Pular para o conteúdo principal

"Uma foto, mil lembranças": "Uma foto ruim e intrigante de uma época boa", por Elaine Carvalho


Snif... snif... estamos quase chegando ao fim da publicação dos participantes do concurso "Uma foto, mil lembranças". Um dos últimos textos é este aqui da jornalista toda sampa, Elaine Carvalho, quem eu vim a conhecer exatamente por conta do concurso.

Em seu blog "Verdades e Insanidades", a Elaine, uma balzaquiana de 35 anos, escreve gostoso sobre literatura, algumas memórias pessoais e lança pontos de vista sobre múltiplos assuntos que lhe apetecem.

Curioso foi que a Elaine estará "concorrendo" com o texto de sua mãe, o qual publicarei logo depois desse. Foi tão bonito de ver mãe e filha assim sintonizadas num mesmo canal... em memórias que se conectam, mas nem sempre são conhecidas umas das outras.

O texto da Elaine toca numa questão sobre a qual eu vivo refletindo e já falei antes: o passado tal como o lembramos não se trata da realidade vivida, mas apenas da forma como sentimos este passado e o vivemos bem como da maneira manca como o mantivemos guardado na memória.

Obrigada Elaine!

...


Uma foto ruim e intrigante de uma época boa

"Algumas lembranças da infância são fragmentadas. Não se entende muito bem as circunstâncias, o local e a razão. É assim com as fotos que tirei aos cinco anos na escola onde fiz o Jardim 2. Em todas elas estou com uma cara bem triste e o que me intriga é que foram tiradas em uma das melhores épocas da minha infância.


Não pense que, se é assim, a coisa foi feia. Foi nessa época que morei na rua que mais tinha crianças na história das minhas residências. Como passavam pouquíssimos carros, a gente podia brincar à vontade. Meninos e meninas com muita energia pra gastar em brincadeiras sem gênero. Taco, pega-pega, mãe da rua, guerra de bola de barro do terreno baldio da esquina. Talvez por isso até hoje eu goste de mexer com argila.


Meus pais eram professores e chegavam sempre tarde, depois das dez. Então, noitinha eu ainda brincava, já não na rua, mas na casa da vizinha, que tinha três filhas. Olhar o os outros vizinhos pelo furo da parede era uma das nossas atividades. Às vezes, eu ajudava a mais nova nos desenhos. Ela estava naquela fase de repetir a mesma letra na linha inteira pra treinar a coordenação motora. Um ce maiúsculo, por exemplo, coisa que eu já tirava de letra.


Com tanta diversão, a escola nem era o ponto alto do meu dia. Mas a tia Márcia um doce e a Florestinha do Pixoxó tinha uma estrutura muito boa: piscina, árvores, parquinho. Por que é, então, que eu só saia com cara triste nas fotos?


Lembro vagamente da seguinte situação. Eu na sala e o fotógrafo me tirando daquela vibe boa pra me fotografar. Sacal. Então me pergunto se essa cara não poderia ser de tédio. Mas a expressão é de tristeza. Também não me lembro se isso aconteceu apenas uma vez. De repente, eu não estava num dia bom – podia estar com dor de barriga, sei lá -- e obviamente sai esquisita. Mas na minha lembrança confusa é como se essa “paparazzizada” fosse recorrente, o que torna muito mais dramática a dúvida sobre meus sentimentos na época.


O fato é que o fotógrafo paparazzi não me traumatizou. Hoje, eu adoro uma foto e pra, minha sorte, fiquei mais fotogênica."


Elaine Carvalho.



Comentários

Que legal esse texto da Elaine! Ela realmente parece mais "sem saco" do que triste na foto...acho que queria voltar logo pras brincadeiras e pra junto dos amigos...rsrs Legal lembrar de uma fase boa da nossa vida, principalmente da infância...Esse texto me inspirou...vou lá escrever um negócio no Café....rsrs beijos,
Beth/Lilás disse…
Também gostei muito da forma como a Elaine escreveu e descreveu esta época da infância.
Realmente ela não sorriu, e já vi fotos assim de crianças e agora fiquei aqui pensando com meus botões, porque será? Eu era uma sorridente garota e como diziam antigamente "vivia mostrando as canjicas", nem sei porque diziam isto, mas era o termo da minha época.
Eu era boba que nem só e qualquer coisa me fazia sorrir, fora isso sempre fui meio dentucinha, então quem é assim, está sempre com os dentes aparecendo, e necessariamente não quer dizer que estivesse feliz, né mesmo? hehe
muitos beijinhos cariocas
Nina disse…
ahaha, gostei mt tbm do fim do texto :-)

mt legal a forma que vc, Elaine, descreveu essas incertezas da infância, realmente nao lembro de ter feito cara mt boa nas poucas fotos que temos dessa época. Acho que é exatamente assim como vc disse, po, tao me tirando da brincadeira que tá tao boa e ainda tenho que fazer pose, ahh saco!

Mas o que achei ainda mais interessante foi o comentário da Sonia, qd diz que mt das nossas lembrancas extremamente pessoais, eu posso ter uma recordacao de um fato do jeito que criei, só na minha cabecinha, já a minha irma, tem desse mesmo fato, uma outra lembranca. E olha, é bem assim mesmo que as coisas funcionam!

Um bj
Anônimo disse…
Obrigada, meninas, é bom ver os feedbacks. E temos todos tantas lembranças da infância que dá sempre o que pensar. Somnia, vi que você tem a preocupação de apresentar os textos antes de publicá-los, mas como a gente não se conhece pessoalmente, achei que não teria como você fazer isso. E você arrematou tão bem o espírito da infância e a relação mãe e filha que agregou valor! rs...Muito legal. Obrigada, bjs, Elaine
Mery disse…
Lembrei de mim, não gostava de tirar fotos na Escola, parecia uma obrigação, e eu saía sempre de assim, meio desanimada, sei lá, sem saco mesmo...tenho cada uma!Nunca sorria!
Hoje é o contrário, virou moda tirar fotos com celulares e câmeras digitais, mas já me acostumei, tudo é motivo pra fotografar.
bjusssss
Mery*

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que