Pular para o conteúdo principal

"Agora você sabe como eu me sinto..."

(Minha irmã Sandra com Júnior, o verdadeiro amor de sua vida, Brasil, dezembro de 2009)

Sentadas no anfiteatro do Konvux (escola pública de sueco) de Malmö eu e minha amiga Liana acompanhamos, em outubro de 2009, o último capítulo de uma série de tevê sueca que as professoras haviam nos passado chamada Leende Guldbruna Ögon (Olhos castanhos sorridentes). A série fazia parte do programa do curso, mas para nós a história dos estrangeiros crescidos ou moradores da Suécia que encontraram na música uma forma de se orgulharem de quem eram nos pegou entre rios de lágrimas genuinamente brasileiras.

Minhas lágrimas naquela final tinham também outra razão de ser: a música tinha Sandra, o grande amor de Lennart, personagem central, negro, adotado quando pequeno por pais suecos e que, apesar de amá-la intensamente, também sofria de preconceito e por isso não acreditava poder ser correspondido. Sandra era muito diferente dele. Sueca, loira, professora, mais velha...

A letra da música fala de um amor que ele guardou em segredo, mas que acaba sentindo que era hora de revelar. Ele pede para que Sandra se entregue e este amor e confessa o quanto amou em silêncio. Bem ao estilo exageradamente apaixonado das Dansbandmusik, estilo de música sueca que poderia se assemelhar ao nosso sertanejo, Lennart se declara muito tempo depois de ter ensaiado dezenas de vezes fazer o mesmo e não ter tido coragem.

Sandra é o nome de minha irmã, a Preta de quem já falei aqui. Ela, como Lennart, é genuinamente romântica e exagerada. É batalhadora, segue tentando chegar num lugar melhor para si mesma e sua família, segue acreditando nos amores prometidos, segue sonhando ser a rainha do baile... Acerta, falha, falha e acerta... Acredita e desiste, começa de novo e vai...

Não sei quem de nós é mais apaixonada e sonhadora...

Prometi a mim mesma naquela manhã de outubro que publicaria esta música em homenagem a ela aqui no blog. Tempo passou e meu amor ficou guardado para mim mesma... a choradeira, a homenagem... como Lennart guardou seu amor por sua amiga Sandra.

Sexta passada, dia 04 de junho, minha irmã fez aniversário. Entre todas as correrias e vai e vens da vida esqueci de ligar para o Brasil. Senti tanta culpa e pensei como é que podemos às vezes dar toda nossa atenção para quem gostamos, mas simplesmente esquecer quem amamos?

Ontem quando fui me desculpar, cheia de remorso minha Sandra deu quase a mesma resposta da Sandra de Lennart: não se preocupe... eu sei de seu amor, eu sei que não pode ligar e eu estou aqui...

Então, ainda em tempo, antes de minha volta, quero deixar meu desejo daquela manhã registrado...

Parabéns Preta! Feliz Aniversário atrasado! E aqui para você a música brega e linda que me fez chorar por você na aula de sueco...



( "Sandras sång", música da banda Lennartz, da série de TV sueca "Leende Guldbruna Ögon", sobre Dansbandmusik)

Sandras sång


Lämnade en kärlek som jag aldrig vågat pröva.
Hon blev kvar och jag försvann, nu står jag här och undrar,
Vad vi kunde haft tillsammans
Men känslorna är starka, dom har aldrig gått att döva.
Ensamheten går väl ann, men jag kan aldrig klara,
att se dig dansa med nån annan.


Saa-aa-andra, inte någon tjej som alla andraa-aa.
Nu så vet du hur jag känner.
Saa-aa-andra, inte någon kärlek bland dom andraa-aa.
Nu så vet du hur jag känner.

Undrar om det som jag lämnat kunde vatt den stora,
kärleken dom pratar om som alla verkar söka,
kommer kanske aldrig veta.
Längtan börjar bli för stor, finns inget kvar och förlora.
Dagarna dom kryper fram, jag klarar det inte mera.
Tror vi måste va tillsammans.


Saa-aa-andra, inte någon tjej som alla andraa-aa.
Nu så vet du hur jag känner.
Saa-aa-andra, inte någon kärlek bland dom andraa-aa.
Nu så vet du hur jag känner.

Saa-aa-andra.
Höjning:
Saa-aa-andra, inte någon tjej som alla andraa-aa.
Nu så vet du hur jag känner.
Saa-aa-andra, inte någon kärlek bland dom andraa-aa.
Nu så vet du hur jag känner.
Saa-aa-andra.

(Lennartz)

Comentários

Márcia disse…
Sua Preta foi bem recompensada, Sônia. Linda homenagem! Beijos.
Beth/Lilás disse…
Sua irmã Sandra deve estar chorando do outro lado da telinha. rsss
Que linda homenagem, você não precisa mesmo ligar, pois ela sabe, você já disse aqui muitas vezes, do amor que tem por ela e sua família.
Sabe o que me lembrou aquele auditório? Os programinhas do Silvio Santos com o auditório de mulherada só.
Muito bonita a música, não entendi nada, mas adorei.
beijinhos cariocas
Françoise disse…
Com um texto desses certamente sua irmã tem agora o melhor presente de aniversário. Você descreve nela caracteristicas que apesar de te conhecer pouco, enxergo em você. Seus pais são sortudos pelas filhas que tem.
Seu sobrinho tem uma beleza diferente! Lindíssimo ele....

Beijos pra você, Angelito e p/ sapeca da Marina.
Anônimo disse…
Me pegar na TPM com um post desses também não vale, hein? rsrs
Tenho só uma irmã, e nossa amizade é verdadeira como a de vocês. Quando a outra falha, a gente entende e perdoa antes mesmo da outra se dar conta.
Logo vocês estarão reunidas novamente, e os pequenos aproveitando a companhia um do outro.
Beijão!
Somnia Carvalho disse…
Márcia,

bom ouvir isso, um grande beijo!


Lilla,

eu já fui no programa do sirvio, no auditorio, com minha irma inclusive quando era adolescente! hihi haha hihi

Fran,

é engraçado como os pais podem amar tanto e de jeito tao diferentes os filhos ne? eu e minha irma somos ao mesmo tempo muuuito diferentes e temos semelhancas de atitudes que diz logo de onde viemos...

Marielllll,

tadinha de você longe tão longe da irmã também!!!
eu vi a foto de vocês duas juntas, parecem gemeas! eu sempre me lembro da frase de uma psicologa que me ajudou numa fase e dizia "o que vale e a qualidade do tempo que voce dispende com quem ama, não a quantidade"...

então... que a gente saiba aproveitar os poucos momentos ne?

beijos para todas voces
Somnia Carvalho disse…
Márcia,

bom ouvir isso, um grande beijo!


Lilla,

eu já fui no programa do sirvio, no auditorio, com minha irma inclusive quando era adolescente! hihi haha hihi

Fran,

é engraçado como os pais podem amar tanto e de jeito tao diferentes os filhos ne? eu e minha irma somos ao mesmo tempo muuuito diferentes e temos semelhancas de atitudes que diz logo de onde viemos...

Marielllll,

tadinha de você longe tão longe da irmã também!!!
eu vi a foto de vocês duas juntas, parecem gemeas! eu sempre me lembro da frase de uma psicologa que me ajudou numa fase e dizia "o que vale e a qualidade do tempo que voce dispende com quem ama, não a quantidade"...

então... que a gente saiba aproveitar os poucos momentos ne?

beijos para todas voces
Saa-aan-dra a preta disse…
Querida irmã está mais do que perdoada, linda a musica! agora sou eu que peço perdão por nao ter visto antes, nisso você pode ver que nossos tempos estão mais que corrido, semana que vem tô de férias da facul e teria tempo pra ver todos sem atraso,
"ainda que não demostre como devia "te amo muito""
beijo grande
Saaa-an-dra a preta disse…
esqueci de dizer
"muuuuuiiiiito obrigada"

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que