Pular para o conteúdo principal

1 ano e mil histórias para contar

(Marina levada à breca, setembro de 2011)

Ontem fez 1 ano que Renato dirigia pela Avenida Paulista, meio desembestado, num sábado bem cedinho, enquanto eu segurava a todo vapor todas as alças do carro ao som de muito "aaaaaaaaaaaiiiiiiiiiiiiiiiiii" a cada contração que colocava mais e mais próximo de nós a menina vinda do mar.

As dores haviam começado as três da matina, num parto que eu havia conseguido induzir naturalmente porque a barriga pesava e o dia de nascer praticamente havia chegado.

Com uma primeira dor de despertar do sono profundo acordei e me pus a contar os intervalos de contrações. Eram de apenas 8 minutos, mas como marinheira de segunda viagem e muitas idas ao hospital antes da hora na primeira gravidez, resolvi esperar mais um pouquinho e não acordar o marido e o médico à toa.

Uma mais e mais uma e muitos ais a mais jogaram os intervalos para 5 minutos e a hora de pôr os moçoilos para trabalhar havia chegado. Tudo ia rápido demais, mas foi então que o pai da criança, ainda muito ensonado, resolveu fazer um bom cafezinho, sentar e comer algo enquanto a mãe dizia com a voz empunhalada pela dor:

- Tá na hora! Liga para o médico...
- Hummm... mas será que não é alarme falso? Lembra do Ângelo?, disse tentando usar um tom confortador.
- Nãoooo... nãooooo... liga para o médico..., tentava dizer ela com as mãos grudadas na mureta que separava a sala da cozinha, onde ele comia algo.
- Quanto tempo faz que começou?
- Renato! Liga agora!
- Eu já vou... calma! Mas é melhor ligar quando for certeza...
- Agora!
- .....
- Me dá aqui esse telefone! piipiiipiiiipiii. Não acredito! O médico não atende!

E fora assim que a coisa começara. Ligações consecutivas e o médico parecia estar no mesmo ritmo do marido.

Finalmente o hospital! O estacionamento... um papelzinho, pega as malas, pega as maletas da criança... e ...

- Aaaaiiii...
- Senhora sente-se nesta cadeira que já vamos levando-a lá para cima...

E lá em cima:

- 9 centímetros! Corre para a sala de parto que vai nascer!
- Meu médico! Moça liga para o meu médico! Ele ainda não me atendeu!
- Quem é seu médico! Okey! fique calma! Vamos achá-lo!

E na mesa de parto, a única mãe - entre outras 29 internadas naquela noite no hospital - decidida a dar a luz sem uma cirurgia pré-agendada fazia parar a ala da maternidade. Parto normal? Até mesmo os experientes não estavam acostumados mais a ver uma mulher em trabalho de parto... Enfermeiras, médicos e médicas, anestesistas todos queriam poder ver um pouquinho daquele espetáculo natural.

- Anestesia por favor! Anestesia! Doutor. Silvio! Finalmente o senhor chegou! Doutor Silvio!...
- Calma Sônia vai dar tudo certo! Ela já está com a cabeça apontando... Tem muito cabelo e é preto... Olha ela aqui...

Pai e mãe caíram no choro... Era a segunda vez que eram protagonistas daquele milagre! Sim! A vida é sempre um milagre!

E foi então que um entrelaçar de mãos se deu entre mulher e marido e um olhar cúmplice acompanhou a chegada daquela menina, escolhida ainda quando estava na barriga e a mãe cheia de enjôos olhando para o Mar Báltico na Suécia, para ser chamada de Marina...

E Marina ontem fez 1 aninho. 1 ano e tantas histórias para contar!

A menina quem praticamente corre pela casa desde os 10 meses e chama pelo "papai", "mamã" quando precisa de qualquer coisa. A menina amada pelo irmão, apaixonada por ele e cheia de felicidade está crescendo... Doentinha teve o bolinho adiado para depois, mas estava aqui e o casal que colocou-a no mundo olhou-se novamente em silêncio. Ambos sabiam que mesmo sem bolo e festinha havia muito, mas muito a agradecer, porque a sorte havia lhes sorrido tantas vezes nesses anos juntos e coroado com a felicidade de ter como companheiros da jornada as duas criaturinhas que sim! tiram-lhes literalmente o sono, mas também fazem a vida se encher de sentido...

Comentários

Lu Souza Brito disse…
Somnia, bom dia!

Parabéns para vocês e para a pequena Marina (sempre lembro da historia do vestidinho azul).
Felicidades e muita Saúde!!!
Um beijo
Lu
Tô aqui chorando, Brabuleta! O nascer de um filho não tem como descrever...é emoção demais e vc passou essa emoção e revivi tudo o que senti com os meus dois "pimpolhos" hj, já homem e mulher feitos...passa tão rápido que nem vemos...aproveita bem seu Angelinho e sua Marinoca, cara de sapeca, igual à mãe! Que sua família seja sempre muito feliz! Beijão,
Stela Battaglia disse…
Sonia e Renato
Felicidades para a Marina. Que ela se desenvolva, como pessoa, com toda a potencialidade deste primeiro ano.
Um beijo
Stela
Danissima disse…
Queridissima,
Tava doentinha? Por isso q a mãe dela sumiu?

Parabéns pra vc, vcs todos!

Vcs são pais excelentes, família muito fofa!

Abraços e beijos
Beth/Lilás disse…
Soninha, querida!
Poxa, lembro mesmo disso que contou, foi uma correria, mas você saiu-se bem, aliás bem demais.
Parabéns a vocês dois, pais amorosos e dedicados, e parabéns para esta fofurinha que começa a dar seus passinhos pelo mundo afora!
Muitos beijinhos cariocas em todos desta casa.
Dri Cechetti disse…
Q lindo! Fiquei aqui viajando imaginando a Marina lendo esse texto daqui alguns anos, tenho certeza q ela vai se emocionar e ter muito orgulho de ter a mãe q tem! Parabéns a minha sobrinha linda!
Mari disse…
Parabens atrasado para a Marina!!! Muita saude e felicidade para esta menininha que eu "vi" nascer!!! É muito gostoso acompanhar a vida destas crianças, ve-los crescendo, se desenvolvendo!!! São os meus "sobrinhos virtuais"!!! bjs
Lúcia Soares disse…
Sônia, parabéns a vc e ao Renato, por poderem ter dado à luz essa doce Marina.
A história de amor de vocês é linda e seus filhos são abençoados por fazerem parte dela.
Que Deus abençoe muito e sempre à linda Marina.
(estava em viagem, deixei passar em branco alguns aniversários de gente querida. Agora é que estou lendo os posts que "perdi").
Muitos beijos na Marina.
Muitas felicidades, saúde, paz e amor a ela, sempre!
Anônimo disse…
Cheguei atrasada, eu sei. Fiquei bastante tempo sem ler blog algum e escrevendo muito muito pouco no meu próprio. Só não podia deixar de dar os parabéns e comentar o quanto ela é parecida com o Ângelo! Fofíssima, cabelo mais claro do que eu lembrava nas primeiras fotos, e a cara do irmãozinho! Muitas e muitas felicidades pra familia de vocês!

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que