vivi isso.::E veja noq eu deu...voltei, again..
menina, esse pais é magico..e quem nele pisa, nao se refaz...kkkkkk

Boa sorte em tua vida..

Ah, vc nao vai está aqui::Eu iria te convidar apra a minha exposicao fotografica, que acotnecerá dia 1 de setembro e vai durar um mês, numa academia daqui.
bjs e dias felzies
Grace Olsson
Lu Souza Brito disse…
Êeee que delicia celebrar o dia assim. Ah, 25 graus até que é quente mesmo, rsrs.
Imagiuna a baita saudade que já está sentindo de tudo e todos ai..
Eu simplismente adoro esta tela.
Bjokas
Beth/Lilás disse…
Soninha,
Você está esplendorosa neste branquinho!
Beleza de tela também, cheia de cor e vigor que uma artista feliz passa diretamente em sua manifestação artística.
beijos cariocas
Lúcia Soares disse…
Amiga, adorei tudo: a tela, seu sorriso, seu branquinho lindo, a barriguinha já bem "ona".
A maravilha do sol chegando aí é justamente porque o inverno é forte, bem definido, tempo de recolhimento, mesmo involuntário.
E sol é calor, energia, cor, vibração.
Não precisa "esturricar" como o daqui dos trópicos, mas sempre é bem vindo.
Não fica ansiosa com a volta.
Aqui também pode ser um pedacinho do paraíso.
E depois, tem outra: o mundo gira, gira...
Quem sabe, numa outra época...num outro país, ou aí mesmo...quem sabe...
Beijos!
Dri disse…
3 mulheres lindas e poderosas nesta foto! Irradiantes!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que