Pular para o conteúdo principal

Dicas Mil: vida prática na Suécia: comida, tempero e cozinheira brasileira só para você!


Creio que entre a lista de simbologias, objetos e coisas as quais mais nos liga a um lugar e mantém nossa memória afetiva conectada, a comida está entre as principais delas.

Sentir o mesmo cheiro, o mesmo tempero, comer algo que alguém lhe preparava com carinho ou que lhe remeta a uma situação passada é simplesmente muito prazeroso...

Depois de aproveitar uma manhã de sol na praia de Holviken, paramos num restaurante no centrinho da cidade para almoçar e, como boa grávida, fui direto procurar o banheiro. Nos fundos do restaurante encontrei um outro, todo informal e vi logo umas panelas de ferro numa das mesas...

O cheiro de alho (na Suécia não se usa quase alho como no Brasil) sendo refogado, uma música que reconheci logo na vitrola e uma placa onde se lia "Capirinha a tantas coroas" me deixaram em povorosa.

"É um restaurante brasileiro?", perguntei logo em português.

"Sim", respondeu a cozinheira...

E foi assim, totalmente por acaso, que descobrimos esse lugar, onde você poderá comer não só feijoada, mas também moqueca, bobó de camarão, lazanha brasileira, escondidinho de camarão e outras tantas cositas deliciosamente brasileiras mais.

Lilian, uma mineirinha muito ótima, filha de uma simpática e muito boa cozinheira baiana, casada com um sorridente dinamarquês, estará neste lugar até final de agosto, quando acaba o verão, tomando conta do "Sandálias Copacabana".

A idéia do restaurante é otima, mas infelizmente tem prazo marcado para acabar já que o lugar é um puxadinho do restaurante da frente, é todo aberto e tem os fundos numa areia onde se pode jogar voley e deixar as crianças brincarem.


(Cheiro, música, mesa quase ao ar livre, num clima muito brasileiro, Restaurante Sandálias Copacabana, Hollviken)

Para comer os cardápios brasileiros especiais você precisa ligar para este número aqui e fazer a "encomenda" para o dia que deseja aparecer por lá, já que os suecos não conhecem ainda a comida e não há tanta saída para eles.

Foi o que fizemos no domingo: pedimos feijoada e bobó de camarão (sim! tudo junto para matar dois coelhos) e elas preparam um buffet (149 coroas suecas ou uns 35 reais por pessoa), com sobremesa inclusa, e fomos com os amigos chegados brasileiros que lamberam os beiços e repetiram até a barriga ficar parecida com a minha.

Para mim foi ainda mais especial, também para o Renato, porque parece uma certeza de que há coisas que nos conectam ao Brasil e das quais sentimos sim tanta saudade e faz uma diferença bem grande quando se tem. Comer o bobó feito com tanto carinho por elas, assim como a feijoada, sentir aquela conexão carnal com o Brasil deu mesmo uma ponta de alívio junto com mais certeza de que é se é difícil partir é também muito bom voltar para casa.

Ficamos todos tão empolgados e agradecidos que cada um tomou o folheto do lugar para divulgar mais para os brasileiros residentes na região, já que as meninas começaram há apenas um mês e ainda não tem uma boa freguesia para essas comidas típicas deliciosas.

A maior parte vem da suecada e escandinavos vêm para happy hour e consomem mais os pratos comuns daqui...

Então se tiver por aqui, se quiser aproveitar o verão sueco à moda brasileira dê uma ligada ou simplesmente uma passadinha lá. Eu agarantio que você não vai se arrepender!!!


Restaurante Sandálias Copacabana
email: copacabanabar.hollviken@gmail.com
celular: 0722414046 ou res: 0406669071
Endereço: Falsterbovägen 83
Mellem Shakespire og Spanish Garden, Höllviken, Sweden 23651


Comentários

Luciana disse…
Somnia, que delícia de lugar.
Aqui tem um restaurante brasileiro, de uma brasileira que casou com norueguês, mas falta no cardápio do restaurante a simpátia e o bom atendimento aos brasileiros que lá vão, então tõ fora.

Beijo
Françoise disse…
Eba, tô dentro. Vou falar pro marido me levar pra conhecer até agosto, claro.
Obrigada pela dica,
beijos
Ivana disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Ivana disse…
Ô coisa boa, meu Deus!!!
Sônia, de memória gustativa eu entendo!!! Mudar do norte para sul, neste nosso Brasil imenso é quase como mudar de país!! No norte (Belém) é calor o ano inteiro, chove todos os dias, os traços indígenas são comuns entre as pessoas.Aqui no sul (Floripa), temos as 4 estações definidas, faz friiio (adooro) e os louros(as) são mais fáceis de se ver que capim.
E uma coisa que o Norte tem, que é única em todo este país, é a culinária!! Só pra exemplificar temos a maniçoba, o tacacá, o pato no tucupi. Já ouvistes falar? Isso sem citar as frutas/frutos que só se acha por lá: bacuri, cupuaçu, uxi, taperebá, pupunha, entre tantas outras!! Como fazer então, se só de referir-me a estes nomes, os catarinenses acham que estou falando outro idioma? No nosso caso, eu e marido somos "salvos" pelo sedex que nossos parentes usam para enviar-nos isopor cheio de comida congelada! Aí nessa hora, eu lembro que minha memória gustativa continua bem sabidinha e não esquece de nada, jamais!! rsrs
Beijos!!
Beth/Lilás disse…
Nossa, que grande achado vocês fizeram!
Pena que já no finalzinho, né!
Olha aí, vou deixar uma pequena lista abaixo, das 101 razões para gostar do Brasil e começar a lembrar a partir de agora:

- domingo de sol na praia
- catar tatuí
- pegar jacaré
- jogar frescobol
- doce de leite
- água de coco
- piada de português, de papagaio, de elefante
- praça com coreto
- sabonete Phebo
- comida de botequim: frango à passarinho, linguiça frita com cebola, filezinho apertitivo e para os mais corajosos, ovo cor de rosa.
- conhecer, pelo menos um garçom pelo nome.
- dar um gole pro santo
- beber a saideira
- dança de salão
- pão de queijo
- colírio Moura Brasil
- malhação do Judas no sábado de Aleluia
- Castelo Rá-Tim-Bum
-Flamboyants em flor
- frases de pára-choque de caminhão como: "Não tenho tudo que amo, mas amo tudo que tenho" ou "A mata é virgem porque o vento é fresco".
- o canto dos sabiás
- João Bosco cantando Linha de Passe
- o perfume dos manacás em flor
- quermesse
caldinho de feijão com torresmo.
- coxinha de galinha e rissole de camarão
- vitórias régias
- tratar resfriados com mel, própolis e geléia real
- amendoim torradinho
- Biotônico Fontoura
- bolo de rolo, de fubá, de aipim com coco, de laranjada, de chocolate...
- carne de sol desfiada
- Yes, nós temos banana.

Esses e mais trocentos itens estão num livrinho que comprei e mandei pro meu filho quando esteve fazendo intercâmbio nos States por um ano e eu queria trazê-lo de volta ao país, resgatando assim na sua lembrança alguns itens marcantes de nossa brasilidade.
beijões cariocas
Beth/Lilás disse…
Eu quis dizer "1001 Razões para se gostar do Brasil" - livro de Marcelo Camacho.

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que