Pular para o conteúdo principal

"Uma foto, mil lembranças": Lembranças em preto e branco, por Loide Branco

(foto de Sandri Alexandra, trabalhada em preto e branco)


Faltando só dois dias para encerrar as incrições para o nosso concurso "Uma foto, mil lembranças" eu ainda tenho aqui textos lindíssimos para publicar para vocês!

O texto de hoje é da Loide Branco, uma brasileira, estudante de Direito em Coimbra. A Loide também é blogueira e escreve bastante sobre sua experiência de estudar fora e poder conhecer outros lugares e pessoas.

Assim como outras e outros participantes a Loide trouxe aqui memórias saudosas da família. No caso, memórias de sua relação com o pai e do seu tempo de criança. Apesar de falar de saudade ela prova que nem sempre saudade é algo triste... A saudade existe na nossa vida como parte integrante dela. É prova de que vivemos algo importante e isto nos pertence através da memória. Conseguir ter saudade sem se sentir triste, acredito eu, é algo que pouca gente o sabe fazer. Na verdade, só talvez as mais sábias.

Obrigada Loide!

Lembranças em Preto e Branco


"Era novembro de 1965, tempos difíceis de repressão, de mudanças sociais no Brasil dos anos sessenta, ela havia acabado de completar 26 anos e ele já estava com 66 anos e em seus braços a pequena nenê que a poucos dias nascera, a primeira filha de seu segundo casamento a oitava dentre os filhos que tivera e que trazia uma nova esperança, um recomeço.


Ali eu, pequenina, nos braços de meu pai à 45 anos atrás não sabia que só teria a presença dele por mais 7 anos, mas o que conta o tempo? Se o que importa é a qualidade de nossas sentimentos.


Retiro a pequena foto preto e branco da caixinha do meu coração e fecho os olhos por um pequeno instante, e consigo recuar no relógio do tempo e volto a ter sete anos e a ter um pai amoroso, cuidadoso, sinto a minha mão pequenina na tua, pequenos flashes de recordação enquanto caminhávamos e como tu parecias tão alto diante de mim e também a sensação de estar contigo na velha cadeira de vime branca de balanço a qual tu embalavas-me enquanto contavas-me histórias e também a pequena marca em minha mão direita de quando tu perdestes o equilíbrio e caístes sobre mim.


Sim, sempre quando olho para esta pequena marca lembro com saudade o tempo que tivemos juntos de como fui feliz e afortunada.


É verdade, o tempo passou, já não sou mais aquela nenê mas o que importa é a doce lembrança da primeira infância e saber que não importa o tempo que passou, nem o fato de você não ter me visto crescer ou participado das grandes coisas da minha vida, porque estivestes e estarás para sempre vivo dentro do meu coração através do amor que sempre senti por ti.


Hoje aos 45 anos muitas mudanças políticas, sociais, econômicas aconteceram no nosso país, o regime militar já não existe vivemos numa democracia relativamente jovem e com certeza tu te encantarias com os dois netos que te dei e as nossas pequenas e grandes conquistas e também te surpreenderias com as descobertas dos cientistas, o avanço tecnológico mas também te indignarias com o mundo em que vivemos, com a pobreza, as guerras, a fome e a falta de amor e fé.


Ainda com a foto em minhas mãos, trago-a para junto do meu peito e volto a guardá-la no meu coração."


Loide

...

ps: a Loide não conseguiu a foto que inspirou o texto porque ela mora em Portugal e a foto está "perdida" nas coisas do Brasil. Ela me pediu para usar uma outra da internet que conseguisse nos transmitir aquela tida em mente ao escrever.

Comentários

Beth/Lilás disse…
Mais um lindo texto, cheio de ternura, lembranças afetivas e amorosas que moram dentro dela para sempre.
Parabéns a Loide e a você Borboletinha por apresentar por aqui a cada dia, pessoas tão sensíveis e talentosas com as palavras!
bjs cariocas e saudades
Que lindo texto, emocionante...me fez me lembrar do meu pai que perdi aos 15 anos..."saudade dói, mas enverniza o peito", e aí, ficam as lembranças... beijos às duas,

Postagens mais visitadas deste blog

"Ja, må hon leva!" Sim! Ela pode viver!

(Versão popular do parabéns a você sueco em festinha infantil tipicamente sueca) Molerada! Vocês quase não comentam, mas quando o fazem é para deixar recados chiquérrimos e inteligentes como esses aí do último post! Demais! Adorei as reflexões, saber como cada uma vive diferente suas diferentes fases! Responderei com o devido cuidado mais tarde... Tô podre e preciso ir para a cama porque Marinacota tomou vacina ontem e não dormiu nada a noite. Por ora queria deixar essa canção pela qual sou louca, uma versão do "Vie gratuliere", o parabéns a você sueco. Essa versão é bem mais popular (eu adorava cantá-la em nossas comemorações lá!) e a recebi pelo facebook de minha querida e adorável amiga Jéssica quem vive lá em Malmoeee city, minha antiga morada. Como boa canção popular sueca, esta também tem bebida no meio, porque se tem duas coisas as quais os suecos amam mais que bebida são: 1. fazer versão de música e 2. fazer versão de música colocando uma letra sobre bebida nel

Azulejos em carne viva? O que você vê na obra de Adriana Varejão?

( "Azulejaria verde em carne viva" , Adriana Varejão, 2000) Gente querida, Domingão a noite e tô no pique para começar a semana! Meu grande mural preto, pintado na parede do escritório e onde escrevo com giz as tarefas semanais, já está limpinho, com a maior parte "ticada" e apagada. Estou anotando aqui o que preciso e gostaria de fazer até o fim desta semana e, entre elas, está finalizar a nossa apreciação da obra de Adriana Varejão , iniciada há dias atrás. Como podem ver eu não consegui cumprir o prazo que me dei para divulgação do post final, mas abri mão de me culpar e vou aproveitar para pensar mais na obra com vocês. Aproveito para convidar quem mora em São Paulo a visitar a exposição da artista, em cartaz no   MAM , Museu de Arte Moderna, no Parque Ibirapuera, com entrada gratuita e aberta ao público até 16 de dezembro deste ano. ("Parede com incisões a La Fontana", Adriana Varejão, 2011) Para "apimentar" a dis

O que você vê nesta obra? "Língua com padrão suntuoso", de Adriana Varejão

("Língua com padrão suntuoso", Adriana Varejão, óleo sobre tela e alumínio, 200 x 170 x 57cm) Antes de começar este post só quero lhe pedir que não faça as buscas nos links apresentados, sobre a artista e sua obra, antes de concluir esta leitura e observar atentamente a obra. Combinado? ... Consegui, hoje, uma manhã cultural só para mim e fui visitar a 30a. Bienal de Arte de São Paulo , que estará aberta ao público até 09 de dezembro e tem entrada gratuita. Já preparei um post para falar sobre minhas impressões sobre a Bienal que, aos meus olhos, é "Poesia do cotidiano" e o publicarei na próxima semana. De quebra, passei pelo MAM (Museu de Arte Moderna), o qual fica ao lado do prédio da Bienal e da OCA (projetados por Oscar Niemeyer), passeio que apenas pela arquitetura já vale demais a pena - e tive mais uma daquelas experiências dificilmente explicáveis. Há algum tempo eu esperava para ver uma obra de Adriana Varejão ao vivo e nem imaginava que