Pular para o conteúdo principal

"Uma foto, mil lembranças": "O mundo é grande e não cabe na tela", por Daniela Zuim


Eu tenho uns flashs de memória e sensações de uma época de minha adolescência em que eu lia um livro sobre símbolos do Leonardo Boff. Eu me lembro de conseguir resignificar vários fatos da minha vida só com a leitura daquele livrinho.

Bom... este livrinho me veio à mente novamente quando recebi este texto da Daníssima, um dos dois últimos textos do nosso concurso. A primeira razão foi o fato de ser exatamente ela, a autora do "nariz de batatinha" a ter me inspirado a fazer o concurso ter sido também a pessoa a fechá-lo. E isso "totalmente ao acaso". Não deixei Dani conscientemente por último, mas pensando no quanto o inconsciente guia nossas escolhas eu creio que sim, eu queria deixá-la para fechar o ciclo.

A segunda, porque Daníssima, além de tudo que já contei aqui sobre ela e como nos conhecemos, também fez um curso de psicanálise Junguiana na Suíça. E lembro-me bem de a partir disso trocarmos muitas idéias via net sobre uma quantidade enorme de coisas intrigantes, sobre nossos sonhos e sobre os símbolos que permeiam nossas vidas e nossas escolhas. Jung nos intrigava bastante e a gente viajava com ele.

E, finalmente, a terceira, a qual creio ser a mais forte delas, a foto escolhida pela Dani. Nela estão uma senhorinha quem conhecemos numa viagem ao sertão de Alagoas e nossa amiga Teresa. Todas nós três estudávamos na Unicamp (Teresa, Engenheira agrícola, Dani, Pedagogia e eu Filosofia), mas nos conhecemos e nos tornamos amigas no projeto de Ruth Cardoso, cuja intenção era fazer os jovens conhecerem seu país e depois de formados não usarem a formação tida na universidade pública apenas para si mesmos. Foi naquela experiência a qual mudou nosso jeito de ser para sempre que a amizade se firmou.

E se eu disser que enquanto o concurso rolava eu tive desejo de escrever sobre esta mesma foto? Exatamente porque ela é um símbolo tão forte desta nossa mudança. Ela consegue descrever tantas memórias e seria possível eu escrever um livro a partir dela. As minhas talvez sejam muito diferentes porque embora a cena e a foto seja a mesma nós somos únicas, com experiências de vida e histórias únicas.

A forma simbólica com a qual Daníssima tomou esta imagem e escreveu seu texto e as milhares de coisas que não estão ditas no belo e curto texto me deixam até mesmo arrepiada. Eu não sei se estou certa ou não no que imaginei com ele, mas o que interessa é o quanto ele pode levar a gente a pensar.

Vocês devem entender melhor tudo isso se souberem (digo isso com autorização da Tê) que nossa amiga Teresa, uma das mulheres mais fortes, otimistas, abertas, descoladas que eu conheci; aquela Teresa quem me inspirou a tela "Em Teresa brotou a Rosa" está em sessões de quimioterapia se tratando de cancêr que lhe tirou as mamas, os cabelos, a forte imunidade, mas não tem tirado sua admirável força interior. Sua voz sempre tão animada ao telefone! Seu jeito de rir e encarar as  coisas com a maior naturalidade que lhe for possível!

Ela continua com o mesmo jeito firme e carinhoso de se sentar e ainda ter tempo para ouvir, assim como ela fez em Maravilha, quando muitos do grupo tiraram esta foto. Enquanto muitos de nós estávamos meio embasbacados com a feição dessa senhora sentada do lado de fora de sua pequena casa azul rachada, a Tê foi lá, sentou-se ao lado dela. Ouviu suas histórias, deu-lhe atenção e a mão. A foto não era posada. Foi um segundo captado de uma experiência de vida de muitos jovens universitários em meio ao mundo hostil que pode ser o sertão.

Sim, Maravilha nos mudou. Essa senhorinha nos mudou porque sempre nos lembramos dela e de sua maneira maravilhosamente corajosa de enfrentar a vida no sertão. E sim a vida é permeada de simbologia e deve ser, pois como dizia Leonardo Boff, naquele livro que eu adorava: "Perdendo a visão simbólica, fecham-se janelas da alma e desaparece a magia das coisas."

Por essa razão eu creio que este concurso criado por mim e inspirado pela minha amiga Dani tenha tido tanto sucesso, por essa razão ele com certeza irá se repetir, pois conseguiu acima de tudo nos fazer entrar na simbologia de cada participante através de um texto que dá significado ao que poderia talvez não passar de mais uma imagem entre as milhares tiradas por nós em nossa vida.

Obrigada gente por tudo isso! 
Foi um prazer enorme ter vocês por aqui esses dias todos!
A votação terá início na próxima segunda-feira e todos vocês estão convidados a ler, reler, divulgar os textos e votar!

E agora fiquem com nossa última participante... Obrigada Daníssima e desculpe se inseri demais minhas lembranças na sua foto também!

...

“O mundo é grande e não cabe na tela”



"Eu não apareço nesta foto, mas a experiência por traz dela me apresentou uma parte da realidade do Brasil, do sertao, das familias que ainda nao faziam parte do Programa “Bolsa-Escola” ou recebiam qualquer ajuda social/econômica/material/espiritual do governo.


Em janeiro de 2006, participei juntamente com outros 9 estudantes e um professor da Unicamp do projeto piloto do Programa Universidade Solidária.


Ficamos alojados na cidade de Maravilha, sertão de Alagoas (226km de Maceió) e trabalhamos com a populaçao de uma cidade que não conhecia agua em suas torneiras, muito menos em suas hortas. E, por vezes, comiam a mesma comida que o gado (uma massa de cacto).


A foto me lembra do Brasil, das discussões políticas, de pessoas que enchem o peito e dizem algo sobre ensinar a pescar… e de outro lado, uma parte indefesa e fraca, sem apoio do Estado. Faz-me pensar que para entender o mundo não basta ler os livros, os jornais ou a tv, é preciso VI-VEN-CI-Á-LO!"

Daniela Morassutti Zuim.

Comentários

MeandYou disse…
Soninha!
Encantada fiquei com o relato sobre esta foto que é linda e emblemática, de um tempo em que as pessoas que saem das cidades grandes e conhecem a verdadeira face deste imenso país.
Parabéns à Daniela que é uma pessoa repleta de sensibilidade e bons sentimentos. É de gente assim que o país precisa.
beijos cariocas
Que estória, Soníssima! Realemnte, só mesmo conhecendo a realidade do nosso país "in loco" podemos lutar para mudá-la. É muito cômodo ficarmos olhando a Tv e nos emocionando ou ficando furiosos com o estado das coisas, mas sem "sentir" na pele o que é a realidade dura, cruel, sinistra. Maravilha de maravilha que mudou tantas pessoas e as fez enxergar a alma do nosso povo, parabéns à Dani e à vc pela sensibilidade em nos mostrar isso tudo, beijos,
DAnissima disse…
Gente,
o texto foi meu, mas eu gostei foi mesmo é da introduçao da Somnia... eita, mulher!
a foto? Sô, foi o Silvério ou o Roman que tirou?
beijos
Celina Dutra disse…
Daniela,

Uma coisa é ouvir falar de fome, outra é ver alguém alguém metendo a mão no lixo acumulado de vários dias, com larvas, ratos e sei mais o que e comer algo retirado dali. Vc tem razão, VIVENCIAR o mundo é muito diferente de ler sobre ou ouvir falar.

Girassóis nos seus dias.
Beijos
Macá disse…
Eu gostei do texto da Dani mas o que me prendeu mesmo foi a foto e a apresentação da Sonia.
Arrepiou, sério.
Vou falar a verdade. Quando vi a foto e o sorriso no rosto jovem, achei que seria um texto com alguma coisa cômica.
Que dura realidade e que grandes ensinamentos essa D. Teresa deve ter passado pra vocês.
Sonia, acho que você deveria se aprofundar mais no assunto.
beijos

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que