Pular para o conteúdo principal

A vida num container

(Navio carregando containers como os que levarão nossa mudança de volta para o Brasil)

Gente boa toda,

Estou há 13 dias de sair dessa casa, já que ficaremos uma semana em hotel, e 23 de ir embora definitivamente (buááááá) da Suécia...

Cá fico entre a finalização de algumas telas que preciso entregar e também de algumas encomendas que recebi no dia da vernissagem, de parte do empacotamento da mudança, da burocracia, das reuniões para ver com amigos a Copa do Mundo, do desejo de se esticar ainda como suecos ao sol, já que a temperatura tem ficado entre 25 e 28 graus...

Entre as coisas que havia me prometido fazer estão também as telas das vencedoras de um concurso que fiz em março e estou publicando no post seguinte...

Por essas coisas vocês já sentem que virão as desculpas pelo sumiço da leitura e dos comentários nos blogs de vocês, assim como respostas aos comentários estimulantes que vocês me deixam aqui...

Ah! e também tem a gravidez... hihi... que apesar da energia que me dá, também me deixa andando como tartaruga e fazendo tudo a passos lentos e com o xororô à flor da pele...

Estou num misto gigante de excitação, alegria com tudo que irá mudar, com chegar novamente aí, misturada com uma tristeza monstruosa de deixar a vida aqui, as pessoas, o lugar, tudo... Faz uns dois dias que ando num buááá danado toda santa vez que me despeço de alguém, já que muitos amigos e conhecidos estão tirando férias e não mais os verei...

É isso... vou escrevendo o que não consigo resistir e tentando ver o que ainda dou conta até fechar as caixas todas, na mesma certeza que tive há tempos, enquanto vivia as durezas daqui, de que "Everything´s gonna be alright".



("No one", Alicia Keys)

E obrigadão por ainda estarem aí comigo!

Comentários

Ivana disse…
Sônia, eu particularmente e ultimamente tenho criado uma certa aversão ao processo da mudança (não a mudança em sí, que gosto, até porque também sou pisciana e costumo me readaptar facilmente) que fica entre o sair do antigo lugar e chegar no novo. Resumidamente: detesto encaixotar e desencaixotar coisas.
Nestes 11 anos de Florianópolis, mudei de casa por 7 vezes, sendo a última há 6 meses atrás.
Nessas horas, queria ter uma varinha mágica, um pózinho de pirlimpimpim ou quem sabe uma fada madrinha que cuidasse de tudo pra mim, bem ao modo brasileiro NO DIY!
:-/
Josy disse…
Olá,

Espero que todas as coisas possam dar certo para você independente de onde.

Forte abraço
Somnia Carvalho disse…
Ivana voce e da minha turma hein!!! uau quanta mudanca!!!

e eu ainda ganho! 8 em 8 anos de casada... rs

eu comecei a sofrer com a ideia de ter que ENCAIXOTAR toda minha vida agora... com filho, marido e ainda vivendo fora a gente comprou muito mais, acumulou tranqueira etc... e eu tava ficando depre ja.. rs.. mas ai a empresa de mudanca disse que nao posso empacotar, so algumas coisas por conta de seguro! e eu delirei! oooba...

claro que ainda sobra a parte de DESEMPACOTAR no brasil... rs... eu gosto mesmo sabe do que? de arrumar cada coisinha no seu lugar do jeito que amo! com calma! aproveitando pra deixar gavetas tudo em ordem! o duro e ter tempo pra fazer com tanta calma!
Somnia Carvalho disse…
Brigada Josy!!!

e voce? como anda seu amor pelo seu loiro sueco? faz dias que nao passo no seu canto pra ler...

alias fico sempre morrendo e inveja de vc escrever alguns posts em ingles! bjs

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que