Pular para o conteúdo principal

Quer sua vida com fundo musical? Spotify agora liberado para todos os países!


(Nelson Freire interpreta Gluck, "Melody")

"Hoje é domingo, pé de caximbo..."

Sim. E domingo para mim é dia de acordar com calma, tomar café da manhã mais cuidadoso com a pequena família ao som de música clássica. Normalmente piano.

Aprendi a gostar de música clássica já "velha", com uns vinte e poucos anos, depois de conhecer minha amiga Ludmila, na universidade que, além de ter na sala de sua casa um lindo piano que sua mãe tocava todas as manhãs, também tinha uma bagagem musical excelente porque cantava e estudava música, além de filosofia, e acordava com seu pai ouvindo música clássica todos os domingos de manhã...

Uma das muitas boas consequências disso foi então eu conhecer, por exemplo, Nelson Freire, um dos melhores pianistas brasileiros (sobre quem também vi um dos filmes mais marcantes de minha vida), da mesma forma como os maiores compositores do mundo...

E foi ao som dos Noturnos de Chopin que terminei o café, vesti o meu "moleque" com uniforme de jogador e fiquei ali fora, com o sol cegando-me um pouco, enquanto os meus dois saíam de bike para jogar com outros homens e meninos num campo aqui perto...

Talvez um momentos dos milhares que a gente vive diariamente, mas penso que a música (além de outras óbvias coisas como saber que esta é uma das últimas vezes que eles farão o mesmo por aqui) ajudou-me a perceber ainda mais o seu valor. Pensei que não deveria dividir com vocês algo que eu soube esta semana: o spotify, este programa livre e legalizado de música sueco que ouço aqui está agora aberto a todos os países do mundo.

São três novas versões que incluem a versão free, com 20 horas de música por mês. É muito menos do que eu tenho, porque tenho a versão antiga, sem limite de horas (embora free e com comerciais ainda), mas já vale o esforço de instalar o programa, juro!

Uma janela do mundo se abrirá para você, tenho certeza!

Aqui, descubro uma nova música (nova para mim, não necessariamente nova para o mundo), um cantor, cantora nova todos os dias... E, desculpe minha empolgação, mas é fantástico ter o mundo musical assim ao seu dispor. E ouvir a vida pulsando em cada momento...

Pense, sonhe, imagine uma música que você queria ouvir, sempre quis e não sabe direito em que álbum, de quem é, em que filme... Vá digitando nomes e você com certeza vai cair nela...

Foi com o Spotify, inclusive, que consegui achar quase todas as músicas (De Roberto Carlos a tema do filme "Blue") que eu precisava para as pinturas das telas inspiradas em música... Sem contar a qualidade, que não se compara com a maior parte dos programas free de música.

É isso... Só para dividir com vocês que tentaram da outra vez que divulguei o programa, mas não puderam instalar porque ainda não era liberado fora da Europa.

Você pode optar pela versão OPEN, que é grátis, 20 horas de músicas por mês, a qual inclui alguns comerciais entre as músicas. Pode, ainda, optar por pagar a UNLIMITED, que suta 49 coroas suecas (mais ou menos 11 reais) por mês, ter acesso ilimitado às músicas, sem propaganda, mas com restrição para baixar as músicas em celular. E se preferir há a versão PREMIUN que inclui todos esses acessos sem limite algum, inclusive lhe dando o direito de baixar as músicas.

O link é:

www.spotity.com

Daqui só consigo acessar o link em inglês que é este aqui, mas que provavelmente no seu país sairá direto na sua língua.

Bom, agora posso continuar meu domingo, na verdade meu ante penúltimo domingo de Suécia, meus afazeres e meus pensamentos mergulhados em mais música...

Ótimo domingo para vocês ao som de mais Chopin, Noturno n. 9, in B, opus 32, n. 1...

E agora Spotify pode me dar minha versão Premiun de graça!!! :=)

...

ps: não consegui achar um vídeo do Freire tocando os Noturnos que eu estava ouvindo... então postei esta música maravilhosa do Gluck que ele toca aí em cima, mas para terem uma idéia do talento dele... Se quiserem ter uma idéia de que música falo dá para tentar em links como este aqui, de usuários do youtube...

Comentários

Ivana disse…
Oi Sônia!!! A esta hora em que escrevo, já deves estar no vigésimo sono e, pra mim, agora que meu domingo está finalizando...
Sabes que tentei lembrar a última vez que consegui tomar um café da manhã com calma e percebi que isso tem 3 meses atrás... Que doideira, né Sônia! E é tão fundamental a gente pelo menos tentar começar o dia com uma energia boa, com calma. Amanhã, que estou de folga do trabalho, vou lembrar de fazer isso.
Ah, e já me inscrevi no site, agora vou começar a explorar as possibilidades!
Um beijo!
Simone disse…
Olá! Encontrei seu blog quando pesquisava algumas coisas sobre a Suécia... Também morei aí, e hoje estou de volta ao Brasil. Adorei seus posts! Voltarei sempre, posso?
Ah sim. Também tenho um blog. Será um prazer vê-la por lá.
Http://entresentefiqueavontade.blogspot.com

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Mãe qué é mãe mesmo...

(Picasso, Mãe e criança, 1921) Mãe qué é mãe mesmo... Já deu uma de cientista e foi até o quarto do bebê só para checar se ele respirava. Já despencou de sono em cima dele, feito uma galinha morta, enquanto amamentava. Já caminhou pela casa na ponta dos pés, como uma bailarina, só para não acordar o pimpolho. Mãe qué é mãe mesmo... Já perdeu a conta das mamadas e esqueceu qual o peito deveria dar. Já deu oi pro lindo rapaz que dormia ao seu lado e dormiu antes de continuar a conversa. Já adquiriu habilidades múltiplas como comer com uma mão só e fazer xixi com o bebê no colo. Mãe qué é mãe mesmo... Ama e odeia, ama e odeia. Às vezes chora e muitas vezes sorri. É ao mesmo tempo carrasca e heroína. Mãe... é uma garota crescida com uma boneca de verdade nos braços. Precisa de atenção e carinho tanto quanto seu brinquedo.

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que